Duas escolhas

Jerry era um tipo de pessoa que vocês iriam adorar. Ele sempre estava de alto astral e sempre tinha algo positivo para dizer. Quando alguém perguntava a ele “Como vai você?”, ele respondia:

“MELHOR QUE ISSO SÓ DOIS DISSO”.

Ele era o único gerente de uma cadeia de restaurantes, porque todos os garçons seguiam o seu exemplo. A razão de os garçons seguirem Jerry era por causa de suas atitudes. Ele era naturalmente um motivador. Se algum empregado estivesse tendo um mau dia, Jerry prontamente estava lá, contando ao empregado como olhar o lado positivo da situação. Observando seu estilo, que realmente me deixava curioso, um dia eu perguntei para Jerry:

“Eu nao acredito, você não pode ser uma pessoa positiva o tempo todo… Como você consegue?”.

E ele respondeu:

“Toda manhã eu acordo e digo a mim mesmo: Jerry, você tem duas escolhas hoje – escolher estar de alto astral ou escolher estar de baixo astral… Então eu escolho estar de alto astral. A todo momento acontece alguma coisa desagradável; eu posso escolher ser vítima da situação ou posso escolher aprender algo com isso. Eu escolho aprender algo com isso. Todo momento vem alguém reclamar da vida comigo; eu posso escolher aceitar a reclamação, ou posso escolher apontar o lado positivo da vida para a pessoa. Eu escolho apontar o lado positivo da vida.”

Então eu argumentei:

“Ah! certo. Mas não é tão fácil assim.”

“É fácil, sim!” Jerry disse… “A vida consiste em escolhas. Quando você tira todos os detalhes e enxuga a situação, o que sobra são escolhas, decisões a serem tomadas. Você escolhe como reagir ás situações. Você escolhe como as pessoas irão afetar o seu astral. Você escolhe estar feliz ou estar triste, calmo ou nervoso… Em suma: É escolha sua como você vive sua vida.”

Eu refleti no que Jerry disse. Algum tempo depois eu deixei o restaurante para abrir meu próprio negócio. Nós perdemos contato, mas freqüentemente pensava nele quando eu tomava a decisão de viver, ao invés de ficar reagindo às coisas.

Alguns anos mais tarde, eu ouvi dizer que Jerry havia feito algo que nunca se deve fazer quando se trata de restaurantes: ele deixou a porta dos fundos aberta e, conseqüentemente, foi rendido por três assaltantes armados. Enquanto ele tentava abrir o cofre, sua mão, tremendo de nervoso, errou a combinação do cofre. Os ladrões entraram em pânico, atiraram nele e fugiram. Por sorte, Jerry foi encontrado relativamente rápido e foi levado às pressas para o pronto-socorro local. Depois de 18h de cirurgia e algumas semanas de tratamento intensivo, Jerry foi liberado do hospital com alguns fragmentos de balas ainda em seu corpo.

Encontrei com Jerry seis meses depois do acidente. Quando eu perguntei “Como vai você?” ele respondeu: “Melhor que isso, só dois disso. Quer ver minhas cicatrizes?” Enquanto eu olhava as cicatrizes, perguntei o que passou pela mente dele quando os ladrões invadiram o restaurante.

“A primeira coisa que veio á minha cabeça foi que eu deveria ter trancado a porta dos fundos..” Ele respondeu. “Então, depois, quando eu estava baleado no chão, eu lembrei que tinha duas escolhas: eu podia escolher viver ou podia escolher morrer. Eu escolhi viver”.

Eu perguntei: “Você não ficou com medo? Você não perdeu os sentidos?” Jerry continuou: “Os paramédicos eram ótimos. Eles ficaram o tempo todo me dizendo que tudo ia dar certo, que tudo ia ficar bem. Mas, quando eles me levaram de maca para a sala de emergência e eu vi as expressões nos rostos dos médicos e enfermeiras, eu fiquei com medo. Nos seus olhos eu lia ‘Ele é um homem morto’. Eu sabia que tinha que fazer alguma coisa”.

“O que você fez?” eu perguntei. “Bem, havia uma enfermeira grande e forte me fazendo perguntas… Ela perguntou se eu era alérgico a alguma coisa… ‘Sim’, eu respondi. Os médicos e enfermeiras pararam imediatamente esperando por minha resposta.. eu respirei fundo e respondi ‘Balas’. Enquanto eles riam eu disse: ‘Eu estou escolhendo viver. Me operem como se estivesse vivo, não morto’.

Jerry sobreviveu graças à experiência e habilidade dos médicos, mas também por causa de sua atitude espetacular. Eu aprendi com ele que todos os dias temos que escolher viver a vida em sua plenitude, viver por completo. Atitude, entretanto, é tudo.”

Você tem duas escolhas agora:

– Esquecer este texto ou

– Enviá-lo para uma pessoa que você goste

Autor: Fabricio S. Peruzzo

Pai, marido, polímata, empreendedor serial, curioso.