Como ter seus emails respondidos com agilidade

Recebo mais de 2000 emails diários. Ainda bem que o antispam do gmail é excelente e me livra de mais de 1500 desses emails todos os dias. O que me deixa ainda com mais de 500 emails para responder a cada período de 24 horas.

Em uma análise rápida, 50% desses emails são de pessoas me pedindo algo para suas necessidades pessoais, 25% são de “pessoas muito legais”, 20% são oportunidades de negócios (leia-se, prováveis clientes para os consórcios que represento), e 5% são das pessoas importantes na minha existência, família e amigos próximos. Em um cálculo rápido, se levasse um minuto para cada email, levaria quase 10 horas para responder todos os emails que recebo. Teria que parar de viver, apenas respondendo emails. Um minuto é um tempo razoável para responder um email, mas normalmente levo bem mais tempo que isso, por exemplo, para responder dúvidas sobre os consórcios. Por outro lado, muitas dessas dúvidas poderiam ser resolvidas facilmente se as pessoas se dessem ao trabalho de ler as centenas de textos que escrevo sobre o assunto, ou pelo menos lessem os textos principais em http://www.investimentoemconsorcio.com.br e http://wwwinvestimentoemimovel.com.br

A questão é que estamos todos ocupados demais. Todos temos toneladas de emails. Não temos tempo para responder a todos.

Veja bem, estou na frente do computador em um sábado a tarde tentando dar conta de algumas centenas de emails enviados por pessoas realmente importantes que desejam fazer coisa muito interessantes comigo. Cada uma dessas pessoas é muito importante para mim. Mesmo assim, eu só tenho um número limitado de horas a cada dia. Estou em meu escritório num SÁBADO para tentar responder algumas dessas pessoas. É assim que estou com as coisas. Sei que você está assim também. Todos nós temos muitas mensagens lutando por nosso tempo.

O que fazer para termos mais chances de receber uma resposta? Se você deseja melhorar suas chances de receber resposta de alguém ativo e ocupado (como eu), acredito ter algumas sugestões e idéias. Isto se aplica mais aos emails de negócios, não os pessoais. Se eu já te conheço, pode me mandar email. Apenas me desculpe pois estou tendo problemas me afogando nos mesmos 🙂

Pensando no que me faz responder um email mais rápidamente do que outros, aqui está o que notei:

O que respondo mais rápido.

Se você deseja investir em imóveis, ou mais especificamente, se deseja contar comigo para auxiliar em todas as etapas do investimento, começando com os consórcios e investindo passo a passo de acordo com meu plano pessoal de investimentos, basta seguir o passo a passo descrito em http://www.megacombo.com.br/como-investir e me enviar seus dados pessoais para adquirir uma ou mais cartas de consórcio e se tornar meu cliente. Esta é a maneira mais simples e rápida de garantir uma resposta praticamente imediata 🙂

Apenas um assunto. Brevidade.

As pessoas que escrevem com uma só necessidade, um assunto bem definido (com título no email) e um tópico específico, recebem resposta muito mais rápido, pois eu consigo responder de onde estiver, as vezes até mesmo pelo celular.

Não tenho tempo para longas dissertações. Inicie com o que deseja de mim, sempre. Conte-me sua longa história (se achar que precisa), e então, mais uma vez, termine com o que deseja de mim.

O mais importante: inicie com o que deseja de mim.

Entre direto no assunto. A maioria dos emails possuem pelo menos 200 palavras para “limpar a garganta”. Fique a vontade para entrar direto ao assunto, não acharei que é grosseria.

A formatação importa.

Um email bem escrito, com os parágrafos bem definidos, com perguntas numeradas quando o assunto é mais longo, recebem resposta mais rápido, pois consigo ver o que desejam e tudo está sucinto.

Repetição funciona.

Pessoas que me reenviam o email, mas não fazem eu me sentir culpado sobem na minha lista de respostas porque eu me sinto culpado mesmo assim e eu tento responder o mais rápido possível. Eu realmente não desejo encorajá-lo a entupir minha caixa de emails, mas é verdade. Por favor verifique se seu email esteja de acordo com os outros tópicos que listo aqui 🙂

Costumo viajar com frequencia e ficar alguns dias longe dos emails não urgentes, então aguarde pelo menos uns três ou quatro dias antes de pensar em reenviar seu email.

Como expliquei antes, recebo muito spam. As vezes o antispam falha e bloqueia o que não deve. Se mesmo depois de me reenviar seu email eu não responder, e se o que você deseja respeita as outras observações deste texto, provavelmente seu email foi extraviado. Entre em contato por telefone, carta, sinal de fumaça, para que eu localize o problema e possamos estabelecer contato.

Mesmo quando estou viajando, fico sempre conectado. Meus clientes sempre recebem minha resposta. Fui claro?

Direto e óbvio.

Pessoas que enviam questões vagas não recebem resposta. Simplesmente não posso me incomodar tentando imaginar o que você deseja. Quem pergunta diretamente o que deseja conquista meu tempo.

Conectividade.

Se você comenta com regularidade em meus sites e blogs, ou se retuita meus textos, a chance de eu já lhe “conhecer” é muito maior.

Se você conhece alguém que me conhece, pedir uma introdução é uma excelente maneira de se aproximar mais rápido.

O restante.

Finalmente, o que recebo mais frequentemente são emails de pessoas que desejam ajudar. “Se eu puder te ajudar de alguma maneira, é só avisar”. Então, seguinte… Eu nunca respondo estes emails. Ninguém responde estes emails. Porque quando alguém procura ajuda, é quando está preparado para receber tal ajuda. Ofertas genéricas mostram um sentimento positivo, mas não possuem nenhuma forma de retorno possível, se isto faz algum sentido.

Ofertas unilaterais.

“Gostaria de te dar a oportunidade de fazer um link para meu site, pois falo de um assunto que pode interessar seus leitores.”

“Tenho um produto que acredito possa te interessar.”

“Seus textos são ótimos, estou começando a fazer o mesmo que você, a vender alguma coisa, fazendo um trabalho de aula, querendo abrir uma empresa, …, …, …, o que você teria para me dizer para ajudar? ”

A vida é dura para quem é mole. Não sou mãe de ninguém e não estou aqui para levar os outros pela mão. Se quer minha ajuda, antes de mais nada ajude a si mesmo assumindo sua responsabilidade de pesquisar e estudar antes de pedir tudo de mão beijada.

Quer ter seu email respondido?

Então, se deseja ter seu email respondido, não apenas por mim, mas por qualquer pessoa relativamente ocupada, estas são algumas dicas.

Alguma dica extra que você deseja deixar na seção de comentários?

E se te devo uma resposta, releia o texto acima e me avise se você acha que seguiu bem as sugestões.

Baseado em um texto do Chris Brogan.

Leia também: seus emails são muito longos.

Confissões

Até mesmo super-heróis possuem problemas que desejam resolver.

Estava lendo Bird by Bird: Some Instructions on Writing and Life, excelente livro da Anne Lamott, quando me deu vontade de confessar publicamente algumas coisas ao ler um trecho em que ela dizia que os personagens tinham que possuir alguns defeitos ou características das quais não gostavam tanto. A autora dizia que isto permitia nos identificarmos com tais personagens porque nenhum de nós é perfeito, logo, essas pequenas características eram a cola que nos ligava a cada personagem.

Acredito que desta reflexão sairá algo interessante, pois as vezes tendemos a ver somente um lado das situações, o lado mais fácil de ver, o lado mais exposto, quando na verdade, tudo costuma possuir muitas facetas. Acho importante a busca pela compreensão do todo, ou do máximo possível. É uma forma de tentarmos entender um pouco mais sobre o mundo e sobre nós mesmos.

Ao mesmo tempo, é uma forma de mostrar um pouco mais de mim e um pouco de como funciono no dia a dia. Esta é uma questão que aparece com frequência: “Fabrício, como tu consegue fazer tantas coisas, participar de tantos projetos, etc”. São coisas importantes de saber para quem deseja buscar resultados e as vezes se impressionam com os que tenho obtido, achando que sou um poço de perfeição, organização e execução.

Preguiça.

Vamos começar com a preguiça. Sou muito preguiçoso. É verdade, você pode não acreditar nisso ao ver tudo o que consigo realizar, tudo que escrevo nos diversos sites que mantenho, mas a grande verdade é que sou um grande preguiçoso. Aquela palavra grande e feia, procrastinação, é minha amiga há anos, acho que desde que me conheço por gente.

Preguiça e procrastinação são coisas diferentes, mas andam bem juntinhas. Há dias em que simplesmente não tenho vontade de fazer nada. Na verdade, não tenho vontade de fazer nada do que está na minha lista de tarefas a realizar. Com certeza quero fazer alguma outra coisa. Preste atenção nisto que estou escrevendo, porque este é um dos segredos do meu sucesso.

Quando não tenho vontade de fazer o que “preciso” fazer, normalmente arranjo algo mais interessante para ocupar meu tempo. Este é exatamente um destes momentos que ilustram maravilhosamente bem esta questão. Estava lendo um livro quando na verdade deveria estar lendo outro. Estava lendo um livro sobre a escrita e a vida, quando deveria estar lendo os livros necessários para escrever meu trabalho de conclusão da pós-graduação. O que meu cérebro faz, então? Me leva a pensar que é hora de escrever um texto para meu site pessoal. E aqui estou eu, escrevendo um texto que deve me aproximar de você que está lendo estas linhas, mostrando que apesar de ter conquistado determinado sucesso na vida e na carreira, sempre fui e continuo sendo uma pessoa normal, com problemas normais de pessoas normais. Com as mesmas dúvidas e angústias que todos possuem.

Meu segredo está na maneira com que resolvo alguns destes problemas. Então, como faço para resolver o problema da preguiça e sua consequência mais direta, a procrastinação? É fácil, uso o que chamo de procrastinação estruturada. Já fazia isso há muito tempo de forma intuitiva, então foi muito legal ver que já havia alguém mais fazendo o mesmo, e mais que isso, escrevendo sobre o assunto. A identificação foi imediata. Leia o texto do John Perry (Structured Procrastination, em inglês) para saber como funciona, em detalhes.

Resumidamente, procrastinação estruturada é escolhermos tarefas úteis para nosso futuro que substituam aquelas que deveríamos estar realizando neste momento. Este texto serve a este propósito, é mais um artigo para meu site. Se minha tarefa de hoje fosse “escrever um artigo novo para meu site”, provavelmente não estaria aqui escrevendo isso, estaria lendo um livro necessário para meu trabalho de conclusão. Fiz isso algumas vezes no passado recente. Resultado? Os livros que deveria estar lendo hoje, já os li. Os textos que deveria ter escrito semana passada, com folga para publicar na semana seguinte, estou escrevendo hoje, enquanto deixo de fazer o que deveria estar fazendo agora. No rodapé da página do John Perry ele dá outro exemplo disso dizendo que o site foi feito pela neta do autor, enquanto ela evitava estudar para a prova de literatura 🙂

O melhor de tudo é que no final, acabo tendo resultados ainda melhores do que se não tivesse procrastinado. Quando deixo as coisas para última hora, a medida em que o tempo vai ficando mais curto para concluir determinada tarefa, vou ficando cada vez mais preocupado. Esta preocupação se transforma em estar constantemente pensando no assunto em questão. Assim, apesar de não estar escrevendo meu trabalho de conclusão, estou constantemente pensando nele, nas relações, nas implicações entre os assuntos. Quando estiver na última hora e finalmente começar a escrever, o trabalho já estará praticamente pronto dentro da minha cabeça, é só transpor para a versão final.

Insegurança.

Vamos a mais uma confissão. Já que o título deste artigo está no plural, não posso parar na primeira. Sou inseguro. Tenho medo de fazer algo e não dar certo. Penso, repenso, desenho para entender melhor as implicações. É normal nos sentirmos inseguros ao começar algo novo. É normal ter medo. O medo nos deixa alertas. Por outro lado, ajo apesar do medo. Recentemente comecei a gravar vídeos para colocar na internet. Fico inseguro a cada novo vídeo, será que está bom o suficiente? Será que quem assistir irá gostar? Será que estou levando informação suficiente para valer a pena para quem me assiste? É um desafio constante. O que me faz lembrar de mais uma coisa a confessar…

Herdeiras também tem o que confessar.

Desorganização.

Confessando que sou desorganizado, lembro de outro texto que ressoa fundo dentro de mim, coincidentemente também do John Perry (sim, temos muito em comum, ele também escreve longos relatos como este). Na verdade não sou desorganizado, sou apenas Organizado Horizontalmente. Leia a súplica completa: A Plea for the Horizontally Organized, mais uma vez em inglês. Outra hora vou escrever o que penso sobre a língua inglesa em mais detalhes. Por hora, basta dizer que se você não lê textos em inglês, deveria aprender o mais rápido possível. Não precisa falar nem compreender alguém falando rápido, apesar disso também ser útil, mas ler, é essencial.

Voltando ao assunto da organização, nós, horizontalmente organizados, simplesmente não conseguimos usar as estruturas projetadas para organizar os documentos e tudo o mais. Um exemplo simples olhando minha mesa neste momento. Tenho uma pilha de papéis a minha esquerda, uma agenda aberta, um moleskine onde faço anotações rápidas ou que serão transpostas ao caderno onde anoto as coisas de forma mais permanente, mais alguns papéis soltos, anotações entre as teclas de função do meu teclado do computador, papéis na frente do teclado, papéis atrás do teclado, papéis em cima da impressora (não saindo dela, mas realmente em cima, e nem é uma destas modernas impressoras copiadoras, é uma pequena, que na prática não teria espaço para papéis em cima, mas sou bom equilibrista. Vou poupá-lo da descrição detalhada da minha estante, onde mais papéis ficam horizontalmente espalhados à frente dos livros encostados no fundo. Na minha direita, mais pilhas de papéis, o mesmo acontecendo em cima do computador. Isto tudo são as coisas em que estou trabalhando no momento.

O que uma pessoa normal teria? Tudo organizado em pastas, arquivos, gavetas. Quando precisa de algo, vai até a pasta em questão, pega os documentos, trabalha neles e depois guarda. Aí é que está a questão primordial. Nós, horizontalmente organizados, não temos esta habilidade. Eu uso arquivos para guardar documentos. Organizar e guardar as coisas é simples. A habilidade que nos falta é a de abrir um arquivo e localizar coisas que estão pendentes de conclusão. Para quem é horizontalmente organizado, arquivos servem apenas para guardar aquelas coisas que não queremos mais olhar. Chega deste assunto, cabe em um novo texto, ou melhor, leia o artigo original que citei anteriormente.

Incompetência e perfeccionismo.

Mais uma. Sou incompetente em muitas coisas. Sou péssimo nos meus vídeos, não nasci com as habilidades de um ator. Muita gente me diz que estão bons, mas a verdade é que estas pessoas, quando estão falando a verdade e realmente acham bons, simplesmente não tem o meu nível de perfeccionismo ou não dão importância a coisas que eu acho serem importantes. É difícil fazer um vídeo e achar que está bom, com tantos filmes e atores maravilhosos nos dando exemplos frequentes do que é realmente bom. E então segue mais uma confissão, sou perfeccionista. Juntando minha insegurança e minha incompetência neste assunto, com o perfeccionismo que me daria a desculpa final necessária para evitar gravar vídeos e expor estas incompetências, bastaria procrastinar as gravações indefinidamente e não teria mais problemas. Só que aí entra o que é realmente importante neste texto. Apesar de todos os nossos medos, todas as nossas imperfeições, todos os nossos problemas, ainda assim os dias passarão. E cabe somente a nós mesmos decidir se estes dias passarão conosco produzindo, gerando valor para os outros, ajudando as pessoas com aquilo que sabemos, ou se passarão conosco fechados em nossas bolhas de medo e imperfeição.

Resultados!

É melhor fazer algo passável, do que não fazer coisa alguma. Mais que isso, quanto mais coisas passáveis fazemos, melhores vamos ficando nestas coisas. Até que um dia nos tornamos mestres nestes assuntos. Comigo já foi assim com a informática, com as vendas, com o marketing online, com a escrita (você acredita que eu não sabia escrever quando nasci?), com os investimentos em geral e mais especificamente com os investimentos em imóvel, e agora com meus vídeos. Em algumas tarefas que me determinei a cumprir, me tornei realmente o melhor dos melhores. Em outras, como os vídeos, não tenho a pretensão de me tornar um ator profissional, nem um editor, muito menos um diretor… Humm, talvez diretor sim 🙂

Deixo a pergunta final: o que você está deixando de fazer com medo de se expor, de expor suas fraquezas e incompetências? Quanta gente você está deixando de ajudar com esta atitude? O que você fará a partir de agora?

Ciclos do mundo e os sites de compra coletiva

Introdução.

O mundo é um lugar divertido. Vivemos dias de altos e dias de baixos. Dias em que tudo parece dar certo e dias em que nada funciona. Hoje é para mim um daqueles dias em que tudo o que fizemos até então parece ter atingido algum sentido. Me deu vontade de contar algumas histórias. Já citei isso antes, escrever é a maneira que uso para ordenar as idéias que estão fervilhando na cabeça neste momento, ao mesmo tempo em que permito que outras pessoas me ajudem fornecendo suas opiniões sobre o assunto, enriquecendo a discussão. Ajudo e sou ajudado, tudo ao mesmo tempo.

O importante para mim, o que mais precisamos interiorizar, é que o mundo é cíclico. Aquilo que vivemos em determinado momento, irá acontecer novamente. A história nos mostra isso com vários exemplos. O que contarei aqui é um deles. Claro que as coisas não acontecem exatamente como aconteceu anteriormente, mas as histórias se repetem de forma magistralmente iguais. Aproveitam as oportunidades quem está preparado quando elas se apresentam. Aproveitam as oportunidades, quem já as perdeu anteriormente, quem sabe porque perdeu alguma grande oportunidade, e se preparou para a próxima onda. Algumas coisas possuem um degrau de entrada maior, outras menor, mas mesmo isso, depende basicamente em saber como resolver o problema do degrau. Precisa de conhecimento? Estude ou conheça pessoas que saibam do assunto. Precisa de dinheiro? Economize muito ou estude formas de levantar capital para quando a oportunidade surgir. Se você estiver preparado, com o conhecimento para aproveitar uma oportunidade, dinheiro se consegue facilmente.

Para ilustrar o que acabo de escrever, leia a história da criação da máquina fotográfica, a inovação que era na época, as dúvidas e críticas que ela gerou na sociedade que ainda não sabia como reagir àquela novidade. Compare agora com a história dos primeiros carros. Avance alguns anos, compare com os primórdios da história da computação. Volte no tempo, estude a invenção e popularização da TV. Volte mais um pouco, faça o mesmo estudo sobre o surgimento do rádio. Todas refletem exatamente a mesma história, mudam apenas os personagens de cada uma.

Falei somente de grandes invenções, mas isso é válido para as pequenas. Focando na internet, começamos com o surgimento da mesma, a necessidade de acesso e como foi solucionada. O aparecimento dos portais, o acesso grátis, a banda larga. Analise como as empresas do setor se movimentaram e como tudo se encontra atualmente. Quem são os grandes? Como chegaram a isso? Caminhando um pouco no tempo, estude o aparecimento dos sites de leilão online. Quem sobrou atualmente? E os grandes sites de compra? Alguém falou Amazon? Submarino? Americanas? Que tal falar dos blogs? Quais se tornaram negócios lucrativos? Porque? É aí que gostaria de chegar. Hoje, sei porque tudo isso aconteceu. Olhando um novo mercado, basta examinar os movimentos de certas empresas para saber quais estão caminhando ao sucesso e quais irão dar com os burros n’água. E isto nunca tem relação a quanto dinheiro possuem ou qual tecnologia é melhor. Vejo o caso do Betamax se quiser um exemplo disso, ou do iPod original se buscar um exemplo mais recente.

1996-1999 – Minha primeira empresa.

Há pouco mais de 14 anos montei um dos primeiros provedores de acesso discado no RS, com mais cinco amigos. Naquela época, era um guri recém saído da faculdade, com muitas idéias na cabeça e pouca experiência prática. Sem saber, estava no olho do furacão da inovação, estava fazendo o que nenhum outro fazia. Estava no topo da onda tecnológica que iria dominar os anos seguintes. O problema é que estava lá por conta da minha busca por inovação, mas meus conhecimentos de mercado eram nulos até então. Desta forma, vi, uma atrás da outra, várias oportunidades passarem. Perdi todas. Aprendi com cada uma dessas perdas.

Vamos voltar alguns anos nesta história. Era um estudante de computação, com algum acesso à internet na faculdade. Naquela época simplesmente não havia acesso privado à rede, logo, quando saísse da faculdade iria perder essa diversão. Se por um lado era diversão, por outro já era uma fonte de informação fantástica. Grupos de discussão permitiam que tivessemos acesso a informações muito antes dos que não dispunham desta ferramenta. Era uma maneira diferente de estudar. Pensar isto hoje é fácil, naquela época, era inovador, era estar a frente de seu tempo. Para um jovem nerd meio anti-social, dava um certo sentido a vida saber que, de alguma forma, sabíamos um pouco mais que os outros.

Tinha um problema a resolver, como conseguir conexão à internet. Quando pensei que havia achado a solução, outro problema apareceu. Descobri um projeto da faculdade federal em que alunos da mesma estavam oferecendo acesso à rede, durante a fase de testes, de forma gratuita. Fui até lá e descobri uma fila de espera de 3000 pessoas.

  • Quantos vocês estão conseguindo atender mensalmente?
  • Por volta de 300 pessoas.

Nem que o mundo parasse de girar eu iria esperar 10 meses para conseguir meu acesso à internet. Diante de um problema… Conversei com alguns amigos que tinham os mesmos desejos, montamos um plano básico que listava as necessidades de hardware, software, contratos de conexão e aluguel de linhas telefônicas, verificamos quantos clientes precisavamos para tornar o negócio possível e assim começou a Opensite. Um anúncio no jornal e a propaganda boca a boca dos amigos foi tudo que precisamos para atingir o equilíbrio necessário para manter a empresa.

Alguns sócios se dedicavam em tempo integral ao negócio, outros em tempo parcial, mantendo seus empregos. Com o passar dos anos, os primeiros foram adquirindo a participação dos outros. Resumir quatro anos em um só parágrafo é algo complicado, aprendemos muito, perdemos muitas oportunidades, participamos de vários projetos interessantes a medida em que o mercado se ajustava às novas necessidades. No final das contas, acabamos perdendo a empresa ao tentar fazer sociedade com picaretas travestidos de investidores. Culpa exclusivamente nossa, que erramos ao avaliar com quem estávamos nos associando e que poder sobre o nosso negócio estávamos dando a eles. Nossos clientes? Estes foram salvos. Um concorrente da época recebeu-os feliz da vida, de presente, enquanto a empresa mudava a forma de atuação e destruía o que havíamos levado anos para construir.

Uma curiosidade final. Abrimos o primeiro provedor com acesso gratuito do país, três dias antes do lançamento do iG. Não muito mérito meu, que só estava no lugar errado, com as pessoas erradas, mas na hora certa para poder colher esta frase: fundador do primeiro provedor grátis do país. Só não sabíamos como gerar lucros, o que foi o golpe fatal para a empresa.

2000 – 2001 – Um novo horizonte.

Acaba uma empresa, surge um convite. Gerente de tecnologia de uma startup de internet. Seria um portal de negociação de commodities agrícolas, interligado diretamente com a bolsa de mercadorias de Chicago. Era uma espécie de NASDAQ das commodities agrícolas. Tudo ía bem até a bolha da internet explodir nos EUA. Com parte do dinheiro vindo de lá, as coisas complicaram por aqui. Os salários atrasaram vários meses, os ânimos estavam baixos, os prazos de entrega estouravam constantemente. A queda das torres gêmeas foi o golpe de misericórdia. Foram dois anos rápidos, mas de extremo aprendizado. Conviver com um CEO forte, conhecer o mercado de VC e de angel investors, tudo isso abriu um mundo de conhecimento que antes simplesmente não existia. O Silicon Valley, antes disso, era apenas um local onde havia inovação tecnológica, não tinha o conhecimento da teia de negócios que existia por trás de cada empresa, da cultura do venture capital que o vale possuía. Os anos seguintes foram dedicados a aperfeiçoar este conhecimento de negócios. Como dizia o presidente Woodrow Wilson em relação aos EUA, adotei para mim a frase: “meu negócio são os negócios.”

2002 – 2008 – Um empreendedor renasce das cinzas.

Sem emprego e sem vontade de arranjar um, reiniciei minha empresa de internet. Usei o nome fantasia que haviamos dado para a parte mais empresarial do negócio anterior. Na época do provedor de acesso, chamávamos este de Opensite e ao serviço de hospedagem de sites de Openweb. Com este último nome iniciei uma nova empresa focada apenas na hospedagem de sites, deixando o acesso discado e a banda larga de fora.

O início foi relativamente difícil, houve momentos em que não sabia como iria pagar o condomínio do prédio onde morava. Vale lembrar que antes desse recomeço havia ficado seis meses sem receber salário, tendo consumido todas minhas reservas. Comprar uma moto Harley-Davidson antes de ter os atrasos no salário também não ajudou muito 🙂

Voltar para a casa dos pais estava fora de cogitação, não por eles, mas por mim. Sabia que se passasse por este desafio e o resolvesse com meu conhecimento e trabalho, nada mais me deteria. Alguns bicos e pequenos trabalhos de manutenção de computadores, junto com os parcos ganhos do provedor e o desenvolvimento de alguns sites para os novos clientes, ajudaram a passar de forma não tão traumática por esta fase de aperto.

Os anos seguintes foram relativamente tranquilos. Atingimos velocidade de cruzeiro, nos acostumamos em determinada zona de conforto que não era grande coisa, mas também não era tão ruim assim. O problema é que o coração de um empreendedor não aguenta muito tempo no conforto e tranquilidade. Montamos novos negócios, iniciamos novos serviços, testamos novas idéias. Algumas coisas deram certo e hoje fazem parte do portfólio de serviços da Openweb, outras descartamos. Tivemos problemas com sócios em outros negócios que iniciamos, problemas diferentes dos primeiros, o que significava mais aprendizado.

Na vida pessoal, iniciei meus investimentos em consórcios que no futuro se tornariam os investimentos imobiliários que possuo hoje. O problema é que desde que incorporei a mudança da mente técnica para a mente de negócios, não conseguia mais aceitar aquela zona de conforto em que me encontrava. Ao mesmo tempo, sabia que não eram todos que estavam prontos para inovar constantemente para se manter sempre na crista da onda. Queria iniciar negócios em outras áreas, já havia feito pequenas incursões com sucesso. Era a hora de expandir os negócios, dar um passo para trás para poder então dar dez passos para a frente. Em 2008 vendi minha parte da sociedade para meu antigo sócio na Openweb, com uma proposta que sabia ser inegável. Propus que me pagasse ao longo dos dois anos seguintes, usando para isso pouco mais do que eu retirava mensalmente como lucro da empresa. Na prática, a própria empresa iria me pagar, mas teria dois anos de rendimentos estáveis para poder me dedicar aos outros negócios sem preocupações com as contas mensais e sem precisar mexer no meu patrimônio já adquirido.

2008 – 2010 – Um novo negócio, um novo setor.

Já possuía minha empresa de venda de consórcios desde 2005 e já ajudava amigos que queriam investir da maneira como eu estava investindo com textos explicativos desde 2003, mas somente a partir da minha saída da Openweb é que a Megacombo se tornou o centro das minhas atenções. O crescimento neste últimos dois anos foi de mais de 10 vezes do que era no início, tudo isso sem aumentar a estrutura (apenas eu, meu computador e uma gaveta-arquivo para guardar os papéis da empresa). Da maneira que estruturei a empresa, posso trabalhar em qualquer lugar do planeta, precisando apenas do meu notebook e uma conexão de internet para tocar meus negócios.

Ao longo destes dois últimos anos conheci outros investidores da área imobiliária, formei parcerias, investi em novos empreendimentos, testei outras modalidades de investimento imobiliário, analisei muitos casos de leitores dos meus sites, acompanhei os investimentos de amigos, enfim, vivi intensamente esta realidade. Já fazia isso antes, mas os dois últimos anos foram realmente intensos. Hoje, sou considerado um dos maiores especialistas no assunto investimento imobiliário, mas sei que ainda há muito o que aprender e devo muito do meu sucesso aos excelentes parceiros com quem toco meus negócios. Os erros que cometi em relação às sociedades anteriores me tornaram mais apto a formar parcerias muito mais eficientes e sociedades muito mais fortes.

As coisas estão acontecendo de forma bastante acelerada, aquela acomodação na zona de conforto não existe mais desde metade de 2008. Como meu negócio imobiliário envolve intensamente a internet como meio de identificação com meus futuros clientes, não deixei de estar presente também neste meio, mantenho em dia todos os meus contatos nas empresas de TI e nas notícias e novidades do setor, atuando como consultor informal para uma série de amigos e empreendedores que podem se beneficiar dos meus conhecimentos acumulados.

Até agora, não tornei este conhecimento do setor um negócio próprio. Ainda é algo que faço por paixão. Ao mesmo tempo, os empreendedores que tenho ajudado com meus conhecimentos são aqueles que estão na fase que eu estava em 1996, quando comecei meu primeiro negócio. Mesmo que quisesse cobrar algo deles, não estão em condições de pagar coisa alguma. Ajudar esta gurizada com informações, sugestões de leitura, orientações sobre sociedade, pessoas e mercados, me coloca em sintonia com estas novas gerações. E são estes jovens e esta geração Millenium que irá gerar a próxima onda de mudança no mundo, da mesma maneira que os baby boomers mudaram o mundo a partir dos anos 60. Mais cedo ou mais tarde, estes jovens chegarão à constatação de que o conhecimento que trago para seus negócios possui um valor inestimável, pois traz velocidade e foco no que dá certo, os faz economizar tempo e frustração. É uma geração ansiosa esta. Entender isto e facilitar seus caminhos é minha forma de fazer parte desta nova revolução. Ajudar a abrir as portas que eu mesmo não sabia abrir quando tinha a idade e os ideais deles é o caminho que escolhi para dar meu retorno à sociedade. Apesar de dizer que não faço isso profissionalmente, sou sócio de uma empresa especializada em montar planos de negócio e levantar capital para startups de TI. Não trabalho diariamente nesta empresa, sou apenas um dos sócios capitalistas na mesma, mas começar a me envolver no processo, tenho certeza, é mera questão de tempo.

2010 – Onde estamos? Qual é a onda do momento? Quanto tempo irá durar? Quem estará envolvido com isto?

Tudo que escrevi até agora não tem nada relacionado diretamente com o que escreverei a seguir, mas ao mesmo tempo, é totalmente ligado a isto, pois é minha história pessoal. Graças a esta história pessoal, cheguei às conclusões de onde estamos agora, qual a grande oportunidade deste momento e quem irá sair vencedor em relação a esta oportunidade. Podem haver muitos ganhadores, cada um, vencedor de acordo com seu nível de conhecimento.

Quanto a mim, tanto pode ser que me torne um dos maiores players envolvidos com isto, quanto pode ser que não me envolva diretamente com o assunto. A resposta que dirá se será uma ou outra coisa é resultado direto das ações tomadas por alguns dos possíveis leitores deste texto. Se as pessoas certas lerem até o final, se a conjunção dos fatores que acho serem necessários se formar, se conseguir juntar as pessoas certas com a compreensão do que está acontecendo neste momento no mercado, então estarei presente nisto.

Uma coisa é certa. Conheço diversas pessoas, em diversos setores distintos necessários para que o processo todo tome forma. O comprometimento de algumas dessas pessoas é fundamental para que me envolva com o assunto. O de outras, é consequência dos primeiros. O de outras ainda, pode acelerar o processo, mas não é essencial. Discorro a seguir sobre algumas coisas que estou observando. Infelizmente, sei que não conseguirei passar para o texto todas as relações mentais que estão rodando na minha cabeça.

Sites de comprar coletivas. Como funcionam, como ganhar com eles?

Não preciso dizer que os sites de compra coletiva são a onda do momento. Todos estão falando nisso, todos conhecem alguém envolvido com isso, todos ao menos conhecem alguém que já comprou desta forma ou no mínimo receberam um email convidando a participar. Todos já devem ter lido sobre o assunto em jornais ou revistas.

Se você vive dentro de uma bolha de vidro fosco sem acesso ao mundo externo, estes sites de compra coletiva são sites onde diariamente, ou semanalmente em alguns casos, uma oferta é realizada. Esta oferta pode ser uma pizza com desconto de 50%, por exemplo. Ou um tratamento estético com desconto de 90%. Tal oferta só é válida se uma quantidade mínima de pessoas a adquirir, viabilizando o conceito de ganhar pouco de cada cliente, mas ganhar com a quantidade.

Alguns estabelecimentos que anunciam suas ofertas desta maneira não pensam em obter lucro. Suas ofertas são mais baratas do que o custo de seus serviços. Quem age desta forma busca publicidade, busca tornar seu serviço conhecido por mais pessoas. Empresas com ótimos serviços e preços justos conseguem conquistar muitos novos clientes desta maneira. É uma forma barata de publicidade, pois apesar de receber pouco, recebem algo. Recebem mais do que se oferecessem uma prova grátis para novos clientes, por exemplo.

Elaborando um pouco, dá para oferecer descontos incríveis e ainda assim ter lucro. Pense em uma oferta de um prato em um restaurante onde quem comprou irá pagar pela bebida. Quem tomar refrigerante provavelmente não bancará o custo da oferta, caindo no caso do parágrafo acima, mas quem tomar um vinho, provavelmente já ajudará a equilibrar os custos. Ou pense em um restaurante onde um casal aproveita a oferta, mas convida um casal de amigos que não possuem o cupom de desconto. Empate técnico.

Para quem compra tais ofertas, não preciso listar as vantagens. Comprar algo que se deseja conhecer por menos que o valor normal. Experimentar um novo produto ou serviço, conhecer coisas novas. Ao se cadastrar em um site destes, novas ofertas chegam diariamente em seu email.

Apesar de eu achar que todos conheçam este assunto, um detalhe do funcionamento destes sites talvez não seja de conhecimento público: a forma como eles ganham dinheiro. A regra é simples: cobram entre 40% a 60% do valor recebido na promoção. Para um teste rápido de quanto isto representa, veja uma oferta recente, de um site que fez 10.000 vendas em um único dia, ao custo de R$ 19 cada uma, somente na cidade de Porto Alegre. O site em questão é o maior do setor em atuação no Brasil. Tem fila de espera de estabelecimentos querendo anunciar com eles para mais de seis meses. Possui anúncios diários e lista três ofertas diferentes a cada dia, para conseguir dar conta da quantidade de interessados.

Se apenas uma, de três promoções diárias gera R$ 190.000, dos quais 60% vão para o site que lista as ofertas, fica fácil entender a euforia que está tomando conta do mercado. Com números deste porte e uma barreira de entrada aparentemente muito pequena, não é a toa que já temos mais de 40 sites deste tipo espalhados pelo país. O sucesso é tanto, que começam a aparecer sites agregadores de ofertas. São sites que juntam em um só lugar as ofertas de vários sites deste tipo. Como faturam? Através de programas de afiliados dos primeiros ou comercializando seu tráfego de outras maneiras.

E agora? Como lucrar com isso?

Da mesma maneira que aconteceu com os provedores de acesso discado entre 1996 e 1999, o mercado será tomado por uma profusão de sites de compra coletiva. Alguns serão mantidos por vários anos, atuando em apenas uma cidade, com uma pequena carteira de clientes fiéis, mantendo seus proprietários felizes em suas zonas de conforto. Outros crescerão o suficiente para se tornarem interessantes para os grandes do setor. Serão comprados por valores relativamente altos, gerando o resultado que seus fundadores esperavam, um monte de dinheiro e a possibilidade de parar de trabalhar pelo resto da vida ou pelo menos por algum tempo.

Muitos acabarão no ostracismo e deixarão de existir. Apesar da barreira inicial de entrada parecer inexistente, ela não é tão trivial assim. Por um lado, qualquer programador mediano consegue programar um site destes em uma ou duas tardes de trabalho. Em uma semana é possível ter um site 100% funcional operando. Em um mês, dá para implementar todas as funcionalidades disponíveis nos sites mais elaborados. Por outro lado, um site destes não se resume à programação. Precisa de divulgação para atingir o público comprador das ofertas. Precisa de estrutura comercial para buscar as ofertas iniciais. Precisa de muitas outras coisas que não vem ao caso escrever agora.

Comunidades.

Compras coletivas envolvem diretamente o conceito de comunidade. É com surpresa que vejo o quão pouco os sites existentes não pensaram ainda nisto. Ao mesmo tempo também me surpreende o porquê das comunidades online espalhadas pela rede não terem se dado conta da oportunidade que as compras coletivas podem trazer a seus participantes, implementando alternativas próprias ou se associando às plataformas existentes. No caso das comunidades já existentes faz todo o sentido o foco em ofertas específicas, de interesse daquela comunidade.

Vou começar a jogar as idéias ao ar. Mais cedo ou mais tarde alguém se dará conta disso. Idéias existem aos montes, não valem nada sem execução. Durante anos achava que as idéias eram extremamente valiosas, escondia o jogo, não contava para ninguém as idéias maravilhosas que tinha em minha cabeça. Sabe o que aconteceu com a maioria destas idéias? As que eram realmente boas, acabaram sendo realizadas mais cedo ou mais tarde por pessoas de quem nunca havia ouvido falar. Quando uma idéia surge na cabeça de alguém, de alguma forma, em outro canto do mundo, alguém provavelmente estará tendo uma idéia parecida. Há muito tempo descobri que o que vale, mais do que as idéias, é a execução que damos a elas.

Se tenho mais idéias do que consigo executar pessoalmente, vou me dar ao luxo de listar algumas delas no meu site. Assim, alguém que reclama que não tem idéias de como montar um negócio, de como ganhar dinheiro, de que assuntos tratar em um blog, ficará sem desculpas para não agir. Daqui por diante, se eu der uma idéia genial para alguém aqui no site, fique a vontade para executar a mesma. Sem custos, sem me dever nada. Claro que se você executar uma das minhas milhares de idéias e quiser me dar um presentinho quando estiver milionário com seu negócio, não vou negá-lo 🙂

Voltando às comunidades, imaginem a Revista/Comunidade Papo de Homem com um sistema de compras coletivas próprio ou em parceria com um já existente. No caso de um site já existente, a PdH poderia filtrar apenas os anúncios de produtos que tivessem a ver com os leitores do site. Promoções de depilação definitiva? Nada a ver. Conhecer uma nova pista de kart e poder fazer isso pagando menos de 30% do valor original? Opa, pode mandar! A programação necessária para implementar este tipo de funcionalidade é ridícula.

Outro exemplo de quem poderia se beneficiar com isto? O portal Administradores. Acabo de visitar o site e sabe o que vi em um dos banners verticais? A propaganda genérica de um site destes. Olhei o link e confirmei ser uma propaganda do Google AdSense, ou seja, o site ganha alguns centavos quando alguém clicar no anúncio. Não seria bem melhor se ganhasse mais? Não teria muito mais cliques se os anúncios, em vez de genéricos, fossem otimizados para o público do site, os administradores? Empresas da área poderiam oferecer cursos, livros, palestras, webaulas, tudo para um público ávido por isto, a um custo ínfimo.

Os grandes portais, Terra, UOL, etc, também podem se beneficiar disto, anunciando as ofertas para seus leitores. Todos possuem mecanismos de identificação dos visitantes para entregar anúncios relevantes. Mais uma vez, caímos naquela simples classificação extra dos anúncios em categorias. Ganham os portais, ganham seus leitores. Um portal teria todo o potencial de agregar os anúncios de vários sites de compra coletiva, mostrando para cada visitante apenas os anúncios relevantes.

A programação disto é simples! Onde está o programador que fará uma rotina simples para ler os XML dos sites que já possuem esta funcionalidade, de maneira a qualquer um poder colocar um anúncio em seu site ou blog, agregando as ofertas dos diversos sites, mostrando apenas os anúncios que sejam relevantes para os leitores de seu nicho específico? O primeiro que fizer algo deste tipo me avisa, que coloco um link aqui.

Tenho que sair agora, gostaria de escrever mais, ainda há muitas outras idéias que não consegui escrever sobre esse assunto. Publico como está, aproveita quem quer, descarta quem não quer. Nos próximos dias, vou movimentar alguns pauzinhos, ver se consigo juntar as peças e mostrar para cada possível participante o tamanho do negócio que pode ser construído. As novidades que surgirem, vou publicando por aqui. Obrigado pela atenção se você leu até o final. Gostaria muito de saber o que você acha a respeito disso tudo e ouvir quaisquer idéias que possam tornar ainda melhor e mais completo um serviço deste tipo. Como eu escrevi antes, alguma hora todas as idéias ganham a luz do dia. Seja o primeiro a deixar registrada a sua, nem que seja para poder dizer: eu parei, pensei e tive esta idéia.

Por fim, se você é um programador e acha que um negócio destes é o seu futuro, que irá ganhar milhões com isso, mas antes de ouvir falar deste assunto nunca imaginou fazer algo do tipo, não perca seu tempo. Quem irá ganhar dinheiro com isso são vendedores que sabem movimentar estes negócios, não o pessoal técnico. Se você não tem vocação para vendedor, ou um sócio que a tenha, não perca seu tempo com isso. Ganhe dinheiro como faziam os espertos na corrida do ouro, lucre vendendo pás e picaretas. Desenvolva este tipo de sistema, não para sí, mas para vender para as centenas de pessoas que acham que poderão lucrar com isto. Vai por mim, não precisa nem saber vender, os compradores lhe encontrarão 🙂

Se você possui um site ou negócio que envolve uma comunidade de participantes, pense se um sistema fechado de compras coletivas para seus associados não pode ser um bom acréscimo no portfólio de produtos e serviços que você oferece a seus afiliados. Não precisa ser nada tão agressivo quanto as ofertas diárias dos grandes sites. Basta uma boa oferta mensal, diretamente relacionada com seus associados, para tornar este produto viável. Posso lhe ajudar de diversas maneiras neste caso. Entre em contato.

Se você está envolvido direta ou indiretamente com um site destes e acha que posso te ajudar de alguma forma, entre em contato. Vai ser um prazer ajudar.

Obrigado por confiar no meu trabalho

Acabo de voltar de viagem da Europa com minha esposa. Desta vez, fomos apenas a Paris e Londres, com um dia em Versailles para ver os jardins floridos e a exposição do Takashi Murakami no palácio.

Esta viagem foi especial, os primeiros dias foram pagos pela Rodobens como prêmio aos classificados Diamante no Programa Qualy. Esta é a qualificação máxima. Se a atingi, em grande parte isto se deve a cada um dos amigos e clientes que confiam no meu trabalho. Pessoas que na grande maioria, confiaram em mim sem nunca terem me visto pessoalmente, baseados apenas no pouco que consigo mostrar através dos meus textos e sites.

Há pouco tempo comecei a gravar alguns videos com o objetivo de tentar chegar um pouco mais perto de cada cliente. Espero com isso que aqueles que sentem a necessidade de verem com quem investem seus dinheiros e seus sonhos de vida, possam amenizar um pouco a distância através das ferramentas que a tecnologia nos oferece.

Gravei um breve vídeo de agradecimento aos meus amigos e clientes.

Como estava dizendo antes, hoje o dia é de agradecimento, então, muito obrigado por toda confiança depositada em mim e no plano de investimento em imóveis que desenvolvi. Um plano usado por investidores com muito dinheiro, mas também por jovens que estão apenas no início. Um plano que permite o crescimento contínuo e sustentável. Um plano que beneficia os bons hábitos financeiros.

O futuro pertence àqueles que o buscam com intensidade. Para atingir uma vida financeiramente livre, basta nos atermos a poucos detalhes:

1. Trabalhar para ganhar dinheiro.
2. Viver com menos do que ganhamos.
3. Investir a diferença entre o primeiro e o segundo.

Com meus textos, busco ajudar a facilitar a compreensão de cada um destes pontos, explicando formas de obter mais rendimentos, fazer melhores escolhas para viver melhor gastando de forma mais inteligente financeiramente, e finalmente, orientando em todas as etapas do investimento em busca da formação de um patrimônio sólido e seguro que garanta um futuro livre e tranquilo.

Obrigado por me proporcionar a possibilidade de te ajudar a construir um futuro melhor.

Para quem tem curiosidade em saber como foi o passeio, publiquei algumas fotos em:

Álbum de fotos de Paris e Versailles
Álbum de fotos de Londres

Mais uma vez, muito obrigado.

Em que tipo de imóvel minha empresa de investimento imobiliário costuma investir?

Como a maioria das pessoas que lêem meu site já sabem, sou sócio de uma empresa de investimentos imobiliários. É nesta empresa que invisto minhas cartas de consórcio quando as contemplo, obtendo o maior lucro e a maior segurança possíveis.

Organizamos a empresa para aceitar investimento de outras pessoas. Fazendo isso, capitalizamos nosso conhecimento do mercado e do negócio, ajudamos novos investidores a diminuir seus riscos ao contar com nosso know-how e conseguimos investir em empreendimentos maiores.

A pergunta mais freqüente que costumava receber era a pergunta do título deste post. Espero que com o texto que acabo de publicar no site em que divulgo o investimento em imóveis, diminua a freqüência com que receba este tipo de questionamento. Conheça alguns dos empreendimentos onde estamos investindo.

Que tal a casinha acima em sua carteira de investimentos? Ela faz parte da minha. Invista conosco!

Porque você precisa ter um blog.

Saiba porque um blog é a melhor presença online para a maioria das pessoas.

Há alguns benefícios incríveis em possuir um blog:

  • Você pode se tornar uma autoridade reconhecida em sua área;
  • Você pode iniciar um negócio online;
  • Você pode criar uma nova fonte de renda;
  • Você pode promover seus serviços online ou offline;
  • Você pode se tornar um consultor e atrair clientes;
  • Você pode cultivar uma audiência mais abrangente;
  • Você pode aumentar suas chances de conseguir um emprego offline;
  • Você pode se tornar parte de empreendimentos de ponta na internet;
  • Você pode criar e divulgar produtos digitais para gerar renda residual;
  • Você pode configurar sites para participação paga.

Ser blogueiro é cool – e é divertido!

‘Blog’ é simplesmente uma palavra nova para descrever um website que você mesmo pode controlar – sem ficar à mercê dos chamados webmasters.

Blogs podem ser usados para “blogar”, ou seja, para publicar textos ou artigos em intervalos regulares, mas também podem ser usados para demonstração de um produto ou habilidade, ou para manter um programa de treinamento ou um site de participação paga. Então, se você precisa de uma presença forte na internet, criar um blog pode ser a melhor maneira de fazer isso. É definitivamente a maneira mais fácil e barata de criar uma presença online profissional.

Recebi o texto acima de um blogueiro americano que costumo ler com regularidade. Ele fazia propaganda de um novo produto que irá lançar nos próximos dias. Resolvi traduzir o texto de apresentação pois achei que poderia ser uma boa forma de mostrar um pouco do que faço e os resultados típicos possíveis. Releia a lista acima. Já obtive cada um dos benefícios listados ao longo dos últimos anos em que estou atuando online.

Se precisar de ajuda, entre em contato. Será um prazer ajudar.

Não existe rendimento mágico nos investimentos

Pergunta: “Há pouco tempo comecei a pesquisar sobre fundos de investimento e minha ideia é o seguinte: fazer um investimento mensal entre 600 e 1000 reais todos os meses só que gostaria de saber que tipo de investimento me daria um retorno de entre 2,9% a 4% ao mês.

E qual o melhor caminho para fazer isso, ou seja através de uma corretora ou o meu banco. Ah, esse meu investimento é a longo prazo, tipo 120 meses. Obrigado e aguardo contato.”

Recebo dezenas de questionamentos desse tipo todos os meses, seja de amigos pessoais, seja de leitores daqui ou dos leitores dos outros sites onde escrevo de vez em quando. Normalmente respondo com um sorriso e a seguinte frase: “Quando encontrar um investimento desses, por favor me apresenta.”

Falando sério agora, leia meu novo artigo na Revista Papo de Homem.

Lançamento do meu SEGUNDO livro!

O número 14 é um número de sorte para mim. Casualmente nasci neste dia, em outubro. Casualmente, no mesmo dia e mês em que nasceu minha avó materna. Não tão casualmente, foi o dia que escolhi para meu casamento, neste caso, em maio, mês das noivas, impossível de esquecer a dobradinha e por consequencia minimizei a probabilidade de esquecer de comemorar na data certa. Então em novembro do ano passado, no dia 14, houve a sessão de autógrafos e lançamento do meu primeiro livro. Exatamente dois meses depois, novamente no dia 14, lançamento do meu segundo livro. Não sou supersticioso, apenas achei divertido quando me dei conta destas coincidências.

Esta é uma coisa engraçada, me dei conta agora. Escrevo sobre o lançamento do meu segundo livro depois do fato já ter ocorrido. Por favor algum marketeiro apareça para me dizer que a propaganda tem que ser feita antes, para que meus leitores possam saber com antecedência e aparecer lá no dia certo. De toda forma, por conta disto, já informo que haverá uma nova sessão de autógrafos, dia 21/01 no Rio de Janeiro, na Saraiva Megastore do Shopping Rio Sul, no terceiro piso, as 19h30. Infelizmente não poderei estar presente nesta, mas apareçam lá que muitos dos escritores da PdH estarão no local, além dos autores dos outros livros que ganharam o Prêmio BlogBooks, como o Conrado Navarro, do Dinheirama.

Voltando ao assunto do título, na verdade não é exatamente MEU segundo livro. O livro é do site Papo de Homem, onde escrevo como Dr. Money. Há vários textos meus no livro, vários, no caso, mais de cinco, então, voltando ao tópico, meu segundo livro 🙂

Uma das coisas mais divertidas do evento foi conhecer pessoalmente muitos dos leitores, mas principalmente, os outros colunistas do site. É interessante notar como as coisas mudam com o tempo, hoje em dia escrevemos, trocamos idéias e montamos negócios onde os participantes estão fisicamente distantes, muitas vezes sem se conhecer pessoalmente ao iniciar o relacionamento e no nosso caso, mais de um ano depois disso.

Como uma imagem vale mais que mil palavras (apesar do Google não achar isso quando indexa nossos textos para as buscas), deixo a seguir algumas fotos da noite, com breves comentários.

Equipe Papo de Homem - Gitti, Dr. Money, Gus, Dr. Drinks, Pablo e Guilherme sentado.
Rodão, Fabricio, Fred e Conrado.
Cheio de gente. Fabrício e Isabella em primeiro plano, foto do Rafael Olah.

2010, um ano excelente para crescer nossos negócios

No final do ao passado um amigo me convidou para me associar a ele em um novo negócio que estava montando. A idéia era excelente e os planos de crescimento e implementação muito bons. A idéia era excelente, mas era uma cópia do meu negócio atual, o investimento em consórcios, com uma série de expansões que não implementei por ve-las como distrações ao objetivo principal, por fugirem da minha missão pessoal, que é auxiliar as pessoas a construir patrimônio com objetivo de geração de renda para uma vida tranquila pelo resto da vida.

A idéia dele envolvia a criação de produtos e serviços que poderiam trazer um bom lucro para a empresa, mas atenderia um outro público, diferente do investidor que deseja construir patrimônio para garantir sua tranquilidade futura. Na prática, tais expansões poderiam ser implementadas até mesmo como um outro negócio, completamente distinto, apesar de intimamente relacionado.

O que foi legal desse convite é que me levou a uma profunda reflexão sobre os meus dois últimos anos profissionais, tudo o que alterei na minha vida e como as coisas começaram a dar muito certo de maneiras extraordinárias após eu ter implementado pequenas mudanças na minha forma de agir em relação aos negócios. Acredito que esta reflexão poderá lhe ajudar a cortar um longo caminho de frustração se você é um empreendedor iniciante, cheio de capacidades e possibilidades a sua frente. Se tivesse um texto desses para me orientar quando comecei, os resultados viriam bem mais rápidos.

Segue o meu email de resposta ao convite, junto com a reflexão levemente editada para não expor segredos de terceiros que comento na resposta original.

—–

Sobre nossa conversa, refleti e vou deixar passar a sociedade no momento. Mas vou aproveitar para trocar algumas observações contigo, porque acho que temos muita coisa em comum, trilhamos muitos caminhos parecidos e também temos muitos objetivos que convergem para várias parcerias.

Por favor não toma nada do que escrever como crítica, não é este o objetivo. Como já conversamos longamente, ambos acreditamos que pessoas diferentes fazem coisas diferentes e nada do que fazem é certo ou errado, mas sim, adequado aquela pessoa, naquele momento.

Uma caraterística que tu tens e que foi o principal motivador de eu preferir não entrar de sócio contigo agora, é a de querer abraçar o mundo em todas as frentes. Eu já fiz isso por muitos anos, em muitos setores. Uma característica de pessoas como nós, que somos altamente perceptivos em relação às oportunidades e absurdamente capazes de adaptação e de criação de negócios em torno de uma idéia, é justamente a capacidade de poder fazer qualquer coisa que queiramos fazer. E por anos, para mim, isso resultou em querer fazer TODAS as coisas que teria capacidade de fazer.

Então certo dia um amigo, padrinho de casamento, mentor, empresário de sucesso, me disse:

“Fabrício, empreender é aprender a gerenciar as distrações”.

E ele estava certo. Explico isso no meu caso logo mais.

Qual foi a percepção que tive quando tu me apresentaste o convite? Notaste um negócio bom, promissor, com boas possibilidades de lucro, com facilidade de entrada. Notaste ainda que dava para fazer crescer o negócio de diversas formas, que atendia clientes distintos e que podia ainda integrar com outros negócios, e então começaste a implementar. Ok, acho que vais ter sucesso. Mas junto com esse negócio, tens mais diversos outros andando em paralelo. E tens o emprego na ——–. Uma seguradora. A gestão de clubes de ações. E as franquias da financeira. E outros negócios que manténs para ajudar tua familia.

Tudo isso gera um bom lucro. O lucro combinado de cada um, dá um bom valor mensal (ou dará, no caso do que ainda está engatinhando). A questão é que não há foco e dedicação integral a um negócio. E isso, eu aprendi da maneira mais árdua, errando por mim mesmo, é o que traz o maior resultado. Mas como escrevi antes, isso não é uma crítica a tua forma de atuar, pode ser que para ti esta seja a melhor forma e não sou eu que vou dizer que está errado. O que vou dizer com todas as letras, isso sim, é que PARA MIM, isto é errado, isto não funciona. Porque durante anos eu fiz dessa maneira, em negócios excelentes onde eu via outros lucrarem muito e eu apenas ganhar um bom dinheiro. Ao longo do tempo pensei diversas vezes se seria eu o incapaz, limitado, que não sabia ganhar dinheiro de verdade, porque tudo em que eu entrava, crescia mais ou menos bem, mas não dava o salto gigantesco que via outros terem.

Só que tenho olhos abertos e percepção aguçada. E passei a olhar cada vez mais de perto os casos de sucesso enorme que me rodeavam. Estive por anos próximo a incubadoras e startups e já vi centenas de sucessos absolutos e fracassos retumbantes. TODOS os sucessos que vi tinham empreendedores focados em apenas um objetivo: fazer o negócio deles crescer. Fé cega, queimando todas as pontes alternativas. É aquilo ou aquilo e somente aquilo.

Então dei o salto. Vendi minha parte na empresa de internet para meu sócio e me dediquei a um único negócio, a Megacombo. Em um ano multipliquei meus ganhos por cinco. E sabe o que de mais engraçado aconteceu? A empresa de internet também multiplicou os ganhos por três neste mesmo período, porque agora, sem eu estar presente no negócio, meu sócio não poderia se distrair com os vários outros negócios que tinha enquanto éramos sócios juntos. Deixou de lado as distrações e junto com a namorada passou a dedicar 18 horas por dia a fazer sites e hospeda-los.

A Englishvox, minha empresa do curso de inglês online, passou pelo mesmo processo neste último ano. Passamos anos com ela no vai não vai. E não ia. Todos os sócios estavam envolvidos com outros negócios. Quando um sócio largou tudo (emprego excelente, diretor de uma boa empresa) e se dedicou apenas a fazer sua própria empresa crescer, em um ano atingimos o ponto de equilíbrio e seis meses depois o faturamento já mostra os primeiros lucros. Eu não me envolvo com a empresa, sou apenas acionista, como seria de uma Petrobras ou Vale, mas com potencial de crescimento bem maior por ser uma startup. Mas como disse, não me envolvo, tenho um e apenas um negócio que é o meu negócio. E só vou tocar outros negócios depois desse estar do tamanho que eu quero que esteja, com as estruturas todas estabilizadas, com funcionários tocando o dia a dia da empresa.

E falando em funcionários tocando o dia a dia da empresa, aí vem outra descoberta que fiz do que funciona para mim. Preciso estar em todos os pontos, preciso ser o boy, a faxineira, a telefonista e a secretária, além de ser o gerente de contas, de parcerias e operacional. Além de ser o diretor. Pois tendo passado por tudo desde o início, sei o que funciona e o que não funciona. Eu tenho que saber como funcionam todos os aspectos do meu negócio antes de colocar alguém para executar as diversas funções que posso delegar a um funcionário. Este é o segundo estágio, o estágio onde estou agora, automatizando as rotinas e sistemas da empresa e colocando funcionários treinados por mim em cada posição. Não posso fazer outra coisa, preciso estar presente para afinar os detalhes e depois disso sim, poder sair com tranquilidade.

Sei que é difícil dar um pulo no escuro e arriscar tudo o que já conquistamos. Foi mais fácil para mim largar um emprego quando montei minha primeira empresa porque na época ganhava pouco. Nunca acreditei naquele conselho que lemos nas revistas de empreendedorismo que dizem para montar um negócio em paralelo ao emprego e quando o negócio render o mesmo que o emprego rendia, aí sim largar o emprego. Para mim, o que funciona é pular no abismo e queimar as pontes atrás de mim, é ter certeza de que ao pular, conseguirei costurar um paraquedas antes de atingir o solo. E que este paraquedas na verdade não é um paraquedas, mas sim um paraglider, que não apenas evitará a queda, mas me levará para cima.

É isso. Agradeço a oportunidade de refletir um pouco sobre os últimos dois anos da minha vida, por conseguir colocar em texto um pouco do que aprendi funcionar para mim e por ajudar a manter meu foco no negócio que estou construindo, um degrau por vez, mas com uma solidez cada vez maior.

Abraço e sucesso a todos,
Fabricio Stefani Peruzzo