Primeira aplicação

Quinta-feira passada fiz a primeira aplicação do Projeto Milhão. Foram R$ 1.000 investidos em um fundo de renda fixa do Itaú. Queria aplicar no Itaú Prêmio RF 90, que tem uma taxa de administração menor. Mas a aplicação mínima deste fundo é de R$ 5.000, então não deu. Acabei aplicando no Itaú RF.

Essa aplicação gerou certa polêmica nas listas de discussão que participo. Alguns escreveram que a idéia do Projeto é bastante boa, mas que aplicando em RF eu levaria muito tempo para chegar lá. Outros comentaram sobre a origem destes R$ 1.000, que só foi possível com a escolha de não assistir ao show dos Rolling Stones em fevereiro, no Rio de Janeiro.

Mas para tudo existem explicações. Como o objetivo é ensinar e aprender, todas as trocas de idéia são válidas. Os motivos da primeira aplicação ser em um fundo de renda fixa são vários. O principal deles é o fato de muita gente sem conhecimento financeiro profundo estar acompanhando o Projeto. A idéia é seguir a linha mestra do livro O Homem Mais Rico da Babilônia, onde a primeira lição é guardar pelo menos 10% de tudo o que ganhamos para formar nosso “exército de escravos de ouro”. Quem leu o livro sabe o que aconteceu com Arkad ao investir suas economias de um ano com a intenção de comprar jóias e revendê-las com lucro, proposta pelo Oleiro da Babilônia. A idéia aqui é evitar esse tipo de armadilha que poderia trazer lucros mais rápidos mas que geralmente se prova uma canoa furada, devido à falta de conhecimento sobre o investimento desejado. O fundo de renda fixa então foi a alternativa segura de fazer economia e ainda ter um pequeno rendimento sobre essas economias.

Já sobre o fato de não ir assistir ao show dos Rolling Stones, é uma questão de escolha pessoal. Vai chegar o dia em que a quantia economizada nesse Fundo do Milhão será considerável. Pode ser o suficiente para trocar o carro 1.0 por um carrinho zero Km, esportivo, completo, com bancos de couro. E o fato de ter aberto mão de assistir ao show pode ser a gotinha de razão que me ajude a voltar à razão. Não estou economizando esse dinheiro para comprar um carro daqui a alguns meses. Estou economizando para atingir R$ 1.000.000. E junto com esse milhão, toda aquela coisa de Independência Financeira, não precisar mais trabalhar, ter a garantia de todas as contas pagas apenas com parte dos rendimentos das aplicações, etc. Cada um dos pequenos prazeres que abri mão será um peso extra para me lembrar o porque desses pequenos sacrifícios. Não existe almoço grátis.

Outra coisa que deve ser levada em conta, é que este Projeto Milhão é um projeto paralelo ao meu plano pessoal de independência financeira. O objetivo é documentar como pode ser atingido o primeiro milhão de reais e em quanto tempo isso pode acontecer. Para tanto, vou aplicar mensalmente valores relativamente baixos e de vez em quando, algum valor relativo a algo de que abri mão em benefício de um objetivo maior. Ao longo do caminho, vou trocar o dinheiro de aplicação e eventualmente investir em fundos mais agressivos. Tudo sempre acompanhado dos motivos para essas mudanças de estratégia. Alguma hora pode aparecer um grande negócio que eu não possa abrir mão e que exija o investimento de parte desse fundo. Nestas ocasiões irei descrever o que é o projeto em questão e como estou investindo o dinheiro. Quando o projeto der resultado, esse resultado será completamente contabilizado no Fundo Milhão, assim como qualquer eventual prejuízo, é claro.

Espero ter deixado um pouco mais claro os objetivos do Projeto Milhão. Aguardo a participação de todos.

Sucesso rumo ao milhão!

Autor: Fabricio S. Peruzzo

Pai, marido, polímata, empreendedor serial, curioso.

3 comentários em “Primeira aplicação”

  1. Eu comecei meu projeto no dia 26/12/2005, fazendo uma aplicação de R$1.000,00 no Fundo do Banco Real, o Ethical Fia.
    Pretendo aplicar no mês de Janeiro mais R$1.000,00 no fundo do Banco do Brasil, o BB Petrobrás.
    Cancelei meu cartão de crédito. Esse mês eu não fui ao salão, e não comprei nenhuma roupa, nem sapato, nem bolsa nova!
    Não dei presente de aniversário para minha avó!

    Meu custo com a minha segunda faculdade aumentou. Antes era R$330,00 agora é R$365,00

    Por enquanto é só!

    Bjs

    Curtir

  2. Ah, esqueci de dizer que todo mês eu consigo aplicar R$189,00 no meu fundo de previdência privada, o FAELBA. Onde a minha empresa deposita mais R$189,00, ou seja, a cada mês meu acumulado é de R$378,00.
    Também possuo um plano de capitalizacao do Banco Real, onde já paguei 20 parcelas de 25 reais. Restam mais 5 e eu resgatarei R$500,00.
    Fiz um outro do Unibanco, chamado MultiPlin, de R$50,00 por 117 meses.
    Ah, coloquei R$100,00 num fundo DI do Banco real também!

    Curtir

  3. Renata, o que mais me parece promissor nos teus investimentos é o fundo de previdência privada. Com tua empresa depositando o mesmo valor que tu como incentivo, tens o dobro do investimento sem custo extra. São 100% de rendimento imediato. Caso seja possível aumentar este valor, minha sugestão seria de fazê-lo no valor máximo que a empresa permitir.

    Curtir

Os comentários estão encerrados.