Não tenha ídolos

Sempre fui fã deste cara, mas o texto também se refere a este assunto.

Quando era adolescente, tinha alguns ídolos. Admirava algumas pessoas que se destacavam acima da média. Achava estas pessoas sensacionais, queria me espelhar nelas. Isso era verdade em várias áreas. E essa admiração continuou por muitos anos após minha juventude, com estas pessoas me ajudando a formar o que me tornei até hoje, e ainda me auxiliando a tornar-me sempre um pouco melhor do que ontem.

Admirava o Bill Gates, mas ainda mais, muitos dos que vieram antes dele e criaram o ambiente que permitiu ele se desenvolver. A história do início da computação sempre foi uma das minhas maiores paixões, e continuo lendo maravilhado as histórias daquela época e daquelas pessoas.

Em algum momento admirei o Donald Trump. A ousadia, a arte da negociação, a figura sempre sorridente mostrando uma vida de riqueza e sofisticação. Essa imagem não envelheceu tão bem… Enquanto o Bill Gates cresceu e se transformou de homem mais rico do mundo em maior filantropo do planeta, o Donald se tornou isso que vemos aí… 

É ruim se decepcionar, mais ainda quando não temos controle sobre os fatos. Então, não tenha ídolos, e não os tendo, não se decepcione quando eles mudarem para pior.

——

Escrevi vários parágrafos, mas não vou publicar aqui. Vou resumir: tinha uma ídola na adolescência. Acompanhava a carreira à distância, nunca a conheci pessoalmente no seu auge. Conheci já no final de carreira. E todas as características que eu admirava e a tornavam uma vencedora na carreira que tinha escolhido, a faziam uma perdedora em todas as outras áreas da vida.

——

Um pouco como a decepção com o Donald, que usou toda aquela ousadia que exibia nos negócios para se tornar esse patético de palco que vemos atualmente. 

Então quando digo: “não tenha ídolos,” o faço no sentido de não idolatrar as pessoas que parecem atrair o sucesso. Saiba que podem ser muito boas em algumas coisas e péssimas em outras. Não pense que essas pessoas são na vida real, em seu dia a dia, exatamente como mostram em suas redes sociais ou como os jornais e revistas o expõem. 

Estou falando daquele artista, que pode ser sensacional na sua arte, mas não respeita as mulheres, por exemplo. 

Falo do empresário milionário que perde os aniversários dos próprios filhos. Sim, pode ser o preço a pagar pelo resultado que ele atingiu, mas é isso que você quer? Dinheiro a qualquer custo? Um aniversário vai fazer diferença, se os filhos forem milionários? Trabalhar 18 horas por dia e só aparecer no domingo para a família vai fazer diferença no futuro deles? Não tenho resposta para isso, mas é o que você quer para sua vida? 

Então quando você vê um resultado, não idolatre esse resultado, nem a pessoa que o atingiu. Pense no preço que estas pessoas podem estar pagando. Pense na vida que elas tiveram e por que motivo fazem o que fazem desta maneira.

Há várias estradas que levam para um mesmo destino, há várias maneiras de nos mover para frente. Algumas mais rápidas, algumas mais lentas. Escolha seus próprios caminhos.

Vou dar um exemplo, ou melhor, dois. Dois amigos relativamente próximos. Não são do meu convívio diário, mas ao mesmo tempo, participo de perto de suas vidas. Ambos multimilionários. Um, avarento. Outro, vive no padrão que atingiu, sem excessos, mas também sem abrir mão de usar o que conquistou. Um anda com carrinho popular chinês porque custa menos. Outro passeia de BMW conversível, que representa pouco em seu patrimônio, mas lhe dá um prazer e conforto que nenhum carrinho popular daria. Ambos engraxates quando crianças. Qual está certo? Ambos! Cada um está certo segundo seus próprios valores e princípios. Cada um vive a vida que escolheu, ou que suas circunstâncias os tornaram. Eu, pessoalmente, acredito que a vida do segundo amigo é mais equilibrada, mas de novo, eu não vivi o que o primeiro amigo viveu. Não sei quais medos o assombram à noite. Não estou em posição de julgar nada nem ninguém.

De perto ninguém é normal. Emule as características que fazem sentido para sua vida, faça o que é necessário para atingir os objetivos que lhe falem ao coração, mas não perca tempo tentando conquistar o que as pessoas mostram em suas vitrines, sem analisar o preço que essas pessoas pagam para obter o que mostram.

Voltando lá no início e na imagem que ilustra este artigo… Se você pudesse ver o futuro em cada uma de suas escolhas, que caminho você escolheria para trilhar: ser o melhor de todos, o número um, o campeão inconteste, uma lenda na área que escolheu, ou ser bom o suficiente para viver uma vida tranquila e divertida? Porque no limite, a escolha é essa, entre ser bom o suficiente, ou dar a vida para ser o melhor de todos.

Autor: Fabricio S. Peruzzo

Papai investidor, marido, polímata, empreendedor, curioso. Tranquilidade financeira é qualidade de vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s