Faça sua aposta

— Mauro Halfeld

Viaje no tempo, de volta para 1992. Você é um investidor internacional e seu corretor lhe sugere investir em ações na China ou no Brasil. Os dois países têm enorme potencial econômico. Qual deles teria mais chance de adicionar valor ao seu patrimônio nos próximos onze anos?

Esse interessante caso foi analisado pelo professor Jeremy Siegel, da Wharton Business School. O crescimento da economia chinesa já havia decolado em 1992. Dez anos antes, o governo de Deng Xiaoping iniciara um programa de reformas. Em 1990, a Bolsa de Xangai foi aberta e causou grande excitação nos chineses. Dois anos depois, o número de ações listadas saltaria de 20 para 70, e o volume de negócios triplicaria em relação ao ano anterior.

Em 1993, o preço das ações chinesas disparou, e famílias americanas já investiam em fundos de ações dedicados aos orientais. Muitos acreditavam que a economia chinesa iria crescer enormemente nos próximos anos. Acertaram. O PIB chinês cresceu 9,3 % ao ano, em média, nos onze anos que se seguiram. Simplesmente, o triplo do forte crescimento anual americano no mesmo período. Em 2003, o PIB chinês, ajustado pela paridade do poder de compra, já era o segundo maior do mundo.

Por outro lado, o Brasil começou os anos 90 em crise. Em 1992, tivemos a queda de Collor, e a inflação fechou o ano em 1.100%. Fernando Henrique venceu as eleições em 1994, reduziu a inflação substancialmente à custa de juros exorbitantes e de uma âncora cambial. Em 1999, o mercado derrubou o mito do real forte em um país com enormes déficits em suas contas externas. Escândalos políticos, apagão e forte austeridade nas contas públicas geraram insatisfação.

Em 2002, Lula ganhou as eleições gerando uma forte crise nos mercados. De 1992 a 2003, o PIB brasileiro cresceu só 1,8% ao ano, ficando entre os piores desempenhos dos países em desenvolvimento. Enquanto o PIB chinês acumulou um crescimento de 166% em onze anos, o PIB brasileiro aumentou apenas 22%.

Que país teria enriquecido mais o patrimônio dos investidores em ações? A resposta certa é Brasil. Sim, de 1992 a 2003, uma quantia de mil dólares investida no índice de ações chinês valeria só US$ 320. Por outro lado, mil dólares aplicados no Ibovespa valeriam US$ 4.781!

Qual o motivo dessa aparente distorção? No início do período analisado, as ações chinesas já estavam muito caras e as brasileiras eram vendidas a preços de banana. Moral da história: muito mais lucrativo do que aplicar em países e empresas da moda é comprar ativos que estejam desvalorizados.

Autor: Fabricio S. Peruzzo

Pai, marido, polímata, empreendedor serial, curioso.

Uma consideração sobre “Faça sua aposta”

  1. A pergunta principal é, como saber se uma empresa que está com as ações em baixa irá prosperar e nos dar um ótimo rendimento ou acabar de quebrar levando nossas economias? Existe alguma forma de aprendermos a analisar essas possibilidades? Como?

    Curtir

Os comentários estão encerrados.