A rotina diária de uma vida financeiramente independente no meio da pandemia do coronavírus.

Começo a escrever este texto 6h da manhã de uma sexta-feira. Não são todos os dias que acordo esta hora, apesar de ser mais matinal do que noturno nas minhas preferências. Hoje, especificamente, acordei com ideias para este texto.

Fui ajudado pela minha filha na madrugada. Pouco antes das 5h ela acordou para fazer xixi. Busquei ela no quarto, iluminando o caminho até o banheiro com a tela do Apple Watch. Cuidei do porquinho de pelúcia que ela levou para acompanhar enquanto fazia o xixi e a levei de volta ao quarto, ficando ao lado dela até pegar novamente no sono. Voltei para cama, mas com as ideias fervilhando na cabeça, quem disse que consegui dormir? Então aqui estou.

O que chamo de Independência Financeira?

Quando falo ou escrevo sobre independência financeira, muitas vezes noto que esse termo tem conotações diferentes para as pessoas. Então acho interessante explicar o que chamo de independência financeira, e como ela se da na minha vida na prática.

Para alguns, falar sobre independência financeira é o mesmo que dizer que a pessoa é multi-milionária. Que basicamente pode fazer tudo o que quiser, que o dinheiro nunca acaba. Que o dinheiro jorra em suas contas bancárias como cachoeiras infinitas. Infelizmente esse ainda não é o meu caso.

Outros chamam de independência financeira o simples fato de terem um emprego que pague seu custo de vida e os permita morar sozinhos, o famoso “sair da casa dos pais.” Não chamo isso de independência financeira, pois a pessoa em questão é dependente daquele emprego, e vai saber quanto tempo esse emprego vai durar? Felizmente, esse não é meu caso.

O que chamo de independência financeira é uma situação relativamente confortável de vida, mantida da maneira o mais automática possível, sem a necessidade ou obrigação de bater ponto em um emprego ou trabalho próprio. É poder ter uma vida digna e sem necessidades, sem trabalhar. É basicamente poder viver como um aposentado. Esse é o meu caso.

Claro que cada um tem sua própria definição do que é viver de forma confortável. Tem gente que se contenta em morar em um apartamento pequeno, com móveis simples e práticos, e tem gente que precisa de espaços enormes e decoração refinado para suprir suas necessidades básicas. Tem gente que acha um exagero possuir carro, e tem quem não consiga viver sem um carro de luxo. Eu me encontro no meio dessa escala, tenho um bom carro quitado, um carro comum, mas sedã com um bom porta-malas para carregar as bicicletas dos baixinhos. Acredito que um bom apartamento tenha ao menos dormitórios suficientes para que cada filho possa ter seu quarto e sua privacidade. E que também esteja quitado, porque dever para o banco não é legal.

Já escrevi ou gravei um vídeo anteriormente sobre o que chamo de Escada da Independência Financeira. Resumidamente é a definição de um padrão mínimo de vida para aquele momento específico, e de quanto seria necessário possuir investido para que os rendimentos do patrimônio investido pudesse prover a independência financeira naquele degrau de vida.

Quando atingi minha independência financeira, tinha carro popular. Morava em apartamento menor, não tinha filhos. Tinha conquistado patrimônio suficiente para manter aquela vida indefinidamente, mas é claro que sabia que aquela não seria minha vida por muito tempo. A conquista da independência financeira não me proporcionou uma vida fácil e folgada com tudo o que queria. A conquista da independência financeira me proporcionou a independência necessária para poder fazer as melhores escolhas de onde iria investir meu tempo, de maneira a otimizar meus ganhos, sem precisar bater ponto em algum emprego mal remunerado qualquer simplesmente para pagar as contas. Meu trabalho de verdade estava apenas começando.

A conquista do primeiro degrau da independência financeira representou a abertura da porta necessária para a busca do aperfeiçoamento pessoal e do meu propósito de vida. No degrau em que me encontro atualmente, temos uma vida tranquila com dois filhos. O menor ainda em casa conosco 24h por dia, a maior já há alguns anos no colégio, apesar de neste momento específico de pandemia estar também 24h por dia trancada aqui com a gente. Carro quitado, apartamento quitado, e sem dívidas, da para se manter esse fluxo por tempo indeterminado.

O degrau atual em que nos encontramos na escada da independência financeira nos permite ficar em casa no meio da crise do Coronavírus. Tenho meu trabalho vendendo consórcios de imóveis, mas este, que era bem mais ativo antes do vírus manter todos dentro do apartamento, ficou bastante prejudicado no momento. Continuo atendendo os clientes que já possuo e sempre chegam novos através da internet, mas o tempo livre que antes tinha para produzir conteúdo novo, sejam vídeos explicativos, sejam textos como este aqui, virou pó. Foi substituído por acompanhar a filha em aulas online, organizar as tarefas extras de ensino, cuidar da casa, lavar louça.

E é o conteúdo novo que me traz novos clientes em profusão. Então, se por um lado a coisa está andando sem maiores problemas, com a garantia das contas pagas, por outro, continuo fazendo o possível para manter o barco navegando em bons ventos. Porque, como escrevi antes, estou já alguns degraus acima do básico, mas ainda longe de onde pretendo chegar.

Quem me acompanha há mais tempo por aqui sabe das viagens regulares que fazíamos ao exterior. Viagens geralmente longas, ao menos uma ou duas por ano. Claro que essa rotina mudou um pouco com a chegada de mais um bebê, mas não fosse o vírus, provavelmente já teríamos feito algo deste tipo nas férias de julho e certamente faríamos algo assim próximo do fim do ano. Essas viagens não fazem parte ainda do degrau de independência financeira atual. Como temos necessidades especiais de hospedagem (precisamos de apartamentos com cozinha, por conta de alergias alimentares), os custos são consideravelmente maiores do que uma viagem mais “normal.”

O que proporciona viagens regulares e o passo necessário ao próximo degrau, são justamente o trabalho que realizo na venda de consórcios imobiliários, e nas consultorias financeiras pessoais, além do investimento regular em oportunidades pontuais que sempre surgem para buscar um lucro mais rápido.

Estou há mais de uma hora escrevendo este texto, e não cheguei ainda no título do mesmo. Escrevi no título que este era sobre a rotina de uma vida financeiramente independente. Pois bem, tendo definido exatamente o que é essa tal de independência financeira para mim, vamos à rotina.

Rotina diária de uma vida financeiramente independente no meio da pandemia.

Como não sei exatamente como será o dia de hoje, vou basicamente descrever o dia de ontem. Na prática, não muda muito. No meio do confinamento, todos os dias são mais ou menos iguais.

Acordei por volta das 8h da manhã. Minha filha acordou em seguida e fomos para a sala tomar café da manhã. Preparei meu café, preto, coado direto na caneca com o filtro pequeno, e um Toddy e sanduíche de queijo com requeijão para a baixinha. Conversamos e brincamos um pouco de dinossauros, menina-dragão, e depois ela foi assistir um pouco de TV enquanto eu lia as notícias, e-mails, e redes sociais ao lado dela no sofá. No caso específico de ontem, não tínhamos lavado a louça na noite anterior, então fiz isso neste momento.

O bebê acordou pouco depois das 10h30, e ele e minha esposa se juntaram a nós na sala. Pelo horário avançado, decidimos que ele iria direto para o almoço, que faríamos mais cedo para ele, mantendo o horário normal para o nosso. Entre troca de fralda, brincadeiras, e corrida pela casa com a mana, o almoço ficou pronto, e enquanto minha esposa dava comida para o bebê, fui tomar um banho.

Bebê de barriguinha cheia, eu de banho tomado, saímos para uma volta na rua, ele e eu. Fomos ver os chafarizes dos prédios próximos de casa. É um passeio de 45 minutos a 1h, caminhando pela rua, olhando os caminhões. Ontem tinham inclusive duas betoneiras em um dos prédios que estão levantando aqui perto.

Volto para almoçar, café preto depois do almoço, responder e-mails e estudar um pouco mais para mim, enquanto minha esposa cuida para ninguém se machucar na corrida dos pequenos pela casa. Bebê vai fazer soneca com a esposa, criança começa aula online, mais leituras, e-mails, e planejamento de novos textos para mim. Bebê acorda, aula termina, prepara lanche, todos comendo bem, levo o lixo para fora e neste dia consigo ir até o escritório para gravar um vídeo novo. Ontem foram 50 minutos de rua no passeio do bebê, e mais ou menos o mesmo tempo no escritório para mim no fim da tarde.

Volto para casa, atividades de avaliação do colégio, brincadeiras com as crianças, Preparar a janta, trocar a fralda, jantar, lavar a louça, dar uma última olhada nos e-mails, redes sociais, artigos na fila de leitura, e começar a diminuir o ritmo da casa. Meia noite, todos dormindo.

Mais um dia na rotina de uma vida financeiramente independente no meio da pandemia do coronavírus. A vida se tornou uma coisa meio nebulosa, com os dias se fundindo uns aos outros, tudo sempre igual. Ficando a maior parte do tempo em casa acabamos diminuindo as chances dos encontros fortuitos que estar na rua nos proporciona.

Em épocas mais normais, levaria a baixinha ao colégio depois do almoço. Encontraria um ou outro pai/mãe na entrada, conversaríamos sobre algo banal ou sobre os filhos mesmo. Voltaria para casa, iria ao escritório caminhando, passaria antes no correio, pararia para um café na cafeteria ao lado, onde encontraria um colega de faculdade que não via a muito tempo. Conversaríamos sobre como estavam as coisas, nossas empresas, nossos filhos, e combinaríamos de uma hora nos encontrarmos novamente, deixando para o destino escolher quando isso aconteceria de novo. Na volta ainda cruzaria com outro amigo, mais um oi rápido, mais o sentimento de que tudo está andando nos trilhos para aqueles que amamos. Tudo isso está suspenso por enquanto.

Se sua vida está mais fácil, ou mais difícil, saiba que estamos todos juntos nessa. Vai melhorar.

Autor: Fabricio S. Peruzzo

Papai investidor, marido, polímata, empreendedor, curioso. Tranquilidade financeira é qualidade de vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s