MISBEHAVING, o evento mal comportado de 9 anos da Empiricus. Eu estava lá!

 

Café da manhã no topo do JK Iguatemi, onde aconteceu o evento.

Semana passada aconteceu o evento MISBEHAVING, em comemoração aos 9 anos da Empiricus. Foi uma bela oportunidade de assistir uma aula exclusiva com o Prêmio Nobel de Economia, Richard Thaler. Além disso, foi possível conversar pessoalmente com vários analistas da empresa, trocando insights bastante úteis.

A primeira a subir ao palco foi a Luciana Seabra, com foco no futuro, e com isso, na necessária previdência. Falou sobre a criação do FoF da SuperPrevidência (se você ainda não conhece, corre para assinar o relatório dela na Empiricus, “os melhores fundos de investimento”) e algumas vantagens que ele possui em relação aos fundos individuais da SuperPrevidência original. Indicou ainda alguns cuidados que devemos ter em relação à nossa previdência, baseada nas idéias de David Swensen, o cara responsável pela gestão do dinheiro da Yale:

  • carteira diversificada;
  • foco em ações;
  • preocupação com impostos.

Além disso, citou algumas vantagens que um plano de previdência possui em comparação a investimentos diretos, como:

  • não passar por inventário;
  • não ter que pagar o ITCMD em muitos estados;
  • postergar o pagamento do IR, para quem se beneficia disso no PGBL.
Fotinho padrão com a Luciana, responsável pelo relatório de fundos de investimento da Empiricus, e responsável direta pela criação da SuperPrevidência, a melhor forma de se preparar para a aposentadoria.

Em seguida veio o monstro do marketing da Empiricus, o Beto Altenhofen, contar o segredo do sucesso da empresa, ensinando a única forma de vender o que as pessoas NÃO estão procurando. A fórmula é simples:

  • chamar a atenção com a emoção, geralmente a ganância ou o medo;
  • usar a persuasão através de argumentos racionais depois de ter a atenção do leitor.

Passamos então ao Rodolfo Amstalden, tímido no início, mais solto no final, dando uma aula de porque não pregam para convertidos, ou seja, porque falam para as pessoas comuns, e não para os “especialistas em investimentos.” Explicou ainda como os comportamentalistas brincam, provocam, até assustam de vez em quando, mas principalmente, não se levam tão a sério.

Veio então o trio de analistas, Sergio Oba explicando o negçio da LINX de forma magistral, Max Bohm falando da hora certa de se ter microcaps e smallcaps na carteira (sempre) e contando tudo o que aprendeu em sua visita à Ouro Fino Saúde Animal, e foi seguido por João Piccioni falando sobre as FAANGS, Marijuana e Bitcoin.

Pausa rápida para o almoço e bate papo com os outros participantes, acompanhados por um bom café.

Caio Mesquita conta a história da Empiricus e mostra um pouco do que é o Grupo Acta e de todas as empresas de conteúdo que fazem parte do grupo.

E aí sobe ao palco o José Luis Cordeiro, um pesquisador controverso, que começa a falar de futuro, da normal incapacidade de pensarmos facilmente de maneira exponencial, e da expansão dos limites humanos através da ciência nas próximas décadas, começando com as tecnologias que hoje vestimos (smartphones, fones de ouvido, smart watches), e em seguida implantaremos em nossos corpos.

Fala então da busca da imortalidade e do rejuvenescimento biológico, fazendo com que algumas cabeças explodissem na platéia e nos lembrando que esta é uma época maravilhosa a que estamos vivendo, e que seria péssimo morrer nos próximos 30 anos, visto que com a evolução exponencial da ciência, esse é o prazo em que devemos obter a cura daquela doença que até então tem matado a todos indistintamente, a velhice. Sério, não queria ser o palestrante seguinte a ele…

Seguimos bem, entretanto. Felipe Miranda entra com sua camiseta dos Rolling Stones, brincando que num evento intitulado MISBEHAVING, o sócio Caio Mesquita aparece de terno e gravata. Então conta a história da Empiricus de forma menos comportada, incluindo aí a quase falência e as mesas e cadeiras que tiveram que vender no Mercado Livre para pagar as contas no pior período da empresa, além de comentar sobre o antigo sócio-fundador, há muito já desligado da empresa, Marcus Elias.

Depois deste breve histórico ele chama ao palco o engravatado ganhador do Prêmio Nobel de Economia do ano passado, Richard Thaler, que já entra se desculpando: “se tivesse sido avisado a tempo sobre o tema do evento, também teria vindo com minha camiseta dos Rolling Stones.” Em formato de bate papo, explicou os conceitos essenciais da economia comportamental descritos em muito mais detalhes em seus livros “Nudge” (empurrõezinhos) e “Misbehaving”.

Concluímos então com Pedro Malan, fechando com chave de ouro ao falar o que será necessário para o futuro do país em termos macroeconômicos, microeconômicos, e na necessidade da educação para aumentarmos a produtividade de maneira a diminuir o impacto que a temos à frente com a queda demográfica que estamos vivendo.

Resumo do dia.