Artigos

Você só precisa de um

Isto é um capítulo do livro A Lesser Photographer do C J Chilvers.

Você não precisa de determinado número de seguidores, uma renda passiva, uma estratégia de monetização, ou “1000 fãs reais” para justificar compartilhar seu trabalho.

Tudo que você precisa é 1.

1 pessoa gostou da minha escrita o suficiente para me contratar, o que levou a uma carreira de 20 anos como escritor profissional.

1 pessoa gostou do meu perfil de relacionamento (que era definitivamente um projeto de escrita e fotografia) o suficiente para eventualmente casar comigo e iniciar uma família.

1 fã pode ser seu próximo parceiro de negócio, empregador, ou esposa.

1 fã justifica seu próximo livro, blog, e podcast.

1 fã pode dar ao seu trabalho todo o sentido que ele sempre precisou, especialmente se você for esse 1 fã.

As vezes, de graça é muito caro.

De graça é ótimo. Mas nem sempre. Hoje caiu essa ficha por aqui. As vezes estamos tão envolvidos na correria do dia a dia, que deixamos coisas importantes passar despercebidas.

Estava há algum tempo trabalhando para ganhar um carro de graça como prêmio. De graça, não de presente, mas alugado e pago pela empresa para meu uso. Quando começou isso tudo, não havia necessidade de dois carros na nossa família. Então já vislumbrava o momento de usufruir do carro novo e não precisar mais do que já tínhamos.

Mais ou menos isso, porque quando isso começou, o carro previsto seria bem menor e mais simples do que nosso carro atual. Ficaríamos com ambos, provavelmente. Pelo conforto e maior espaço necessário em várias situações do nosso cotidiano. Só que aconteceu o melhor, vendi mais do que o projetado originalmente, me tornei o número 1 e com isso chegou um carro melhor, equivalente ao nosso atual. Não precisaríamos de dois carros iguais.

Só que sim, precisamos. A situação de quando surgiu a possibilidade de ter um carro de graça bancado pela empresa é diferente da situação atual, onde muitas vezes precisamos estar em locais diferentes ao mesmo tempo, dando conta de demandas muito maiores do que eram antes. E se um carro mais simples para o dia a dia poderia fazer sentido para mim, que estou sempre na rua e estaciono em qualquer lugar, deixando o carro da família para minha esposa e para passeios mais confortáveis com todos, a grande verdade é que conquistamos um certo padrão de conforto e não precisamos realmente deixar esse padrão cair.

Então quando surgir a possibilidade do grátis na sua vida, não faça como eu, que na corrida dos problemas que somam no dia a dia estava indo pelo caminho automático. Tire um tempo para pensar, analise a situação com todos envolvidos, veja os pontos de vista e decida pelo melhor, não pelo mais barato.

E sabe como é vendedor… não perde uma oportunidade de jogar seu anzol.

Decida pelo melhor, não apenas pelo menor preço. Isso vale para sua escolha na hora de comprar um computador que irá durar mais tempo, pela refeição que irá nutrir melhor, e pelo consórcio que trará os melhores resultados frente aos seus objetivos.

Era isso que tinha para hoje. Obrigado pela atenção.

Compre renda

Há diversas maneiras de investir e lucrar. Você pode investir buscando a valorização do bem para vender mais caro do que pagou. Pode fazer arbitragem, comprando barato em um mercado e vendendo com lucro em outro. Por exemplo, comprando no atacado e vendendo no varejo. Ou comprando com desconto em leilão e vendendo com calma depois, pelo valor de mercado. Toda forma ética de lucro é válida.

Na minha experiência, porém, a melhor maneira de lucrar é através da compra de renda, ou seja, adquirir um bem que gere renda regular para seu proprietário.

Acredito nisso por alguns motivos, entre eles:

  • Você não precisa vender nada para receber seu lucro;
  • Você lucra regularmente e pode reinvestir estes lucros para aumentar seu patrimônio e renda;
  • Um bem que gera renda geralmente retém seu valor em períodos de crise;
  • Fluxo positivo de dinheiro gera bem-estar emocional e ajuda a nos manter otimistas em relação à variação patrimonial natural da marcação à mercado;
  • Pode ser direcionado no futuro para complementação de renda ou mesmo para a completa independência financeira.

Tem interesse em começar a investir desta maneira? Eu posso te ajudar. Veja lá o que funcionaria para você.

O ônibus errado

O ônibus errado, por Seth Godin. Tradução e complemento, por Fabrício S. Peruzzo.

Por Seth Godin.

Seu primeiro engano foi pegar o ônibus A53, aquele que atravessa cidade em vez de ir para onde você deseja chegar.

Erros deste tipo acontecem toda hora.

O grande erro, no entanto, o erro que irá lhe custar muito, é permanecer naquele ônibus. Eu sei que conseguiste um assento. Sei que está escurecendo do lado de fora. Mas você está no ônibus errado, e ficar no ônibus errado não irá transformar-lo no ônibus certo.

Se você realmente deseja chegar onde planejou, você terá que saltar do ônibus errado.

Um plano simples para construir patrimônio

Muitos educadores financeiros ensinando como investir, mas todos repetindo as fórmulas tradicionais. Renda fixa, fundos imobiliários, ações, dólar. Alguns falando da necessidade de investir no exterior para fugir do risco Brasil. Uns falam bem do ouro, outros dizem que não serve para nada. E você? Paralisado.

Em um país onde a maioria absoluta das pessoas não tem nenhum real guardado e os poucos que possuem alguma reserva utilizam a poupança, é irreal pensar em um salto tão grande. Ao mesmo tempo, alguma coisa precisa ser feita. Estou aqui para te ajudar.

Quando o boleto não é o vilão.

Muitos fazem associação negativa aos boletos. Boleto serve para pagar contas, serve para gastar dinheiro. Serva para pagar aquilo que você acaba de comprar no Mercado Livre e não se sentiu seguro de colocar seu cartão de crédito. Não precisa ser assim.

Movido a boletos.

Ao mesmo tempo, tem aquelas pessoas que dizem aos quatro ventos que só conseguem comprar as coisas se tiverem um boleto para pagar, porque se dependessem de guardar dinheiro regularmente para os objetos mais caros, nunca os teriam. Tenho muitos amigos que vivem desta maneira.

Vou te contar um segredo. Os boletos podem ser usados para pagar primeiro a você mesmo. Vou te contar a história de 19 anos do investimento mensal que mudou completamente minha vida.

Nos últimos 19 anos sempre tive alguns boletos mensais sendo pagos para mim mesmo. São os consórcios de imóveis que comecei a adquirir em 2002. Na época gastava meu dinheiro comprando computadores, palmtops, máquinas fotográficas. Trabalhava com isso, mas era uma desculpa, gastava mais do que o necessário. Fiz meu primeiro consórcio pensando em guardar dinheiro para, quem sabe, alguma hora conseguir investir em um imóvel. Uma salinha comercial para minha empresa, talvez.

Foi o início de uma relação saudável com os boletos. Cada mês em que eles chegavam, lembrava que estava guardando para mim mesmo antes de pagar as outras contas. Era uma sensação boa saber estar cuidando de mim mesmo e do meu futuro.

Com o tempo, o bolo ia aumentando. A parte “que já tinha pago” dos consórcios somava um valor cada vez maior. Via que o tempo e a regularidade traziam resultados. E a medida em que ganhava mais com meu trabalho, sempre que possível aumentava um pouco mais o valor mensal que pagava a mim mesmo, adquirindo mais uma carta de consórcio.

Quem me conhece a mais tempo sabe que aprendi a lucrar com as contemplações das cartas de consórcio, vendendo-as com lucro quando contemplava cedo. Poucos sabem que esse não foi meu objetivo inicial, foi apenas um bônus que aproveitei muito bem. O lucro na venda dessas cartas se tornou tão relevante para meus resultados que passei a refinar o investimento, a estudar os detalhes. Falei com amigos mais inteligentes que eu. Validaram minhas ideias. Investiram da mesma maneira. Lucraram com esse investimento.

Abri uma empresa e passei a vender consórcios para quem desejasse investir como eu mesmo estava fazendo. Era um hobby, continuava com minha empresa de internet. O tempo passou e o negócio cresceu a ponto de eu ter que escolher que rumo seguir. E quem venceu foram os consórcios. Ajudava muito mais pessoas com isso do que com meu trabalho na área de tecnologia.

Investimento maduro.

Hoje, quase 20 anos desde que comecei, com a vida feita, bem casado e pai de duas crianças maravilhosas, com centenas de clientes que melhoraram suas vidas com o investimento através dos consórcios, começo uma nova etapa. Uma etapa em que nada muda no que já vinha fazendo antes, mas onde muda a forma como isso será divulgado. Já ajudei muitas pessoas que estavam procurando por uma maneira de mudar suas vidas para melhor. Agora chegou a hora de ajudar àquelas que ainda não se deram conta de que podem melhorar suas vidas com uma estratégia simples de pagar a si mesmas primeiro. E para isso, conto com você.

Divulgue esta mensagem com um amigo que você acredite que possa se beneficiar deste tipo de investimento regular, seguro e automático. Eu te agradeço antecipadamente por isso, mas quem mais irá te agradecer é o amigo beneficiado por esta mensagem.

O mito das finanças complicadas

Muita gente no mercado financeiro ganha dinheiro difundindo o mito de que finanças e investimentos são coisas complicadas.

Fazem isso de diversas maneiras. Usam termos complicados, falam em siglas, comentam sobre indicadores contábeis das empresas em que investem.

Os bancos e corretoras não ajudam. Criam produtos e mais produtos, formando uma prateleira de investimentos que tonteiam quem olha de fora. São milhares de fundos, dezenas de opções em cada modalidade de investimento. Até as diferentes classes são muitas e confusas. DI, RF, Câmbio, Commodities, RV, FII, CRA, CRI, LCA, LCI, Caixa… Uma sopa de letrinhas que não ajuda quem deseja fazer só o feijão com arroz, investir regularmente e formar patrimônio para uma aposentadoria tranquila.

É proposital. Querem te confundir para depois te vender administração pelo resto da vida. Daí você estuda um pouco e acaba investindo nos fundos que parecem dar os melhores rendimentos que encontra no banco em que tem conta. E com isso paga as viagens em classe executiva, relógios caros e carrões esportivos dos gestores de investimento.

Tem gente muito boa nesse mercado. Gente que genuinamente deseja te ensinar a pensar por conta própria e como investir com conhecimento profundo. Mas também aí fica uma lacuna, pois nem todo mundo deseja se tornar um investidor profissional. Nem todo mundo busca 60 horas de um curso completo que vai ensinar todos os termos e detalhes financeiros que não desejam nem tem vontade de aprender.

Estou aqui para te ajudar a fugir disso tudo. Te ajudo uma vez só. A partir daí, caminha com tuas próprias pernas. Ensino aquele mínimo necessário para poder automatizar os investimentos de maneira a poder aplicar uma fórmula simples e eficiente todos os meses, sem precisar pensar demais, sem precisar aprender detalhes irrelevantes, e melhor de tudo, obtendo um resultado final melhor do que a maioria dos outros investidores. O simples bem aplicado sempre vence o sofisticado difícil de aplicar.

Fica o convite para quem desejar começar.

Eu sei que você não possui investimentos

Eu sei que você não possui investimentos.

Sei que não guarda dinheiro regularmente.

Sei que não tem reservas suficientes para uma crise de duração um pouco mais longa.

Sei que é indisciplinado com o cuidado com seu futuro, mesmo sendo um ótimo profissional, dedicado, zeloso e cumpridor das suas obrigações.

Sei que você não pensa nisso com muita frequência, mas quando pensa, dói um pouco ver que você não está construindo nada para si mesmo. É só um dia após o outro. Trabalho hoje para comer o bife de amanhã.

Talvez você esteja um pouco à frente da maioria e esteja pagando por um imóvel próprio que dentro de 30 anos poderá estar quitado e poderá trazer alguma tranquilidade de ao menos ter um teto sobre sua cabeça, mas isso é caro e não é o suficiente.

Talvez a leitura desse post te ajude a ver isso e tomar uma atitude hoje.

Provavelmente a atitude que você tomar hoje, seja abrir conta em uma corretora fora do seu banco, seja separar uma parte do dinheiro que ainda está na conta porque estamos no início do mês e você ainda não gastou tudo, dure somente hoje ou mais uns dias.

Eu quero te ajudar. Hoje, amanhã, mês que vem. E nos meses seguintes. Quero ser a consciência boa que todo mês vem lhe lembrar de pensar um pouco no seu futuro.

Talvez funcione sem custo para você, mas provavelmente você só levará a sério mesmo se estiver pagando por isso. Como a academia do prédio, que não frequentamos, mas a que pagamos mensalmente sim, para não sentir que desperdiçamos nosso dinheiro.

Assina minha newsletter “Investidor Displicente”. Assuma um compromisso relevante consigo mesmo, o de cuidar do seu futuro todos os meses. O de construir algo para deixar para seus filhos. Assina a versão paga, sabendo que é a mesma que a gratuita. Não para me ajudar, são só uns trocados, mas para te ajudar a cumprir esse compromisso que está assumindo de cuidar bem do próprio futuro, de uma vez por todas.

Estou fazendo minha parte. Espero que você aproveite a oportunidade e faça a sua.

Aprender a investir não vai te deixar rico

Pode ser uma droga ouvir isso de alguém que passou praticamente toda a vida adulta empreendendo enquanto estudava sobre investimentos, mas essa é a realidade.

Não vou escrever aqui que é ruim aprender a investir. E preciso dizer que há diversas maneiras diferentes de investir, todas bastante eficientes se aplicadas ao longo prazo. Mas a verdade é que aprender elas não gera resultado sem ação. E mais, aprender diversas formas de investimento pode, inclusive, ser contraproducente, porque ao saber diversas maneiras de fazer o dinheiro crescer, pode ser que você fique paralisado ao não saber qual forma utilizar.

Então hoje vou ser bem prático para quem está começando.

  1. Reserva de emergência: guarde 10% ou mais de tudo que ganhar em um fundo SELIC SIMPLES. Procure uma corretora que possua isso fora do seu banco (que provavelmente não tem um fundo desses). Faça apenas isso até ter três ou seis meses de reserva em relação aos seus gastos mensais. Se tiver filhos, não pare até ter um ano de despesas cobertas.
  2. Regra dos 100: Diminua sua idade de 100. O resultado será o percentual que você deve investir em ações. Se você sofrer muito com o sobe e desçe da bolsa de valores, diminua sua idade de 80 e use este resultado como percentual para as ações. Na regra dos 100, se você tem 30 anos, 70% do seu investimento irá para ações. Na regra dos 80, 50% iria para a bolsa.
  3. continue guardando 10% ou mais de tudo o que ganhar, agora dividindo no percentual definido acima entre renda fixa e ações. Dívida suas compras em apenas dois ETFs, IMAB11 para renda fixa e IVVB11 para ações. Compre pelo HomeBroker de uma corretora diferente da que utiliza para o fundo SIMPLES da reserva de emergência. Faça os aportes de maneira a buscar o percentual de equilíbrio. Se um dos dois valorizou mais que o outro, seus novos aportes devem buscar retomar o equilíbrio percentual entre as partes. Dessa forma, todo mês você compra “o mais barato”.

Faça apenas isso ao longo dos anos e desfrute de uma excelente aposentadoria no futuro. Ou deixe um ótimo patrimônio para seus filhos.

Estudar o suficiente para conseguir executar o que está descrito acima é tudo que você precisa. Isso se faz em uma hora de consultoria ou um pouco mais de tempo pesquisando na internet. O importante é fazer isso todos os meses. São cinco minutos por mês para ver o quanto você já tem, calcular o valor a ser investido em cada “potinho” e fazer o investimento efetivamente.

Sucesso nos investimentos.