Aprendendo com a experiência dos outros

O maior aprendizado que podemos ter é com nossas próprias experiências. A dor nos ajuda a lembrar do que passamos e a não cometer os mesmos erros. Apesar disso, usar o atalho de aprender com a experiência dos outros pode nos economizar muito tempo e muito dinheiro.

Abaixo, os cinco livros que acredito possam ser os mais importantes para quem deseja entender os fundamentos do mundo do dinheiro.

Basta clicar na imagem da capa para ir direto à página de venda na Amazon.

Arrume sua cama todas as manhãs.

Não vou me estender muito neste título. O objetivo disto, além de ter o quarto arrumado é começar o dia com uma pequena vitória. Não importa o que surja de dificuldade, você já começou o dia vencedor.

O hábito de escrever estes textos aqui todas as manhãs tem um pouco disto. Todo dia, quando preparo meu café e sento aqui para escrever, tenho a emoção de ter realizado uma das tarefas importantes do dia. Sim, é uma tarefa importante produzir conteúdo regular aqui, mesmo que não diretamente ligado à venda de consórcios, porque pessoas compram de pessoas. Tento não apenas ajudar com reflexões em meus textos, mas principalmente, tento mostrar um pouco de quem sou e do que penso. Quero que você queira comprar de mim, antes do produto ou serviço em si. Minha intenção é termos uma relação duradoura, então é importante haver certo alinhamento de ideias.

Entretanto, há uma pequena armadilha nisso. Já caí nela. As vezes, por ter concluído uma tarefa importante (arrumar a cama não conta), tenho a impressão de que o dia já está ganho. E não é assim que funciona. Há outras coisas bem importantes para se fazer a cada dia. Como para cada armadilha há um desarme, assim que me dei conta disto já providenciei a escapatória. Faço no dia anterior uma lista com as três tarefas mais importantes do dia seguinte que tenho que executar. Isso já basta para me manter na linha. Fico com a sensação boa de ter começado bem o dia e ainda com a direção de para onde seguir.

Outra coisa que temos que cuidar é a frustração de não ter feito algo. Para isso, sempre há um novo dia, nem sempre conseguimos ser superprodutivos. Já aconteceu de não conseguir escrever pela manhã, e quando isso acontece, como me estabeleci um desafio, tento me lembrar ao longo do dia de concluir a tarefa. Um dia apenas aconteceu de ter concluído as 23h45. Cumpri meu compromisso comigo mesmo, mas se não tivesse, não seria o fim do mundo.

Seja gentil com você mesmo. Lembre-se sempre disso.

Deu ruim

Sala do escritor, um pouco mais organizada que a minha.

Quantas vezes você tentou fazer algo e o resultado não foi dos melhores?

Quantas vezes você desafiou o conselho de outras pessoas e se deu mal?

Quantas vezes você insistirá no erro de tentar fazer as coisas por própria conta?

Parabéns! Continue tentando.

“O custo de fazer algo e dar errado é muito menor do que o custo de não fazer nada.” — Seth Godin.

Uma amiga aqui do Instagram, a @mariaocaz, postou essa frase ontem e escreveu sobre ela o texto 28/30 do #desafiodos30textos. Faço dela meu texto 22/30.

Muita gente opta por não fazer nada para evitar críticas. Optam por não fazer nada para não ter que lidar com a dor de errar. Optam por não fazer nada por vergonha de parecer incapazes.

Incapaz é justamente quem nem começa. É quem faz só o feijão com arroz, e depois fica reclamando a vida toda que nunca conseguiu comer um bife. O mundo é dos ousados, de quem coloca a cara a tapa, daqueles que se atiram e dão o seu melhor. E se no processo caem, levantam, sacodem a poeira e tentam de novo.

Passei anos escrevendo um livro que nunca publicava. Refinando o que já estava pronto a muito tempo. E se meus amigos acharem o livro bobinho? O que vão pensar de mim? Nunca fui atrás de publicar de verdade. Então a sorte caiu no meu colo. E por ter o livro pronto, me atirei sem rede de proteção. Todos meus amigos estavam lá no lançamento, exemplares na mão, na fila para autógrafos. Nenhum falou mal do livro. Porque os amigos fazem isso, apoiam. Compram o livro que nem mesmo tem um conteúdo que precisem ou que os interessa, simplesmente porque é o livro de um amigo. A esses amigos agradeço de coração. É esse carinho que permitiu que um livro que ajuda muita gente para o qual é o livro certo, chegasse nessas pessoas ao ser publicado. Quem não precisa é justamente quem proporciona a coragem para que fosse publicado.

E se há 12 anos dei esse passo, neste 2021 retomo o rumo depois de um bom tempo parado. Já tem lá na Amazon um livreto pequeno, ridículo, curtinho, sobre um só assunto: “Consórcio: como não entrar numa fria”. É só o segundo, de muitos que virão.

Kurt Vonnegut

Então nesta madrugada, depois de 47 anos escrito, sei bem, porque foi escrito no ano em que nasci, descobri Breakfast of the Champions, do Kurt Vonnegut, depois de ter pedido uma prova do mesmo na Amazon, pois havia ficado curioso quando recebi um e-mail de promoção com o livro a US$2,99 e, tendo baixado tal prova no meu Kindle, e com o celular carregando na sala, diferente de todo dia, quando dorme ao meu lado na mesinha ao lado da cama, e então com o Kindle ali posicionado para a insônia eventualmente esperada, e com a prova de outro livro que não me interessou continuar depois de ler as primeiras páginas, comprei o mesmo direto no Kindle, devidamente configurado para comprar com meu cartão de crédito previamente cadastrado na loja de tudo, e tal foi minha admiração com a leitura, que logo após parar, pois o sono parecia ter voltado a me chamar, acabei levantando, pegando o iPad onde agora escrevo esta frase, que deve ser, com certeza, a maior frase que já escrevi na vida, para descrever minha estupefação ao me dar conta da finitude da vida, e de quanto, a cada dia, descubro que ainda não conheço ou não sei, e provavelmente, nunca virei a saber, dado o tamanho dos meus interesses e a limitação previamente mencionada do tempo necessário a conhecer isto tudo, e agora tento voltar a dormir, talvez depois de publicar esta frase em algum lugar, no caso, agora, em meu site pessoal, como uma lembrança de que sempre temos algo novo a aprender todos os dias, ou no caso, na madrugada.

Todos podem ser ricos, meu novo livro

A riqueza não é algo que acontece na vida de uma pessoa da noite para o dia. A riqueza precisa ser conquistada. Só que ao contrário da crença popular, esta conquista não é algo trabalhoso ou difícil. Esta conquista se dá simplesmente com a criação de novos hábitos, dos hábitos naturais das pessoas que souberam como enriquecer.

Este livro lhe mostrará quais são estes hábitos e como incorporá-los na sua nova vida.

Antes que surjam as perguntas, ainda não está completo e não tenho um prazo definitivo para concluir a escrita. Tenho a estrutura básica definida, o título é este que indiquei e concluí o rascunho de um terço dos capítulos. Provavelmente lance uma versão em formato ebook gratuita e uma versão impressa logo depois.

Programa A Classe Alta – Última Turma!

Seguinte, vou ser rápido e direto, porque acabo de chegar de uma viagem/sabático de três meses nos USA e vendi meu apartamento no dia seguinte à chegada, então já viram como estão corridos os meus próximos dias.

O programa A Classe Alta é um misto de livro, coaching, grupo de MasterMind, conjunto de materiais de bônus e muito mais, organizados, mantidos e constantemente complementados pelo Seiiti Arata, um cara incrível e totalmente focado no atendimento dos participantes.

Em breve será aberta a última turma do programa, que certamente fechará logo no primeiro dia, como aconteceu nas últimas edições. Então não perca tempo, clique agora mesmo no link de apresentação e deixe seu nome na lista VIP que será avisada com antecedência. Olhe o que os outros falam, é bom mesmo. Depois, não quero ouvir chororô de que a vida está difícil, que não ganham o suficiente, que o que ganham não sobra nada para investir…

Mais uma vez, segue o link: Programa A Classe Alta – Última Turma!
Estão avisados. Abraço e sucesso.

Lançamento do meu SEGUNDO livro!

O número 14 é um número de sorte para mim. Casualmente nasci neste dia, em outubro. Casualmente, no mesmo dia e mês em que nasceu minha avó materna. Não tão casualmente, foi o dia que escolhi para meu casamento, neste caso, em maio, mês das noivas, impossível de esquecer a dobradinha e por consequencia minimizei a probabilidade de esquecer de comemorar na data certa. Então em novembro do ano passado, no dia 14, houve a sessão de autógrafos e lançamento do meu primeiro livro. Exatamente dois meses depois, novamente no dia 14, lançamento do meu segundo livro. Não sou supersticioso, apenas achei divertido quando me dei conta destas coincidências.

Esta é uma coisa engraçada, me dei conta agora. Escrevo sobre o lançamento do meu segundo livro depois do fato já ter ocorrido. Por favor algum marketeiro apareça para me dizer que a propaganda tem que ser feita antes, para que meus leitores possam saber com antecedência e aparecer lá no dia certo. De toda forma, por conta disto, já informo que haverá uma nova sessão de autógrafos, dia 21/01 no Rio de Janeiro, na Saraiva Megastore do Shopping Rio Sul, no terceiro piso, as 19h30. Infelizmente não poderei estar presente nesta, mas apareçam lá que muitos dos escritores da PdH estarão no local, além dos autores dos outros livros que ganharam o Prêmio BlogBooks, como o Conrado Navarro, do Dinheirama.

Voltando ao assunto do título, na verdade não é exatamente MEU segundo livro. O livro é do site Papo de Homem, onde escrevo como Dr. Money. Há vários textos meus no livro, vários, no caso, mais de cinco, então, voltando ao tópico, meu segundo livro 🙂

Uma das coisas mais divertidas do evento foi conhecer pessoalmente muitos dos leitores, mas principalmente, os outros colunistas do site. É interessante notar como as coisas mudam com o tempo, hoje em dia escrevemos, trocamos idéias e montamos negócios onde os participantes estão fisicamente distantes, muitas vezes sem se conhecer pessoalmente ao iniciar o relacionamento e no nosso caso, mais de um ano depois disso.

Como uma imagem vale mais que mil palavras (apesar do Google não achar isso quando indexa nossos textos para as buscas), deixo a seguir algumas fotos da noite, com breves comentários.

Equipe Papo de Homem - Gitti, Dr. Money, Gus, Dr. Drinks, Pablo e Guilherme sentado.

Rodão, Fabricio, Fred e Conrado.

Cheio de gente. Fabrício e Isabella em primeiro plano, foto do Rafael Olah.