Invista em Bitcoins AGORA! Lucros potenciais de mais que 25 vezes o valor investido.

Algum tempo atrás, pessoas bem informadas sobre o assunto, como Kim Dotcom, indicaram o investimento em Bitcoins. A moeda estava cotada na época em US$ 375. Hoje pela manhã, ultrapassou a marca de US$ 4000.

Estas mesmas pessoas bem informadas estimam que nos próximos poucos anos o valor do Bitcoin possa passar dos US$ 100.000. É um crescimento de 25 vezes em poucos anos, talvez até poucos meses.

A idéia aqui não é vender sua casa e comprar tudo em Bitcoin. Há riscos reais e todos podem estar delirando. Porém uma coisa é certa, existe a chance verdadeira dessas previsões se materializarem e termos uma valorização de 25 vezes ou mais. E a pior das alternativas, é o Bitcoin simplesmente deixar de existir e perdermos tudo que investimos. Você só pode perder o que investir, mas pode ganhar de forma ilimitada.

Dadas estas expectativas, acredito fortemente que uma APOSTA no Bitcoin seja uma aposta altamente assimétrica. No caso de ganhos, eles são substanciais. No caso de perda, são limitadas ao valor que apostamos.

Dependendo de suas possibilidades e patrimônio pessoal, acredito que uma aposta entre R$ 1.000 a R$ 10.000 seja completamente factível e que em caso de perda, tal valor seja pequeno o suficiente para não impactar significativamente seu futuro. Claro que ninguém gosta de perder, mas neste caso específico, acredito que as chances de lucro são muito maiores do que as de perda.

O que fazer:

Comprar entre 1% a 5% do seu patrimônio pessoal de investimentos em Bitcoins.

Se você tem R$ 100.000 em investimentos, compre R$ 1.000 só para ver como funciona. Se você só possui R$ 10.000 investidos, compre R$ 100 ao menos para estar por dentro deste assunto.

Como fazer:

Vou escrever um relatório em breve explicando o passo a passo de como funcionam os Bitcoins e como comprar e armazenar de forma segura suas moedas virtuais. Há uma série de questões importantes de segurança que exigem certo conhecimento para evitar perdas e fraudes, mas não é nada que pessoas que saibam ler e escrever não consigam compreender. Se você consegue ler e entender o que estou escrevendo aqui, você está apto a comprar suas primeiras Bitcoins.

Enquanto o relatório não sai (e pode demorar um pouco), fico disponível para auxiliar pessoalmente um a um. Não vai ser para todos, infelizmente, visto que meu tempo é limitado, mas entre em contato para agendar um horário e veremos o que dá para fazer.

Nesta consulta conseguiremos cobrir o conhecimento básico necessário para realizar a compra de Bitcoins aqui no Brasil, entender o funcionamento das empresas envolvidas nesta transação, aprender como armazenar suas moedas digitais em uma carteira eletrônica diretamente no seu computador ou telefone celular (de forma provisória), como fazer pagamentos (minha hora técnica será paga nesta ocasião, diretamente em Bitcoins), e finalmente como armazenar seus Bitcoins em uma “carteira de papel” bem mais segura do que as carteiras acessíveis pela internet.

Não se preocupe com os termos que não foram compreendidos, vou explicá-los um a um na nossa conversa particular.

Explicação um pouco mais detalhada:

O Bitcoin é uma moeda virtual que possui uma quantidade máxima limitada em circulação por definição técnica. É a moeda virtual de destaque, foi a primeira e é a que até agora mais vingou no mercado. Entre as moedas virtuais, o Bitcoin é o “dólar”, reconhecido e aceito por todos.

Diferente de moedas tradicionais emitidas por países, não há um banco central para as Bitcoins. Todos são co-responsáveis pelo funcionamento do sistema, e a saída de uns ou outros não impacta a continuidade, ou seja, é totalmente descentralizado e sem entidades que a controlem, com seu funcionamento sendo mantido por consenso entre os participantes do sistema.

O Bitcoin permite coisas que o sistema financeiro tradicional não permite. Uma das frases famosas relacionadas à moeda digital é “seja seu próprio banco.” Ou seja, o Bitcoin permite que você tenha controle sobre seu dinheiro. É como armazenar ouro em casa, mas sem os empecilhos logísticos que o metal impõe.

Com o Bitcoin, você pode comprar a moeda digital na Europa, pagando em euros, e logo depois vender no Brasil, recebendo em reais. Tudo isso sem taxas de transferência enormes cobradas pelos bancos, até porque você faz isso completamente sem intermediários bancários. Tudo simples, tudo rápido. Porém, não pense que isso seja um convite para a lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Para comprar Bitcoins você precisa se identificar devidamente perante a bolsa de negociação entre quem deseja vender e quem deseja comprar, então tanto na Europa, quanto no Brasil, para ficar apenas neste exemplo, você teria que se identificar em ambos locais, identificando a fonte do dinheiro. Claro que há alternativas para comprar seus Bitcoins diretamente de pessoas físicas, sem passar por exchanges registradas, mas vamos nos manter nas alternativas mais simples para os exemplos aqui.

A medida em que mais pessoas começam a se dar conta destas possibilidades, e acima, só listei uma delas, mais e mais gente passa a ter interesse em utilizar esta moeda. E como sua quantidade é limitada, com maior procura, temos junto mais valor.

Então a situação é simples. Faça sua aposta. Invista um valor que não lhe cause desconforto muito grande de por acaso for perdido. E prepare-se se os prognósticos de quem conhece este assunto e já lucrou muito até agora estiverem certos. Sua fortuna pode estar a poucos anos de distância. Só depende de você dar os passos necessários.

Mais uma vez, fico disponível para auxiliar pessoalmente um a um. Dado o limite de tempo que tenho disponível, entre em contato para agendar um horário e veremos o que dá para fazer. Em uma hora conseguimos cobrir o conhecimento básico necessário para realizar a compra de Bitcoins aqui no Brasil, entender o funcionamento das empresas envolvidas nesta transação, aprender como armazenar suas moedas digitais em uma carteira eletrônica diretamente no seu computador ou telefone celular (de forma provisória), como fazer pagamentos (minha hora técnica será paga nesta ocasião, diretamente em Bitcoins), e finalmente como armazenar seus Bitcoins em uma “carteira de papel” bem mais segura do que as carteiras acessíveis pela internet.

Não se preocupe com os termos que não foram compreendidos, vou explicá-los um a um na nossa consulta.

Boa fortuna para você.

Letras miúdas, não tão miúdas:

Como já escrevi acima, investir em Bitcoins é uma coisa nova, sem nenhuma garantia de que vá trazer lucros, e que pode inclusive implicar na PERDA TOTAL DO VALOR INVESTIDO, seja porque este mercado deixe de existir do dia para noite, seja por erros no uso ou manuseio de seus recursos digitais ou perda de senhas de acesso, ou por qualquer outro motivo não previsto aqui. Só invista se estiver consciente disso. Não me responsabilizo por suas decisões. Lembre-se de que se “você é o seu próprio banco,” isso significa que você é o responsável por proteger seu dinheiro.

Por que vou vender meu iPad?

Enquanto estava morando nos Estados Unidos ao longo dos últimos meses, me deparei com um texto muito interessante do Peter Bregman em que ele explicava por que tinha devolvido o iPad pouco mais de uma semana depois de o ter comprado. O texto dele, em inglês, pode ser lido em “Por que devolvi meu iPad“.

A seguir descrevo meus motivos para pensar em vender o iPad. Muitos, são exatamente os mesmos que o Peter cita no texto dele, então se você leu o texto original, não estranhe as semelhanças. Sobre a originalidade das idéias, o texto do Peter é de junho deste ano, e eu já havia discutido este assunto com um amigo ainda em dezembro do ano passado, quando efetivamente vendi meu iPad original. O iPad que vou vender agora é um iPad 2, comprado para uso exclusivo enquanto morava nos Estados Unidos e precisava de uma conexão 3G sem plano de dois anos.

O principal motivo que me leva a pensar em vender o iPad 2 e em ter efetivamente vendido o iPad original que possuía não é um problema específico do equipamento. O principal problema é comigo. Eu carrego o iPad para tudo que é lugar. Faço isso dentro de casa e praticamente sempre que saio e imagino que possa haver algum motivo para usa-lo. Ele é pequeno, fino e leve, se estou com uma bolsa ou mochila para levar outras coisas que precise quando saio, ele está lá também.

Eu leio e respondo meus emails. Mesmo o teclado virtual na tela é bom o bastante para responder emails não tão longos. Eu escrevo alguns artigos diretamente nele, entre escrever no iPad e escrever no iPhone, não há comparação. As vezes penso em escrever apenas uma idéia, mas os pensamentos vão fluindo e quando vejo tenho um texto inteiro praticamente pronto. Eu leio as notícias, eu leio sites e blogs, eu tuito e acompanho o que meus amigos fazem no Facebook. E eu mostro o iPad para todo mundo que demonstre interesse. Mostro com orgulho, como se possuí-lo me colocasse em um time de vencedores. Não sei porque. Não o criei, apenas sou mais um dos milhões de usuários.

O problema do iPad é que ele é simplesmente muito bom. Ele é fácil, acessível. Muito fácil e muito acessível. Quando acordo, vou para a sala, sento na minha poltrona confortável e fico recebendo os raios de sol da manhã, para acordar bem. Enquanto isso, vejo as primeiras notícias do dia, o que aconteceu no twitter durante a noite, as últimas atualizações dos meus amigos no Facebook, suas fotos, o que leram e indicaram a leitura, centenas de novos artigos nos blogs que acompanho os RSS, meus emails (só leitura, para responder depois). E quando vejo, são 11h da manhã e ainda não fiz nada de produtivo, apenas li, reli, bisbilhotei, mas não escrevi, não respondi emails, não produzi.

Quando penso em fazer algo mais produtivo, sempre tem alguma coisa nova aparecendo em um dos diversos aplicativos do iPad. E quando não tem nada em nenhum deles, tem o processo de carregar cada um novamente, em rotação, para ver se alguma novidade surge de repente. E tem os vídeos, não vamos esquecer dos vídeos. Sejam os que coloquei no iPad para ver depois (e olha a oportunidade justamente neste momento), seja através do Youtube.

E o problema não termina na manhã. Alguma hora eu largo o iPad e o dia passa a ser produtivo. Quando entro neste fluxo de produção, é uma tarefa atrás da outra. Quando saio de casa e estou errante, emails são respondidos na fila do banco, cotações são verificadas enquanto aguardo minha consulta no oculista, um audiolivro é escutado ou alguns capítulos de um livro lidos enquanto tomo um café na padaria próxima do escritório. À noite, sempre dá para mais uma espiadinha no twitter antes de dormir, ou assistir um episódio de algum seriado já na cama. E quando vejo, lá se vão 2h da madrugada. Depois de algumas horas, estou entretido e cansado, mas estou melhor? Não seria melhor dormir sete horas em vez de cinco?

O fantástico do iPad é que ele é um dispositivo para toda hora, todo lugar. No ônibus, aguardando o elevador, no carro quando não estamos dirigindo ou aguardando o sinal abrir. Todo momento é uma oportunidade de usar o iPad. O iPhone pode fazer mais ou menos o mesmo, mas quem deseja assistir um filme na cama na telinha de um iPhone?

Então porque isto é um problema? Parece que sou superprodutivo. Cada minuto extra estou ou produzindo, ou consumindo informações. E aqui entra a parte que o Peter trouxe a tona em seu artigo e que não tinha me dado conta antes. Há uma coisa muito importante que estava perdendo com o uso do iPad. Algo crítico e valiosíssimo.

Tédio.

Daqui em diante, basicamente traduzo o texto do Peter Bregman, apesar de só traduzir o que funciona da mesma maneira para mim, usando meus exemplos pessoais.

Ficar entediado é algo precioso, um estado mental que devemos perseguir. Uma vez que estejamos entediados, nossa mente começa a viajar, procurando por algo excitante, algo interessante para focar. E é aí que a criatividade aparece. Minhas melhores idéias vem quando estou sem fazer nada. Quando estou caminhando pela rua, mas não estou ouvindo música no meu iPod. Quando estou esperando por alguém. Quando estou deitado na cama aguardando o sono chegar. Estes momentos “perdidos”, momentos sem nada específico sendo feito, são vitais.

Eles são os momentos em que nós, inconscientemente, organizamos nossas mentes, fazemos sentido de nossas vidas e conectamos os pontos. Estes são os momentos em que falamos com nós mesmos. E nos escutamos.

Perder estes momentos, substituí-los por tarefas e eficiência, é um erro. O pior é que não apenas os perdemos. Nós ativamente os jogamos fora.

“Este não é um problema do iPad”, os amigos dizem. “É um problema contigo. Simplesmente não o use tanto.”

É isso. O problema é comigo mesmo. Eu não consigo não usá-lo se ele está alí, disponível. E infelizmente, ele está sempre ali. Então eu o vendo. Problema resolvido.

O bom de ter passado por isso é que o iPad me ensinou o valor do tédio. Claro que já tinha lido isso e me identificado com muitas das idéias do livro “O Ócio Criativo”, do Domenico de Masi. Por mais que a leitura tenha sido boa, a experiência prática sempre nos marca mais forte. E agora estou mais consciente em usar estes momentos extras, o tempo entre as coisas, o tempo da caminhada, do ônibus e da espera, para deixar minha mente viajar. Viajar e criar.

Porque vir ao Japão?

Próxima parada, Hawaii! Loja de usados no Japão tem de tudo, tudo mesmo!

Porque viria ao Japão foi a pergunta que eu mais escutei no Brasil quando falei para as pessoas próximas que estava vindo para cá. O Japão é visto no Brasil como algo distante e fora do alcance das pessoas comuns. Talvez eu seja incomum 🙂

Para quem gosta de novidades tecnológicas como eu, seria muito fácil justificar vir ao Japão para conhecer de perto o berço das mais avançadas tecnologias, mas com o mundo globalizado que temos atualmente, tudo que existe por aqui pode ser facilmente obtido através de importação ou compra direta pela internet. Até mesmo o problema da língua é facilmente resolvido com os sites ou navegadores que traduzem tudo automaticamente. Além disso, vamos morar na Califórnia dentro de um mês, no coração do Silicon Valley… Então, não vim ao Japão somente pela tecnologia.

Poderia dizer que admiro a cultura japonesa, o espírito zen, o método para tudo, as soluções engenhosas para os pequenos problemas diários. Tudo isso é verdade, mas não seria o suficiente para justificar uma viagem tão longa. Poderia ainda falar dos templos, castelos e jardins que visitaria, mas não vim aqui para isso também, mesmo que no final das contas acabe visitando um ou dois lugares desse tipo.

Vim ao Japão para aprender.

Há anos invisto o que ganho buscando a formação de patrimônio para viver uma vida próspera, longa e tranquila. Minha esposa e eu adoramos viajar, adoramos conhecer novas culturas e principalmente conhecer novas pessoas. Esta viagem ao Japão nos proporcionaria tudo isso.  Em relação a uma cultura diferente do que a que estamos acostumados, não há o que falar. Tudo no Japão é diferente do que estamos acostumados. Sobre a questão do passeio, não imagino viagem mais longa e mais cheia de desafios e novidades, com cada desafio servindo de oportunidade para o crescimento pessoal. A sensação de nos sentirmos analfabetos até mesmo para as coisas mais simples, como comprar algum produto no supermercado ou escolher a comida em um restaurante, também é oportunidade impar de crescimento pessoal. É nas novas pessoas que conheceríamos, no entanto, que estava meu maior interesse.

Nestes sete dias em que estamos aqui já conhecemos e conversamos bastante profundamente sobre sonhos, ideais e objetivos de vida com quatorze casais diferentes. Com todos já marcamos uma segunda conversa, pois a primeira acaba sendo um mar de informações que leva um certo tempo para digerir. Não é fácil resumir nove anos de conhecimento em um bate papo, mesmo que com alguns esse bate papo tenha durado SETE HORAS! O ritmo está bastante intenso, estamos acordando as 6h da manhã e dormindo depois das 3h da madrugada. Devido ao fuso horário, passamos manhã, tarde e noite conversando com o pessoal daqui, e o fim da noite e início da madrugada tocando os negócios que continuam rodando no Brasil. As coisas estão corridas, mas não tão corridas quanto descobri ser a rotina dos brasileiros guerreiros que vivem aqui.

Qual é a rotina de um dekassegui no Japão?

É impressionante a energia das pessoas que conheci aqui. Ativos, cheios de sonhos e vontade de crescer. Queridos demais, atenciosos demais, receptivos demais. Estamos nos sentindo totalmente em casa, com pessoas que acabamos de conhecer, mas que em poucos minutos parecem ser amigos de infância. Todos ávidos por nos mostrar todas as novidades, cozinhar para nós, preparar petiscos, apresentar comidas e produtos diferentes.

Em Kameyama, a montanha da tartaruga, cidade próxima de Suzuka e Nagoya, a principal atividade para os brasileiros que moram aqui é o trabalho na fábrica de LCDs da Sharp. Em todo o planeta, apenas três ou quatro empresas possuem a tecnologia de fabricação de telas LCD. Não interessa a marca de seu monitor ou TV, certamente a tela será de um destes fabricantes. A fábrica só contrata casais, então todos com que converso aqui estão construindo os futuros de suas famílias.

A quantidade de trabalho é imensa. Não imensa no sentido de que há trabalho para todos que desejam vir para cá, mas imensa na quantidade de horas trabalhadas e no ritmo necessário para dar conta do trabalho. Isso sem falar da troca semanal de turnos. Como o trabalho no turno da noite paga mais, para manter a justiça nos valores recebidos, toda semana há troca de turno entre os que trabalham de manhã e a noite. Isso quer dizer que uma vez por semana há o equivalente a uma viagem internacional para cada casal, pois deixam de trabalhar em um turno e passam a trabalhar em outro. Os primeiros dias da troca de turno são cruéis, de-lhe Red Bull para manter os olhos abertos. Nos últimos dias, com o corpo mais acostumado, a coisa é tranquila, mas então é hora de se preparar para a troca da semana seguinte. Os turnos são de 12 horas, com três intervalos de 20 minutos e um intervalo para alimentação de 40 minutos. Alguns dias há a “virada seca”, onde trabalham em um turno e já emendam outro, 24 horas seguidas. A fábrica é meio bagunçada na questão dos horários, acontece de chegarem lá e não haver material para o trabalho, mandando alguns para casa.

O dia de folga é usado para descansar ou passear um pouco. A cidade é bem interior do Japão, não há muito o que fazer. Todos com que conversei possuem carro, que são muito baratos em relação ao que custam no Brasil. Um mês de salário paga um carro. Dois meses para pegar um típico esportivo japonês. Mitsubishi Lancer Evolution, Subaru Legacy B4 com motor boxer bi-turbo, Sylvia S13… Aqui se acham todos os modelos famosos. Os apaixonados pelo filme “Velozes e Furiosos” iriam delirar. Em Suzuka há um shopping bastante grande e um supermercado enorme, sem contar a matriz da Honda. Claro, não preciso citar o autódromo que leva o nome da cidade 🙂 Nagoya fica relativamente próxima, há pouco mais de uma hora.

O que aprendi aqui?

O Japão ainda é um mar de oportunidades para os brasileiros que conseguem vir trabalhar aqui. O dinheiro que se ganha trabalhando nas fábricas é enorme em comparação com o que poderiam ganhar no Brasil. Vivendo relativamente bem (descontado o ritmo do trabalho) e com os confortos que o país oferece em termos de bens de consumo, é possível para um casal economizar entre R$ 50.000 a R$ 100.000 por ano. Para isto, no entanto, é necessário foco. As possibilidades de gasto do dinheiro suado para ganhar são muitas.

As histórias que ouvi nestes dias são muito parecidas, cada uma com suas particularidades, mas no geral, convergindo para alguns poucos padrões. Quem vem para cá inicialmente possui um ou dois objetivos básicos, comprar a casa própria no Brasil e juntar dinheiro para começar algum negócio ou investimento na volta. Ao chegar aqui, as facilidades de consumo as vezes pesam um pouco nas decisões. Carros velozes e equipamentos eletrônicos custam uma pequena fração do que custam no Brasil. Um Honda Fit com alguns anos de uso, impecável em sua manutenção, por R$ 5.000. Um esportivo dos sonhos pelo mesmo valor. Um carrinho pequeno, daqueles compactos que só vi por aqui, motorzinho 0,6l, usadinho em bom estado por R$ 1.500.

Gastar o dinheiro e passar a viver a vida japonesa as vezes se torna a maneira de amenizar o peso do ritmo maçante do trabalho. Dá para trabalhar menos e juntar dinheiro, pegando empregos um pouco melhores em relação aos horários, mas evitando o consumo ao máximo. Uma coisa que notei foi a grande quantidade de pessoas que estão aqui pela terceira ou quarta vez, justamente por conta de, ao voltarem para o Brasil, baixarem o ritmo de trabalho, fazerem sobrar mais tempo para pensar e se dar conta de que lá, não conseguirão ganhar o suficiente para levar uma vida parecida em termos de conforto material com a que tinham no Japão. Então voltam, pensando maior. Agora, não querem apenas a casa própria, muitas vezes já comprada da primeira vez. Querem o suficiente para resolver de vez a vida na volta.

Só que apesar de ser muito “fácil” (só vivendo a rotina daqui para ver o quão duro é) guardar uma boa quantia de dinheiro em poucos anos (já escrevi antes, entre R$ 50.000 a R$ 100.000 por ano, por casal), esta quantia não é suficiente, no Brasil, para resolver definitivamente o futuro em nosso país. Então, faz-se necessária uma estratégia.

Um plano de independência financeira para brasileiros trabalhando no Japão!

Esta viagem me proporcionou uma experiência de vida incrível. Como não vim a passeio, mas sim, para me integrar ao máximo na rotina dos brasileiros que vivem aqui, pude sentir, em poucos dias, parte do que eles vivem, sentem e sonham. Os sonhos dessas pessoas são semelhantes aos meus próprios, com a diferença dos caminhos e escolhas. Enquanto eles buscaram primeiro uma maneira de ganhar muito dinheiro e agora buscam uma estratégia para fazer este dinheiro que ganham crescer de forma acelerada, eu fiz o oposto, estudei e testei na prática as melhores formas de fazer o dinheiro crescer, otimizando ao máximo os pontos de lucro e estruturando os negócios para que não precisassem nem de grande conhecimento para investir, nem de muita dedicação de tempo, nem da presença física.

Buscando o que desejava para mim, acabei descobrindo os investimentos ideais para toda pessoa que deseja investir e fazer seu dinheiro crescer de forma acelerada, com segurança extrema, e sem precisar cuidar de milhares de detalhes. Funciona de maneira absolutamente simples, mas exige um tempo de maturação semelhante ao tempo médio que estes brasileiros aguentam o rítmo de trabalho aqui no Japão. Quatro ou cinco anos parece ser o período em que o pessoal que está aqui começa a falar para si mesmo: “preciso voltar, não aguento mais isto aqui”. Aplicando meu plano por este período, é possível voltar ao Brasil com dinheiro suficiente para não se preocupar com dinheiro pelo resto da vida.

Infelizmente para a maioria dos que já estão aqui há alguns anos e não possuiam um plano como o que desenhei para tornar isto possível logo que vieram para cá pelo primeira vez, isto significa que para conseguirem aplicar tal plano de forma completa precisem ficar uns anos a mais do que gostariam. Tendo vivido no ritmo deles, sei o quanto isto é difícil. Espero facilitar muito a vida dos futuros brasileiros que desejam seguir este caminho ao permitir que já saiam do Brasil com um plano completo para a conquista de suas independências financeiras. Para os que descobriram meus métodos apenas hoje, desejo força e esperança para mais uns anos de esforço que certamente serão totalmente recompensados com um futuro tranquilo, feliz e confortável, de volta ao Brasil em poucos anos.

Nos próximos dias estarei explicando o plano que desenhei pessoalmente para cada casal com que conversei. Quando voltar ao Brasil, escreverei em detalhes o funcionamento disto tudo para que mais pessoas possam se beneficiar deste conhecimento. Agradeço enormemente a todas as pessoas maravilhosas que conheci aqui no Japão e também as que ainda irei conhecer nos próximos dias. A experiência de vida de vocês me proporcionou uma série de idéias que tenho certeza irão ajudar muitos outros brasileiros que sonham em fazer o que vocês estão fazendo. Mais uma vez, obrigado. Vejo vocês no yasumi!

Ciclos do mundo e os sites de compra coletiva

Introdução.

O mundo é um lugar divertido. Vivemos dias de altos e dias de baixos. Dias em que tudo parece dar certo e dias em que nada funciona. Hoje é para mim um daqueles dias em que tudo o que fizemos até então parece ter atingido algum sentido. Me deu vontade de contar algumas histórias. Já citei isso antes, escrever é a maneira que uso para ordenar as idéias que estão fervilhando na cabeça neste momento, ao mesmo tempo em que permito que outras pessoas me ajudem fornecendo suas opiniões sobre o assunto, enriquecendo a discussão. Ajudo e sou ajudado, tudo ao mesmo tempo.

O importante para mim, o que mais precisamos interiorizar, é que o mundo é cíclico. Aquilo que vivemos em determinado momento, irá acontecer novamente. A história nos mostra isso com vários exemplos. O que contarei aqui é um deles. Claro que as coisas não acontecem exatamente como aconteceu anteriormente, mas as histórias se repetem de forma magistralmente iguais. Aproveitam as oportunidades quem está preparado quando elas se apresentam. Aproveitam as oportunidades, quem já as perdeu anteriormente, quem sabe porque perdeu alguma grande oportunidade, e se preparou para a próxima onda. Algumas coisas possuem um degrau de entrada maior, outras menor, mas mesmo isso, depende basicamente em saber como resolver o problema do degrau. Precisa de conhecimento? Estude ou conheça pessoas que saibam do assunto. Precisa de dinheiro? Economize muito ou estude formas de levantar capital para quando a oportunidade surgir. Se você estiver preparado, com o conhecimento para aproveitar uma oportunidade, dinheiro se consegue facilmente.

Para ilustrar o que acabo de escrever, leia a história da criação da máquina fotográfica, a inovação que era na época, as dúvidas e críticas que ela gerou na sociedade que ainda não sabia como reagir àquela novidade. Compare agora com a história dos primeiros carros. Avance alguns anos, compare com os primórdios da história da computação. Volte no tempo, estude a invenção e popularização da TV. Volte mais um pouco, faça o mesmo estudo sobre o surgimento do rádio. Todas refletem exatamente a mesma história, mudam apenas os personagens de cada uma.

Falei somente de grandes invenções, mas isso é válido para as pequenas. Focando na internet, começamos com o surgimento da mesma, a necessidade de acesso e como foi solucionada. O aparecimento dos portais, o acesso grátis, a banda larga. Analise como as empresas do setor se movimentaram e como tudo se encontra atualmente. Quem são os grandes? Como chegaram a isso? Caminhando um pouco no tempo, estude o aparecimento dos sites de leilão online. Quem sobrou atualmente? E os grandes sites de compra? Alguém falou Amazon? Submarino? Americanas? Que tal falar dos blogs? Quais se tornaram negócios lucrativos? Porque? É aí que gostaria de chegar. Hoje, sei porque tudo isso aconteceu. Olhando um novo mercado, basta examinar os movimentos de certas empresas para saber quais estão caminhando ao sucesso e quais irão dar com os burros n’água. E isto nunca tem relação a quanto dinheiro possuem ou qual tecnologia é melhor. Vejo o caso do Betamax se quiser um exemplo disso, ou do iPod original se buscar um exemplo mais recente.

1996-1999 – Minha primeira empresa.

Há pouco mais de 14 anos montei um dos primeiros provedores de acesso discado no RS, com mais cinco amigos. Naquela época, era um guri recém saído da faculdade, com muitas idéias na cabeça e pouca experiência prática. Sem saber, estava no olho do furacão da inovação, estava fazendo o que nenhum outro fazia. Estava no topo da onda tecnológica que iria dominar os anos seguintes. O problema é que estava lá por conta da minha busca por inovação, mas meus conhecimentos de mercado eram nulos até então. Desta forma, vi, uma atrás da outra, várias oportunidades passarem. Perdi todas. Aprendi com cada uma dessas perdas.

Vamos voltar alguns anos nesta história. Era um estudante de computação, com algum acesso à internet na faculdade. Naquela época simplesmente não havia acesso privado à rede, logo, quando saísse da faculdade iria perder essa diversão. Se por um lado era diversão, por outro já era uma fonte de informação fantástica. Grupos de discussão permitiam que tivessemos acesso a informações muito antes dos que não dispunham desta ferramenta. Era uma maneira diferente de estudar. Pensar isto hoje é fácil, naquela época, era inovador, era estar a frente de seu tempo. Para um jovem nerd meio anti-social, dava um certo sentido a vida saber que, de alguma forma, sabíamos um pouco mais que os outros.

Tinha um problema a resolver, como conseguir conexão à internet. Quando pensei que havia achado a solução, outro problema apareceu. Descobri um projeto da faculdade federal em que alunos da mesma estavam oferecendo acesso à rede, durante a fase de testes, de forma gratuita. Fui até lá e descobri uma fila de espera de 3000 pessoas.

  • Quantos vocês estão conseguindo atender mensalmente?
  • Por volta de 300 pessoas.

Nem que o mundo parasse de girar eu iria esperar 10 meses para conseguir meu acesso à internet. Diante de um problema… Conversei com alguns amigos que tinham os mesmos desejos, montamos um plano básico que listava as necessidades de hardware, software, contratos de conexão e aluguel de linhas telefônicas, verificamos quantos clientes precisavamos para tornar o negócio possível e assim começou a Opensite. Um anúncio no jornal e a propaganda boca a boca dos amigos foi tudo que precisamos para atingir o equilíbrio necessário para manter a empresa.

Alguns sócios se dedicavam em tempo integral ao negócio, outros em tempo parcial, mantendo seus empregos. Com o passar dos anos, os primeiros foram adquirindo a participação dos outros. Resumir quatro anos em um só parágrafo é algo complicado, aprendemos muito, perdemos muitas oportunidades, participamos de vários projetos interessantes a medida em que o mercado se ajustava às novas necessidades. No final das contas, acabamos perdendo a empresa ao tentar fazer sociedade com picaretas travestidos de investidores. Culpa exclusivamente nossa, que erramos ao avaliar com quem estávamos nos associando e que poder sobre o nosso negócio estávamos dando a eles. Nossos clientes? Estes foram salvos. Um concorrente da época recebeu-os feliz da vida, de presente, enquanto a empresa mudava a forma de atuação e destruía o que havíamos levado anos para construir.

Uma curiosidade final. Abrimos o primeiro provedor com acesso gratuito do país, três dias antes do lançamento do iG. Não muito mérito meu, que só estava no lugar errado, com as pessoas erradas, mas na hora certa para poder colher esta frase: fundador do primeiro provedor grátis do país. Só não sabíamos como gerar lucros, o que foi o golpe fatal para a empresa.

2000 – 2001 – Um novo horizonte.

Acaba uma empresa, surge um convite. Gerente de tecnologia de uma startup de internet. Seria um portal de negociação de commodities agrícolas, interligado diretamente com a bolsa de mercadorias de Chicago. Era uma espécie de NASDAQ das commodities agrícolas. Tudo ía bem até a bolha da internet explodir nos EUA. Com parte do dinheiro vindo de lá, as coisas complicaram por aqui. Os salários atrasaram vários meses, os ânimos estavam baixos, os prazos de entrega estouravam constantemente. A queda das torres gêmeas foi o golpe de misericórdia. Foram dois anos rápidos, mas de extremo aprendizado. Conviver com um CEO forte, conhecer o mercado de VC e de angel investors, tudo isso abriu um mundo de conhecimento que antes simplesmente não existia. O Silicon Valley, antes disso, era apenas um local onde havia inovação tecnológica, não tinha o conhecimento da teia de negócios que existia por trás de cada empresa, da cultura do venture capital que o vale possuía. Os anos seguintes foram dedicados a aperfeiçoar este conhecimento de negócios. Como dizia o presidente Woodrow Wilson em relação aos EUA, adotei para mim a frase: “meu negócio são os negócios.”

2002 – 2008 – Um empreendedor renasce das cinzas.

Sem emprego e sem vontade de arranjar um, reiniciei minha empresa de internet. Usei o nome fantasia que haviamos dado para a parte mais empresarial do negócio anterior. Na época do provedor de acesso, chamávamos este de Opensite e ao serviço de hospedagem de sites de Openweb. Com este último nome iniciei uma nova empresa focada apenas na hospedagem de sites, deixando o acesso discado e a banda larga de fora.

O início foi relativamente difícil, houve momentos em que não sabia como iria pagar o condomínio do prédio onde morava. Vale lembrar que antes desse recomeço havia ficado seis meses sem receber salário, tendo consumido todas minhas reservas. Comprar uma moto Harley-Davidson antes de ter os atrasos no salário também não ajudou muito 🙂

Voltar para a casa dos pais estava fora de cogitação, não por eles, mas por mim. Sabia que se passasse por este desafio e o resolvesse com meu conhecimento e trabalho, nada mais me deteria. Alguns bicos e pequenos trabalhos de manutenção de computadores, junto com os parcos ganhos do provedor e o desenvolvimento de alguns sites para os novos clientes, ajudaram a passar de forma não tão traumática por esta fase de aperto.

Os anos seguintes foram relativamente tranquilos. Atingimos velocidade de cruzeiro, nos acostumamos em determinada zona de conforto que não era grande coisa, mas também não era tão ruim assim. O problema é que o coração de um empreendedor não aguenta muito tempo no conforto e tranquilidade. Montamos novos negócios, iniciamos novos serviços, testamos novas idéias. Algumas coisas deram certo e hoje fazem parte do portfólio de serviços da Openweb, outras descartamos. Tivemos problemas com sócios em outros negócios que iniciamos, problemas diferentes dos primeiros, o que significava mais aprendizado.

Na vida pessoal, iniciei meus investimentos em consórcios que no futuro se tornariam os investimentos imobiliários que possuo hoje. O problema é que desde que incorporei a mudança da mente técnica para a mente de negócios, não conseguia mais aceitar aquela zona de conforto em que me encontrava. Ao mesmo tempo, sabia que não eram todos que estavam prontos para inovar constantemente para se manter sempre na crista da onda. Queria iniciar negócios em outras áreas, já havia feito pequenas incursões com sucesso. Era a hora de expandir os negócios, dar um passo para trás para poder então dar dez passos para a frente. Em 2008 vendi minha parte da sociedade para meu antigo sócio na Openweb, com uma proposta que sabia ser inegável. Propus que me pagasse ao longo dos dois anos seguintes, usando para isso pouco mais do que eu retirava mensalmente como lucro da empresa. Na prática, a própria empresa iria me pagar, mas teria dois anos de rendimentos estáveis para poder me dedicar aos outros negócios sem preocupações com as contas mensais e sem precisar mexer no meu patrimônio já adquirido.

2008 – 2010 – Um novo negócio, um novo setor.

Já possuía minha empresa de venda de consórcios desde 2005 e já ajudava amigos que queriam investir da maneira como eu estava investindo com textos explicativos desde 2003, mas somente a partir da minha saída da Openweb é que a Megacombo se tornou o centro das minhas atenções. O crescimento neste últimos dois anos foi de mais de 10 vezes do que era no início, tudo isso sem aumentar a estrutura (apenas eu, meu computador e uma gaveta-arquivo para guardar os papéis da empresa). Da maneira que estruturei a empresa, posso trabalhar em qualquer lugar do planeta, precisando apenas do meu notebook e uma conexão de internet para tocar meus negócios.

Ao longo destes dois últimos anos conheci outros investidores da área imobiliária, formei parcerias, investi em novos empreendimentos, testei outras modalidades de investimento imobiliário, analisei muitos casos de leitores dos meus sites, acompanhei os investimentos de amigos, enfim, vivi intensamente esta realidade. Já fazia isso antes, mas os dois últimos anos foram realmente intensos. Hoje, sou considerado um dos maiores especialistas no assunto investimento imobiliário, mas sei que ainda há muito o que aprender e devo muito do meu sucesso aos excelentes parceiros com quem toco meus negócios. Os erros que cometi em relação às sociedades anteriores me tornaram mais apto a formar parcerias muito mais eficientes e sociedades muito mais fortes.

As coisas estão acontecendo de forma bastante acelerada, aquela acomodação na zona de conforto não existe mais desde metade de 2008. Como meu negócio imobiliário envolve intensamente a internet como meio de identificação com meus futuros clientes, não deixei de estar presente também neste meio, mantenho em dia todos os meus contatos nas empresas de TI e nas notícias e novidades do setor, atuando como consultor informal para uma série de amigos e empreendedores que podem se beneficiar dos meus conhecimentos acumulados.

Até agora, não tornei este conhecimento do setor um negócio próprio. Ainda é algo que faço por paixão. Ao mesmo tempo, os empreendedores que tenho ajudado com meus conhecimentos são aqueles que estão na fase que eu estava em 1996, quando comecei meu primeiro negócio. Mesmo que quisesse cobrar algo deles, não estão em condições de pagar coisa alguma. Ajudar esta gurizada com informações, sugestões de leitura, orientações sobre sociedade, pessoas e mercados, me coloca em sintonia com estas novas gerações. E são estes jovens e esta geração Millenium que irá gerar a próxima onda de mudança no mundo, da mesma maneira que os baby boomers mudaram o mundo a partir dos anos 60. Mais cedo ou mais tarde, estes jovens chegarão à constatação de que o conhecimento que trago para seus negócios possui um valor inestimável, pois traz velocidade e foco no que dá certo, os faz economizar tempo e frustração. É uma geração ansiosa esta. Entender isto e facilitar seus caminhos é minha forma de fazer parte desta nova revolução. Ajudar a abrir as portas que eu mesmo não sabia abrir quando tinha a idade e os ideais deles é o caminho que escolhi para dar meu retorno à sociedade. Apesar de dizer que não faço isso profissionalmente, sou sócio de uma empresa especializada em montar planos de negócio e levantar capital para startups de TI. Não trabalho diariamente nesta empresa, sou apenas um dos sócios capitalistas na mesma, mas começar a me envolver no processo, tenho certeza, é mera questão de tempo.

2010 – Onde estamos? Qual é a onda do momento? Quanto tempo irá durar? Quem estará envolvido com isto?

Tudo que escrevi até agora não tem nada relacionado diretamente com o que escreverei a seguir, mas ao mesmo tempo, é totalmente ligado a isto, pois é minha história pessoal. Graças a esta história pessoal, cheguei às conclusões de onde estamos agora, qual a grande oportunidade deste momento e quem irá sair vencedor em relação a esta oportunidade. Podem haver muitos ganhadores, cada um, vencedor de acordo com seu nível de conhecimento.

Quanto a mim, tanto pode ser que me torne um dos maiores players envolvidos com isto, quanto pode ser que não me envolva diretamente com o assunto. A resposta que dirá se será uma ou outra coisa é resultado direto das ações tomadas por alguns dos possíveis leitores deste texto. Se as pessoas certas lerem até o final, se a conjunção dos fatores que acho serem necessários se formar, se conseguir juntar as pessoas certas com a compreensão do que está acontecendo neste momento no mercado, então estarei presente nisto.

Uma coisa é certa. Conheço diversas pessoas, em diversos setores distintos necessários para que o processo todo tome forma. O comprometimento de algumas dessas pessoas é fundamental para que me envolva com o assunto. O de outras, é consequência dos primeiros. O de outras ainda, pode acelerar o processo, mas não é essencial. Discorro a seguir sobre algumas coisas que estou observando. Infelizmente, sei que não conseguirei passar para o texto todas as relações mentais que estão rodando na minha cabeça.

Sites de comprar coletivas. Como funcionam, como ganhar com eles?

Não preciso dizer que os sites de compra coletiva são a onda do momento. Todos estão falando nisso, todos conhecem alguém envolvido com isso, todos ao menos conhecem alguém que já comprou desta forma ou no mínimo receberam um email convidando a participar. Todos já devem ter lido sobre o assunto em jornais ou revistas.

Se você vive dentro de uma bolha de vidro fosco sem acesso ao mundo externo, estes sites de compra coletiva são sites onde diariamente, ou semanalmente em alguns casos, uma oferta é realizada. Esta oferta pode ser uma pizza com desconto de 50%, por exemplo. Ou um tratamento estético com desconto de 90%. Tal oferta só é válida se uma quantidade mínima de pessoas a adquirir, viabilizando o conceito de ganhar pouco de cada cliente, mas ganhar com a quantidade.

Alguns estabelecimentos que anunciam suas ofertas desta maneira não pensam em obter lucro. Suas ofertas são mais baratas do que o custo de seus serviços. Quem age desta forma busca publicidade, busca tornar seu serviço conhecido por mais pessoas. Empresas com ótimos serviços e preços justos conseguem conquistar muitos novos clientes desta maneira. É uma forma barata de publicidade, pois apesar de receber pouco, recebem algo. Recebem mais do que se oferecessem uma prova grátis para novos clientes, por exemplo.

Elaborando um pouco, dá para oferecer descontos incríveis e ainda assim ter lucro. Pense em uma oferta de um prato em um restaurante onde quem comprou irá pagar pela bebida. Quem tomar refrigerante provavelmente não bancará o custo da oferta, caindo no caso do parágrafo acima, mas quem tomar um vinho, provavelmente já ajudará a equilibrar os custos. Ou pense em um restaurante onde um casal aproveita a oferta, mas convida um casal de amigos que não possuem o cupom de desconto. Empate técnico.

Para quem compra tais ofertas, não preciso listar as vantagens. Comprar algo que se deseja conhecer por menos que o valor normal. Experimentar um novo produto ou serviço, conhecer coisas novas. Ao se cadastrar em um site destes, novas ofertas chegam diariamente em seu email.

Apesar de eu achar que todos conheçam este assunto, um detalhe do funcionamento destes sites talvez não seja de conhecimento público: a forma como eles ganham dinheiro. A regra é simples: cobram entre 40% a 60% do valor recebido na promoção. Para um teste rápido de quanto isto representa, veja uma oferta recente, de um site que fez 10.000 vendas em um único dia, ao custo de R$ 19 cada uma, somente na cidade de Porto Alegre. O site em questão é o maior do setor em atuação no Brasil. Tem fila de espera de estabelecimentos querendo anunciar com eles para mais de seis meses. Possui anúncios diários e lista três ofertas diferentes a cada dia, para conseguir dar conta da quantidade de interessados.

Se apenas uma, de três promoções diárias gera R$ 190.000, dos quais 60% vão para o site que lista as ofertas, fica fácil entender a euforia que está tomando conta do mercado. Com números deste porte e uma barreira de entrada aparentemente muito pequena, não é a toa que já temos mais de 40 sites deste tipo espalhados pelo país. O sucesso é tanto, que começam a aparecer sites agregadores de ofertas. São sites que juntam em um só lugar as ofertas de vários sites deste tipo. Como faturam? Através de programas de afiliados dos primeiros ou comercializando seu tráfego de outras maneiras.

E agora? Como lucrar com isso?

Da mesma maneira que aconteceu com os provedores de acesso discado entre 1996 e 1999, o mercado será tomado por uma profusão de sites de compra coletiva. Alguns serão mantidos por vários anos, atuando em apenas uma cidade, com uma pequena carteira de clientes fiéis, mantendo seus proprietários felizes em suas zonas de conforto. Outros crescerão o suficiente para se tornarem interessantes para os grandes do setor. Serão comprados por valores relativamente altos, gerando o resultado que seus fundadores esperavam, um monte de dinheiro e a possibilidade de parar de trabalhar pelo resto da vida ou pelo menos por algum tempo.

Muitos acabarão no ostracismo e deixarão de existir. Apesar da barreira inicial de entrada parecer inexistente, ela não é tão trivial assim. Por um lado, qualquer programador mediano consegue programar um site destes em uma ou duas tardes de trabalho. Em uma semana é possível ter um site 100% funcional operando. Em um mês, dá para implementar todas as funcionalidades disponíveis nos sites mais elaborados. Por outro lado, um site destes não se resume à programação. Precisa de divulgação para atingir o público comprador das ofertas. Precisa de estrutura comercial para buscar as ofertas iniciais. Precisa de muitas outras coisas que não vem ao caso escrever agora.

Comunidades.

Compras coletivas envolvem diretamente o conceito de comunidade. É com surpresa que vejo o quão pouco os sites existentes não pensaram ainda nisto. Ao mesmo tempo também me surpreende o porquê das comunidades online espalhadas pela rede não terem se dado conta da oportunidade que as compras coletivas podem trazer a seus participantes, implementando alternativas próprias ou se associando às plataformas existentes. No caso das comunidades já existentes faz todo o sentido o foco em ofertas específicas, de interesse daquela comunidade.

Vou começar a jogar as idéias ao ar. Mais cedo ou mais tarde alguém se dará conta disso. Idéias existem aos montes, não valem nada sem execução. Durante anos achava que as idéias eram extremamente valiosas, escondia o jogo, não contava para ninguém as idéias maravilhosas que tinha em minha cabeça. Sabe o que aconteceu com a maioria destas idéias? As que eram realmente boas, acabaram sendo realizadas mais cedo ou mais tarde por pessoas de quem nunca havia ouvido falar. Quando uma idéia surge na cabeça de alguém, de alguma forma, em outro canto do mundo, alguém provavelmente estará tendo uma idéia parecida. Há muito tempo descobri que o que vale, mais do que as idéias, é a execução que damos a elas.

Se tenho mais idéias do que consigo executar pessoalmente, vou me dar ao luxo de listar algumas delas no meu site. Assim, alguém que reclama que não tem idéias de como montar um negócio, de como ganhar dinheiro, de que assuntos tratar em um blog, ficará sem desculpas para não agir. Daqui por diante, se eu der uma idéia genial para alguém aqui no site, fique a vontade para executar a mesma. Sem custos, sem me dever nada. Claro que se você executar uma das minhas milhares de idéias e quiser me dar um presentinho quando estiver milionário com seu negócio, não vou negá-lo 🙂

Voltando às comunidades, imaginem a Revista/Comunidade Papo de Homem com um sistema de compras coletivas próprio ou em parceria com um já existente. No caso de um site já existente, a PdH poderia filtrar apenas os anúncios de produtos que tivessem a ver com os leitores do site. Promoções de depilação definitiva? Nada a ver. Conhecer uma nova pista de kart e poder fazer isso pagando menos de 30% do valor original? Opa, pode mandar! A programação necessária para implementar este tipo de funcionalidade é ridícula.

Outro exemplo de quem poderia se beneficiar com isto? O portal Administradores. Acabo de visitar o site e sabe o que vi em um dos banners verticais? A propaganda genérica de um site destes. Olhei o link e confirmei ser uma propaganda do Google AdSense, ou seja, o site ganha alguns centavos quando alguém clicar no anúncio. Não seria bem melhor se ganhasse mais? Não teria muito mais cliques se os anúncios, em vez de genéricos, fossem otimizados para o público do site, os administradores? Empresas da área poderiam oferecer cursos, livros, palestras, webaulas, tudo para um público ávido por isto, a um custo ínfimo.

Os grandes portais, Terra, UOL, etc, também podem se beneficiar disto, anunciando as ofertas para seus leitores. Todos possuem mecanismos de identificação dos visitantes para entregar anúncios relevantes. Mais uma vez, caímos naquela simples classificação extra dos anúncios em categorias. Ganham os portais, ganham seus leitores. Um portal teria todo o potencial de agregar os anúncios de vários sites de compra coletiva, mostrando para cada visitante apenas os anúncios relevantes.

A programação disto é simples! Onde está o programador que fará uma rotina simples para ler os XML dos sites que já possuem esta funcionalidade, de maneira a qualquer um poder colocar um anúncio em seu site ou blog, agregando as ofertas dos diversos sites, mostrando apenas os anúncios que sejam relevantes para os leitores de seu nicho específico? O primeiro que fizer algo deste tipo me avisa, que coloco um link aqui.

Tenho que sair agora, gostaria de escrever mais, ainda há muitas outras idéias que não consegui escrever sobre esse assunto. Publico como está, aproveita quem quer, descarta quem não quer. Nos próximos dias, vou movimentar alguns pauzinhos, ver se consigo juntar as peças e mostrar para cada possível participante o tamanho do negócio que pode ser construído. As novidades que surgirem, vou publicando por aqui. Obrigado pela atenção se você leu até o final. Gostaria muito de saber o que você acha a respeito disso tudo e ouvir quaisquer idéias que possam tornar ainda melhor e mais completo um serviço deste tipo. Como eu escrevi antes, alguma hora todas as idéias ganham a luz do dia. Seja o primeiro a deixar registrada a sua, nem que seja para poder dizer: eu parei, pensei e tive esta idéia.

Por fim, se você é um programador e acha que um negócio destes é o seu futuro, que irá ganhar milhões com isso, mas antes de ouvir falar deste assunto nunca imaginou fazer algo do tipo, não perca seu tempo. Quem irá ganhar dinheiro com isso são vendedores que sabem movimentar estes negócios, não o pessoal técnico. Se você não tem vocação para vendedor, ou um sócio que a tenha, não perca seu tempo com isso. Ganhe dinheiro como faziam os espertos na corrida do ouro, lucre vendendo pás e picaretas. Desenvolva este tipo de sistema, não para sí, mas para vender para as centenas de pessoas que acham que poderão lucrar com isto. Vai por mim, não precisa nem saber vender, os compradores lhe encontrarão 🙂

Se você possui um site ou negócio que envolve uma comunidade de participantes, pense se um sistema fechado de compras coletivas para seus associados não pode ser um bom acréscimo no portfólio de produtos e serviços que você oferece a seus afiliados. Não precisa ser nada tão agressivo quanto as ofertas diárias dos grandes sites. Basta uma boa oferta mensal, diretamente relacionada com seus associados, para tornar este produto viável. Posso lhe ajudar de diversas maneiras neste caso. Entre em contato.

Se você está envolvido direta ou indiretamente com um site destes e acha que posso te ajudar de alguma forma, entre em contato. Vai ser um prazer ajudar.

Como uso o Twitter

Hoje pela manhã estava pensando no Twitter e em como o tenho usado recentemente. Resolvi escrever sobre isso para trocar idéias de como outras pessoas vêem essa ferramenta e como podemos aproveita-la ao máximo. Para quem não conhece, o Twitter é um site/ferramenta que permite a publicação de mensagens com até 140 caracteres. Além disso, permite-nos seguir, ou listar as mensagens de quem desejamos ler com regularidade. Por exemplo, “sigo” o Bill Gates, ou seja, tudo o que ele escreve no Twitter, aparece na minha lista de mensagens.

Início do dia. O que está acontecendo no planeta.

Começo meu dia dando uma olhada rápida nas últimas mensagens de quem sigo. Como não sigo tanta gente e costumo acordar cedo, geralmente pego também as últimas mensagens dos notívagos brasileiros da noite anterior. Fico sabendo o que está acontecendo na costa oeste dos Estados Unidos, entrando na madrugada e ainda como o dia começou na Europa, já no meio da manhã deles. É uma forma simples e rápida de ficar por dentro das notícias mais importantes das últimas horas. Apenas para ilustrar, foi assim que soube do terremoto no Chile e do terremoto na China.

Leituras diárias. Informação relevante e útil nas minhas áreas de atuação. Ou, o que esperar de mim.

Estar a par do que está acontecendo é importante, mas manter a mente constantemente focada no desenvolvimento pessoal e crescimento é ainda mais. Para isso, mantenho uma rotina de leitura diária. São diversos sites e blogs de áreas como marketing, finanças pessoais, novidades tecnológicas e discussões sobre ferramentas de produtividade, além de outros assuntos que eventualmente me interessam, como fotografia, design gráfico, etc.

Costumo concentrar minhas leituras no Google Reader, visualizador de artigos que usa o protocolo RSS para manter em um só lugar todas as diversas fontes de informação que me interessam. Uma das características interessantes do Google Reader é que podemos compartilhar os artigos que mais nos interessaram com as outras pessoas. Uso esta facilidade de forma integrada com o Twitter. Assim, tudo o que compartilho no GReader, é automaticamente publicado no meu Twitter.

O que estou fazendo?

Não costumo avisar no Twitter cada vez que saio para almoçar, ou cada vez que escovo os dentes, ou todo o resto das minhas pequenas tarefas rotineiras. Por outro lado, quando é algo que possa interessar a quem me quer bem, dou uma ou outra notícia. Por exemplo, sexta-passada fomos a uma cafeteria charmosa aqui em Porto Alegre que ainda não conhecíamos. Fomos com um amigo que nos apresentou o local, então lá foi para o Twitter esta pequena pausa na corrida do dia a dia, com direito a foto dos envolvidos 🙂

Sábado passado assistimos (minha esposa e eu) uma palestra incrível com a Carolina Garcia. Está documentado, também com foto, lá no Twitter. O café especial que tomamos após o almoço com as colegas da pós-graduação, não foi publicado, mas poderia ter sido.

Não há regras, mas tento postar apenas o que é relevante para quem se interessa pela minha vida ou por alguns dos meus interesses. Isso inclui família, amigos, parceiros de trabalho…

Nesta categoria entram também as mensagens pessoais. O Twitter também pode ser usado para trocar idéias uns com os outros. Mesmo com quem não nos “segue”, já que a simples menção do “@login” de uma pessoa é suficiente para que ela veja nossa mensagem.

Detalhes técnicos

Uso o Twiterrific no iPhone para ler as notícias no início do dia. Normalmente faço isso assim que acordo, sentado na poltrona do meu home office, enquanto deixo a luz do dia completar meu acordar.

Uso o FriendFeed para fazer a integração dos serviços, assim, tudo o que compartilho no GReader, os links que cadastro no Delicious, os textos que publico nos meus blogs, vão automaticamente para o Twitter.

No PC, uso um pouco o TweetDeck. No Mac, uso o Twiterrific, que funciona bem parecido com a versão para o iPhone. O iPhone é meu dispositivo mais relevante para usar o Twitter, pois nele, leio naqueles intervalos de dois minutos de espera aqui, 15 minutos de fila alí…

E você, usa o Twitter? Como? Com que programas? Com que regularidade?

Meus equipamentos não quebram e costumam funcionar direito

Tenho amigos que reclamam constantemente sobre problemas em seus telefones, computadores, impressoras e outros dispositivos que quebram ou simplesmente param de funcionar. Nenhum dos meus equipamentos dá problemas na proporção que dá para as pessoas que me comentam essas coisas.

Pode parecer presunção minha, mas acho que eu simplesmente trato meus eletrônicos melhor do que a maioria das pessoas. Parte disso é por conta da minha história, não cresci em uma família rica, meu primeiro computador veio depois de muito convencimento de que não era um brinquedo passageiro. O gravador cassete que usava era da família, se estragasse ficava sem nada. Não apenas cuidava bem dele, como supervisionava o uso que minha irmã fazia do mesmo. Todos meus “brinquedos” tecnológicos, com exceção de um Atari e meu primeiro computador, um MSX, sempre foram comprados com meu próprio dinheiro, mesmo quando ganhava uma miséria dando aulas de informática durante a greve de professores do colégio onde estudava. Ainda morando com meus pais, pagava minha própria conta de telefone para poder acessar BBSs sem ter que ouvir reclamações de que o telefone de casa estava sempre ocupado. Já que era difícil e caro para adquirir esses equipamentos, tratava-os realmente bem, e continuo tratando tudo o que possuo com o mesmo cuidado até hoje.

Protejo meu telefone e meu notebook com capas de neoprene, não para evitar danos maiores ao deixá-los cair, pois não os deixo cair, nunca. Protejo-os para evitar arranhões. Também nunca derramei líquidos em nenhum dos meus equipamentos, simplesmente não deixo líquidos chegarem perto e quando deixo, é sob olhar cuidadoso e movimentos pensados.

Nunca quebrei ou arranhei uma tela. Meus PDAs e telefones sempre são carregados em um bolso exclusivo para eles, com a tela voltada para dentro. Meu Treo 650 tem alguns arranhões de ficar em cima de mesas, mas a tela está em perfeito estado. Este é o motivo para você manter seu dispositivo com a tela virada para sua perna e não exposta pra fora.

Meus notebooks, mesmo o que carregava diariamente de um lado para o outro quando trabalhava fora de casa e este era meu único computador, nunca teve nenhum arranhão, amassado ou área desgastada. Nunca tive o problema do teclado marcar a tela porque o colocava na mochila de forma a ter pressão somente na parte inferior, nunca na tela.

Nenhum dos computadores que já tive sofreram qualquer falha crítica de alguma peça antes de se tornarem ridiculamente obsoletos ou eu parar de usa-los. Até 2008 ainda usava um Pentium Pro 200 que foi o primeiro servidor da minha empresa de internet em 1996, como servidor de impressora na minha última empresa. O servidor da empresa que abri em 1999 ainda é o computador de uso diário do meu pai, em 2010.

Nunca perdi meu telefone, nem minhas chaves ou minha carteira. Nem por pouco tempo. Sempre sei onde estão porque somente os coloco em uns poucos lugares de sempre. Está no meu bolso esquerdo? Não? Então está sobre a mesa ou na base junto ao computador.

Quando escuto pessoas reclamando que a tela de seus iPhones racharam ou que seus notebooks quebraram onde a tela se junta ao corpo do mesmo, ou que esqueceram seus celulares em um táxi, não consigo fazer diferente de silenciosamente os culpar, sendo grato por ter mais atenção e cuidado por meus equipamentos.

Escolha já o seu nerd – Os Seminovos

Meninas, prestem atenção na letra desta música e cuidem bem do seu nerd de estimação antes dele ser fisgado por outra!

Acabo de receber email de um carinha me convidando para ministrar uma palestra para um grupo de jovens visando estimular o desenvolvimento pessoal e profissional, no caso específico, algo relacionado a finanças pessoais. Adorei a idéia, mas este texto não é sobre isso, é sobre um dos posts que li no blog dele (claro que eu me informo sobre quem está me convidando para algo).

Sem mais delongas, assista o video e se divirta!

Caso não consiga visualizar o vídeo acima, use o link.

Meninas, prestem atenção na letra desta música e cuidem bem do seu nerd de estimação antes dele ser fisgado por outra! Eu? Já tenho dona 🙂

Escolha já seu nerd – Os Seminovos

Refrão:
O nerd de hoje é o cara rico de amanhã
O nerd de hoje é o cara lindo de amanhã
O nerd de hoje é o bom marido de amanhã
Garota, escolha já seu nerd!

Enquanto o bonitão está pegando você
O nerd está criando um software no PC
Enquanto o sarado malha na academia
O nerd está lendo as notícias do dia

Enquanto o bonitão tá na balada te chifrando
O nerd com certeza está em casa estudando
O curso superior do gostosão tá no início
E o nerd ganha em dólar no Vale do Silício

(Refrão)

O nerd tem conserto, é só você ensinar
O penteado certo e a melhor roupa pra se usar
O saradão de hoje é o gordo de amanhã…
Parou de tomar bomba? Vai ter que usar sutiã!

O gostosão ainda sai no carro do pai
E o nerd é a atração de um workshop em Dubai
O gostosão te esquece quando vê um carro esporte
E o nerd está lá dentro com uma mulher de sorte

(Refrão)

Imagine o nerd sem cabelo ensebado
Sem espinhas e sem colarinho abotoado
Sem o cinto social junto com tênis branco
Imagine o nerd com cinco milhões no banco!

(Refrão)

Twitter

Para quem ainda não conhece o Twitter ou quer entender o que tem de útil neste site.

Quem ainda não conhece o Twitter ou quem já conhece e não entende o que pode ter de útil neste site, o NYTimes (traduzido pelo UOL) publicou uma matéria que tenta explicar algumas das coisas que podemos descobrir através deste serviço. Leia a matéria original.