Como lucrar com o aluguel de imóveis, sem possuir um imóvel

Papai Investidor também é Papai Empreendedor!

Uma das coisas que mais escuto quando converso com outras pessoas sobre negócios é:

“Eu queria montar meu próprio negócio, mas não tenho dinheiro para isso.”

Depois de alguns minutos de conversa, a segunda frase que mais costumo ouvir é:

“Mas Fabrício, de onde é que tu tiras estas idéias malucas?”

Então hoje vou jogar ao vento uma das idéias malucas que tenho desenvolvido nos últimos tempos. Ela é tão simples, que chega a ser ridículo ver que tão pouca gente use esta idéia para ganhar caminhões de dinheiro de uma maneira extremamente fácil de implementar, com custos baixíssimos e de uma forma que permite um crescimento orgânico muito rápido. E ainda digo mais, para quem quer ganhar muito e ainda morar fora do país, é uma maneira trivial de se mudar já com um negócio andando para gerar sustento, principalmente se a mudança envolver uma cidade altamente turística.

Tenho um amigo (escrevendo isso acabo de lembrar que tenho três amigos que fazem isso) que possui um negócio de co-working. Uma explicação rápida para quem não conhece o termo, é um espaço compartilhado de trabalho, onde pequenos empreendedores podem contar com a estrutura básica de internet, limpeza, atendimento telefônico e um endereço físico onde receber os clientes e correspondências. Basicamente é uma sala grande, ou uma casa, com espaços de trabalho que são sublocados por cada empreendedor. Em muitos casos, o espaço sublocado é simplesmente uma mesa e uma tomada. E estes amigos empreendedores são os responsáveis pelo aluguel original da sala ou casa onde montaram seu espaço de co-working, e pela contratação dos serviços e pessoas que trabalham para manter o local funcionando. É um modelo de negócio relativamente simples, mas ainda assim, cheio de detalhes para que realmente dê certo, como a habilidade em atrair as pessoas para trabalhar lá, conseguir criar um ambiente agradável para todos, definir regras básicas de convívio entre os “inquilinos”, etc.

Esses negócios de co-working são uma maneira de ganhar dinheiro com o aluguel de imóveis sem possuir nenhum imóvel, visto que na maior parte dos casos estes funcionam alugando o espaço original. A idéia maluca, entretanto, não é montar um negócio de co-working, isso já é old school, todo empreendedor descolado já pensou no assunto. Até empresas sem relação com esse meio pensam em fazer isso. Outro amigo (o quarto dos que conheço que já possuem estes negócios) é dono de um bar e fabricante de cerveja artesanal. Também ele pensa em usar um espaço que está sobrando em seu grande galpão/bar/cervejaria, para locar como espaço de co-working.

Ok, suspense demais, qual é a grande idéia?

Alugar pequenos apartamentos de um dormitório ou pequenos estúdios, em boas localizações, em contratos de longo prazo. Ok, e daí? Vou morar lá? Não. Depois de contratar o aluguel, de preferência negociando um valor mais baixo mediante um contrato de prazo mais extenso e possivelmente conseguindo uma carência de alguns meses no início do pagamento do aluguel para uma pequena reforma inicial, a idéia é preparar o apartamento para ser usado como base de curto prazo, ou seja, contratar uma boa conexão com a internet, um plano de TV a cabo e mobiliar o apartamento para que seja um misto de “minha própria casa”, com uma cozinha simples, mas funcional e com todos os utensílios necessários, uma boa cama de casal, eventualmente um sofá-cama extra, e uma boa mesa de trabalho. Coisa simples, mas de bom gosto.

Com isto feito, basta sublocar o apartamento em prazos mais curtos através do AirBNB ou um site próprio que mostre as vantagens deste apartamento sobre a alternativa de ficar em um hotel para quem vem visitar sua cidade (ou a cidade onde você mantém seu imóvel de aluguel de curto prazo). Tome cuidado em colocar essa possibilidade no seu contrato de aluguel original para evitar problemas.

Aí está, um modelo de negócio simples de implementar, que exige muito pouco capital inicial, de baixíssimo risco, e que pode gerar uma excelente renda em muito pouco tempo. Basta saber como divulgar e garantir uma ocupação mínima que banque os custos mensais, o que não é tão difícil assim, dados os valores de aluguel mensal de um apartamento de um dormitório, versus os valores de diária de um quarto de hotel mediano que nunca será tão confortável quanto um apartamento completo.

Quem começar a ganhar dinheiro com isso pode entrar em contato para eu divulgar aqui sua hospedagem. E se sobrar uma comissão a título de royalties pela idéia, a família agradece 🙂

Programa A Classe Alta – Última Turma!

Seguinte, vou ser rápido e direto, porque acabo de chegar de uma viagem/sabático de três meses nos USA e vendi meu apartamento no dia seguinte à chegada, então já viram como estão corridos os meus próximos dias.

O programa A Classe Alta é um misto de livro, coaching, grupo de MasterMind, conjunto de materiais de bônus e muito mais, organizados, mantidos e constantemente complementados pelo Seiiti Arata, um cara incrível e totalmente focado no atendimento dos participantes.

Em breve será aberta a última turma do programa, que certamente fechará logo no primeiro dia, como aconteceu nas últimas edições. Então não perca tempo, clique agora mesmo no link de apresentação e deixe seu nome na lista VIP que será avisada com antecedência. Olhe o que os outros falam, é bom mesmo. Depois, não quero ouvir chororô de que a vida está difícil, que não ganham o suficiente, que o que ganham não sobra nada para investir…

Mais uma vez, segue o link: Programa A Classe Alta – Última Turma!
Estão avisados. Abraço e sucesso.

Oportunidades de investimento nos EUA

Este texto surgiu da resposta a uma leitora do site que perguntava se eu poderia aproveitar que estou vivendo uma temporada aqui nos Estados Unidos para escrever sobre oportunidades de investimento por aqui. Abaixo, segue minha resposta, que espero possa ajudar mais pessoas a tomar suas decisões de investimento com um pouco mais de consciência da situação do planeta.

Os Estados Unidos estão quebrados. É uma coisa engraçada falar isso enquanto estamos aqui e vemos o dia a dia deles, pois há muitas coisas que foram conquistadas pela sociedade aqui, em termos de consumo e conforto pessoal, que aparentemente parece que está tudo bem. Por exemplo, agora há pouco vimos uma das arrumadeiras do hotel em que estamos saindo daqui, em um carro grande e relativamente novo. Um carro que no Brasil, é carro de empresário, de quem está realmente bem de vida, mas aqui, com dois anos, um carro destes é realmente muito barato e qualquer pessoa com um emprego estável tem condições de comprar. Mesmo porque, os financiamentos são inúmeros e as taxas de juro próximas de zero. A mentalidade aqui é “a prestação cabe no bolso, vamos comprar”. O conceito de crédito é rei aqui. Ninguém precisa ter dinheiro para adquirir os confortos da vida, precisa ter crédito. E depois vemos uma minoria lendo Pai Rico, Pai Pobre para tentar sair da corrida dos ratos em que se meteram com tantas contas comendo tudo o que ganham.

Então não podemos deixar nossos olhos nos enganar com coisas materiais que são diferentes do que estamos acostumados, temos que olhar mais profundamente.

Oportunidades, há inúmeras em todo o lugar. Se vão vingar, só com bola de cristal. Hoje em dia, por exemplo, se compram mansões em Las Vegas por oito vezes menos do que custavam há apenas três anos. Mansões que no Brasil custariam mais de 10 milhões de reais, aqui se encontram por US$ 500.000. Mas será que valorizarão novamente? Será que o país sairá do buraco em que se meteu com a crise fiscal que gerou nos últimos 10 anos?

E aí vemos o Brasil, o último a sofrer com a tal crise em 2008 e o primeiro a se recuperar. Um lugar onde temos não apenas o conhecimento de como as coisas funcionam, mas onde temos um dos melhores climas e terras do planeta, sem terremotos, sem tsunamis, sem furações, sem vulcões. Porque perder tempo investindo onde tudo o que havia para ser feito já está pronto, quando podemos investir em nosso próprio país, onde tudo ainda está para ser construído, gerando infinitas possibilidades? Aqui nos EUA já estão de pé todas as escolas, todos os hospitais, todas as estradas. O trabalho aqui é só de manutenção. No Brasil, tudo está para construir, tudo está por fazer, oportunidade assim só aparece durante uma ou duas gerações, quem aproveitar aproveitou, quem deixar passar ficará para trás. O Eike Batista está fazendo a parte dele. E cada um de nós, o que está fazendo?

E mais, estudando a história da construção das nações e adaptando para a realidade atual, temos ferramentas incríveis para aproveitar muito melhor as oportunidades. A maioria não estuda, a maioria não pesquisa, a maioria não tem cultura global, não conhece o que acontece intimamente nos outros países e continentes. Quem tem estas vivências e informações pode muito mais, simplesmente porque possui melhores condições de analisar a situação e comparar com o que já experimentou fora do país. Usar estas informações é uma alavanca que tão pouca gente possui, que pode nos dar um vantagem desproporcional em termos de escolha.

Basta agora fazer as escolhas acertadas 🙂

Eu, por exemplo, pretendo iniciar um negócio onde americanos invistam seus dólares no Brasil, investindo em imóveis. As vantagens para eles? Não apenas o lucro muito maior possível nos negócios em nosso país, mas também os juros muito mais atrativos para o capital enquanto não utilizado diretamente nas construções. Sem esquecer a vantagem cambial, com a moeda deles valendo cada vez menos frente ao real.

Sobre esta última vantagem, disse isso aos amigos que estavam no Japão, guardando suas economias em dólar… Falei para transformarem tudo em real de uma vez, que ainda ficaria pior. De 1,80 já estamos em menos de 1,60 na cotação, e continua baixando. Isto apenas de fevereiro para cá. Se pegarmos a cotação dos últimos dois anos, a coisa é ainda pior. Mas o pessoal se apega naquela esperança em vão de que as coisas vão voltar ao que eram… Não voltam, o mundo é cíclico, e os ciclos são mais longos do que a média das pessoas tem paciência para esperar.

E aí temos um post. Estava escrevendo isso como comentário para a questão de uma leitora do site, mas a coisa foi ficando cada vez maior e então resolvi compartilhar esta resposta com todos.

O que você está fazendo para aproveitar a onde de crescimento em nosso país nos últimos anos? Como você está se preparando para aproveitar as oportunidades que ainda surgirão? Você já domina uma segunda ou terceira língua, ao menos para compreender textos escritos na mesma e buscar as informações diretamente nas fontes, ou tem que esperar alguém traduzir e mastigar tudo na sua língua pátria? Lembre-se que quando a informação chega traduzida, já é informação velha. No mundo dinâmico de hoje, consumir tradução só te ajuda a manter a cabeça fora d’água, mas não é suficiente para conseguir nadar longe dos tubarões.

Qual é o melhor investimento para seu dinheiro?

Estou morando na Califórnia com minha esposa há pouco menos de três semanas. Passamos os primeiros dias em um hotel e agora estamos em uma espécie de flat, chamam aqui de Long Stay Hotels, que basicamente é um quarto de hotel com cozinha completa. Ficaremos até o final de agosto, com alguns passeios mais longos programados, alguns dias em Las Vegas e uma Road Trip descendo do Silicon Valley, onde estamos agora, até San Diego, pelas praias do sul da Califórnia.

Toda esta introdução é para descrever um pouco da vida cigana que estamos tendo no momento, pois foram justamente estes dias diferentes dos dias comuns que tinhamos em Porto Alegre, que tornaram possíveis algumas reflexões sobre qual é o melhor investimento.

Começando a responder esta pergunta, inicio dizendo que não acredito haver uma resposta universal para esta questão. O melhor investimento sempre vai depender dos objetivos de cada um, do nível de risco que se está disposto a correr e do tipo de vida que se deseja levar antes, durante e depois do período de formação de patrimônio. A parte universal é que, se desejamos investir, isso envolve diretamente a questão central de formar patrimônio.

Onde investir

1. Empresas

Minha experiência mostra que não há nada mais lucrativo do que os negócios, do que montar e fazer crescer empresas. Isto pode nos leva a pensar em investir em tais empresas e por consequencia, em investir em ações de empresas que já existam. Há dois problemas nesta abordagem:

a) Tratando do investimento em ações de empresas que já existem, perdemos uma parte do que temos com a criação de novas empresas, que é a possibilidade de lucrar com o crescimento acelerado delas. Investir em uma empresa já forte e estável pode nos trazer bons rendimentos, mas é muito pouco provável que nos dê retornos realmente significativos.

b) A estratégia usual das pessoas que investem em ações não é a de investir “nas empresas”. Digo isso no sentido de que as pessoas não pensam realmente em se tornar sócias destas empresas. Pensam em comprar e vender ações. Agora imagine se o Jorge Gerdau ficasse pensando em vender suas ações da empresa que construiu… Ou se o Bill Gates desejasse vender suas ações da Microsoft. Não, eles são donos de considerável parte das suas empresas, ganham dinheiro com o que a empresa rende, não com o valor dela na bolsa de valores.

Então, quando escrevi “empresas” logo acima no título, não me referi a investimento em ações. Me referi realmente a investir na criação e crescimento de uma empresa nova ou ainda incipiente. Quando digo que é um bom negócio investir em empresas, me refiro a criar novas empresas, o que por si só é um imenso desafio e aprendizado para uma vida inteira de trabalho. Os resultados podem ser estupendos, mas este não é o caminho mais fácil que existe. Exige experiência, conhecimento e recursos, tudo equilibrado de maneira a obtermos os resultados estupendos que vemos de vez em quando na mídia.

Então, desculpe pelo balde de água fria, mas criar e investir em novas empresas não é investimento para qualquer um. Exige conhecimento e dedicação por um longo período. Dá muito mais trabalho e preocupações do que a maioria da população está disposta a passar para conseguir sucesso nesta empreitada. É justamente por isso que temos tão poucos empreendedores em relação ao número de trabalhadores convencionais.

Se você não está disposto a virar noites trabalhando quando necessário, se não consegue suportar a insegurança de saber se terá ou não dinheiro para pagar as contas da semana que vem, se não se imagina tendo não um, mas inúmeros chefes (todos os clientes da sua própria empresa), construir um negócio próprio não é para você.

Por outro lado, não se sinta mal por isso. Como escrevi nos parágrafos de abertura, cada pessoa possui características diferentes de personalidade, e estas características não as tornam melhores ou piores umas que as outras, são apenas mais aptas a determinadas tarefas ou mais inadequadas às mesmas. O importante é descobrir o que funciona para você.

2. Imóveis

Investir em imóveis possui diferentes facetas, estratégias e maneiras de ganhar dinheiro. Algumas são mais passivas, enquanto outras são mais negócios imobiliários do que propriamente investimentos simples.

Tome o exemplo de construir imóveis para vender. Mesmo que você não seja dono de uma construtora e contrate uma, ou contrate um mestre de obras e pedreiros para realizar sua obra, na prática, você tem um negócio imobiliário. Tem que se preocupar com todas as etapas e detalhes do mesmo, sob o risco de perder dinheiro em vez de ganhar, se se descuidar de qualquer etapa.

O investimento descrito acima é bem mais complexo que a fórmula de nossos avós, de comprar imóveis para alugar e usufruir desta renda na aposentadoria. Só para deixar claro, quando escrevo “fórmula dos nossos avós”, me refero a uma prática comum duas gerações atrás que era comprar imóveis para acumular patrimônio. Infelizmente meus avós não foram seguidores desta “receita” 🙂

Há também a opção de comprar imóveis na planta para vendê-los quando prontos. Você se torna sócio da construtora na construção, recebendo parte dos lucros. Há alguns riscos, no entanto. Você é o responsável por vender seu imóvel depois de pronto. E isto se torna mais difícil a partir do momento em que a construtora não possui mais o plantão de vendas no local, afinal, a parte dela já foi vendida. Claro que você pode, no final, ficar com o imóvel para alugar. Como comprou com desconto ainda na planta, terá um imóvel que vale mais do que foi pago, provendo um fluxo de caixa positivo mensalmente. Aqui entra o maior segredo do investidor de sucesso: REINVESTIR OS LUCROS. Use tais aluguéis para bancar a compra de um novo imóvel e mantenha esta estratégia por tempo suficiente para que consiga formar o patrimônio que deseja para seu futuro.

Comprar para reformar e vender, participar de leilões, comprar para alugar… Há múltiplas maneiras de lucrar com investimento em imóveis, mas assim como no investimento em empresas, normalmente não é o tipo de investimento passivo em que investimos e no final recebemos o lucro. Temos que trabalhar para lucrar. É, no final das contas, um pequeno negócio.

Os valores nos investimentos imobiliários costumam ser maiores do que os necessários para outros investimentos mais simples, então normalmente temos nos investidores imobiliários o tipo de pessoas que já alcançou certo sucesso no acúmulo de dinheiro. Isso já é um indicativo de qual investimento costuma dar melhores resultados 🙂

3. Ações

Já expliquei acima os problemas de investir em ações com foco em especulação, ou seja, comprar, esperando que os valores subam, para vender com lucro e então repetir esta fórmula novamente e novamente e novamente. Não temos bola de cristal, isto é especulação, jogo, loteria. Não há conhecimento que bata o mercado, basta analisar que ao longo da existência das bolsas de valores, nenhum investidor particular se destacou por anos e anos de resultados superiores a média do mercado total das ações negociadas. Ou melhor, há UM investidor que se destaca: Warren Buffett. O que ele faz? Investe nas empresas, para ser sócio das mesmas, sem se preocupar tanto com o sobe e desce do valor delas. E o que faz com os lucros gerados por estas empresas em que investe? Usa para investir em mais empresas ou comprar mais participação nas empresas que já possui em sua carteira de investimentos.

Quer repetir esta estratégia vencedora? Invista nas empresas que você conhece, que possuam espaço para crescer, que estejam sendo negociadas pelo preço que valem segundo algum critério técnico conhecido. Depois disso, não venda, não se preocupe com a cotação da mesma, reaplique os dividendos anuais seguindo a mesma regra e continue fazendo isso com regularidade ao longo de vários anos, até formar um patrimônio decente. Talvez algum dia você possa dizer o mesmo que o Warren disse na última assembléia dos acionistas de sua empresa:

Não quero ser conhecido como o maior investidor do mundo. Quero ser conhecido como o mais velho investidor do mundo.

Vida longa e próspera ao Warren Buffett e a seus bons exemplos de vida.

4. Fundos de renda fixa

Os fundos de renda fixa, a poupança e o juntar dinheiro debaixo do colchão, são no final das contas quase a mesma coisa. O problema não está no investimento e em seus baixos rendimentos, mas sim nas pessoas, na vida diária, nos hábitos de consumo e na satisfação antecipada de todos os nossos desejos.

Se você investir R$ 100 por mês, durante 20 ou 30 anos, recebendo 0,5% a.m. de juros, você irá se aposentar com vários milhares ou milhões de reais… Aquela histórinha da mágica dos juros compostos… Tudo isso é real, funciona, mas costuma funcionar só no papel, porque, com toda sinceridade, me apresente UMA SÓ PESSOA que tenha investido regularmente, por mais de 20 anos, todos os meses, atualizando os valores anualmente, sem tirar parte do dinheiro do fundo de investimento ao longo de todo esse período. As pessoas não são assim. Vão trocar de carro, vão desejar comprar um imóvel, fazer uma reforma no apartamento que possuem, viajar para conhecer novos países… Para tudo isso, não irão formar uma nova reserva destinada a estes objetivos, irão usar o dinheiro que está lá aplicado, afinal, “trabalharam tanto para isso, merecem este presentinho”. No final, a quantidade de vezes que esses “presentinhos” ou pequenos mimos são auto-proporcionados ao longo dos tais 20 ou 30 anos, acaba com a possibilidade da tal mágica dos juros compostos de atuar verdadeiramente. O problema não é matemático, é pessoal. Não somos máquinas, agimos por impulsos e por desejos.

É muito fácil usar dinheiro líquido. E depois que o usamos, não há mais chance de arrependimento, não adianta chorar sobre o leite derramado, o dinheiro se foi. Precisamos dificultar o uso das nossas reservas em coisas que não sejam relacionadas ao crescimento do patrimônio, justamente para nos dar tempo de pensar na “besteira que iremos fazer”. Não quer dizer que não devemos viajar, reformar o apartamento ou trocar de carro, muito pelo contrário, a vida é uma viagem em que o que importa é o caminho, não o ponto de chegada. Só que precisamos nos proteger para não consumir antecipadamente os valores necessários para viver com conforto os últimos quilômetros desta nossa caminhada.

5. Outros investimentos

Há diversas outras maneiras de investir, mas se não estão listadas com um tópico nominal, se não são normalmente incluídas nas listas de investimentos “normais”, é porque estes investimentos não são para as pessoas comuns. São para os entendidos do assunto. Inclua aqui o investimento em petróleo, minas de carvão, minérios, pedras preciosas, artigos colecionáveis, obras de arte. Inclua também Forex, negócios de marketing multi-nível. Esta categoria é a das excessões, não é para as massas. Cada um destes “investimentos”, colocado entre aspas por não serem realmente investimentos, mas sim negócios, possui um mundo de conhecimentos necessários para se obter sucesso com os mesmos. Se você está se aperfeiçoando em alguma destas alternativas, desejo todo o sucesso, mas não perca seu tempo tentando dizer que “qualquer um” pode investir desta maneira.

A dica mais importante que já ouvi sobre investimentos.

Um amigo que trabalha muito, excelente profissional que ganha muito dinheiro fazendo o que ama, certa vez me disse:

Fabrício, eu sei como ganhar dinheiro na minha profissão. Tu podes ver que na verdade ganho muito dinheiro fazendo o que gosto. Sei que é importante investir com sabedoria para que meu dinheiro ganho com suor se multiplique, mas cada minuto que eu perco buscando pessoalmente mais rendimentos para o que já ganhei, é um minuto em que deixo de ganhar dinheiro novo. E de nada adianta eu conseguir descobrir uma maneira de ganhar 0,2%, 0,8%, ou mesmo 2% a mais que seja, se eu não tiver o dinheiro para que estes percentuais possam render sobre.

Eu sei o que gosto de fazer e sei como ganhar dinheiro com a profissão que escolhi. Deixo para quem é apaixonado por otimização de investimentos a tarefa de cuidar do que já consegui juntar. Pago bem os profissionais que me auxiliam nesta tarefa, vendedores, corretores, consultores, pois sei que obtenho resultados muito melhores do que obteria sozinho.

A dica acima não foi apenas a melhor dica que já ouvi sobre investimentos, foi também o melhor elogio que já recebi pelo meu trabalho.

O que funciona para mim, para meu perfil e minhas habilidades?

Estou completamente fora do perfil das pessoas normais. Já atingi minha independência financeira, ou seja, não precisaria trabalhar para manter meu padrão de vida atual. Por outro lado, sou muito inquieto, preciso estar sempre evoluindo e criando novos negócios. Sou empreendedor, gosto de novos desafios. Então preciso de investimentos que sejam o mais automatizados possível, que não necessitem de minha atenção diariamente, para que possa continuar fazendo o que gosto, criando novos negócios.

Além do já exposto, gosto muito de viajar, então também é importante que possa manter meus investimentos e negócios crescendo mesmo com periodos longos de ausência física. Tenho que poder manter os investimentos andando através das maravilhas da tecnologia, ou seja, correio, telefone e internet.

No meu caso específico, resolvi todos os problemas com uma ação aparentemente simples: a participação em um conjunto de empresas que mantém meus investimentos em constante crescimento. Montei para mim mesmo uma estrutura empresarial de investimento. Desta forma, as empresas, sócios e funcionários cuidam do dia a dia da operação e eu cuido de definir os rumos e estratégias desta estrutura.

Hoje em dia possuo uma fórmula muito simples, mas extremamente efetiva, que me permite investir de maneira automática, reinvestindo os lucros, enquanto vivo em qualquer lugar do planeta, sabendo que há uma estrutura empresarial cuidando dos detalhes de manutenção destes investimentos. Isto me permite obter os resultados dos investimentos em negócios e em imóveis, com a facilidade dos investimentos mais simples de renda fixa.

Claro que o que eu preciso fazer, saber e estar a par para tocar toda esta estrutura é muito mais do que simplesmente investir em um fundo de renda fixa, mas por poder manter esta máquina de investimentos funcionando mesmo que fique distante alguns meses, é uma estrutura que funciona perfeitamente para o meu caso.

Montar este conjunto de empresas de investimento foi o meu aprendizado dos últimos 22 anos. Otimizar e automatizar ao máximo esta estrutura foi a tarefa dos últimos 10 anos. O melhor de tudo é que isto é só o começo…

Como posso ajudá-lo a melhorar seus investimentos e mantê-los da maneira mais automatica possível?

O melhor de tudo na estrutura de investimentos que montei para mim mesmo é que fiz isso de tal forma que fica fácil agregar novos participantes no mesmo modelo de negócio. Desta forma, montei algo para meu próprio uso que acabou se tornando um novo negócio. Hoje, você pode investir não apenas da mesma forma que eu próprio invisto, mas pode fazer mais, pode ser meu sócio exatamente nos mesmos empreendimentos imobiliários em que estou investindo. Tudo isso com a facilidade de um investimento comum.

Como todos os meus investimentos tem o objetivo de formação de patrimônio da maneira mais efetiva possível, não é um investimento para quem tem pressa ou deseja aplicar o dinheiro por um curto periodo de tempo. Os investimentos são em imóveis, os prazos devem ser levados em conta. Um prédio pequeno leva um ano e meio para ser construído, isto sem contar os prazos de projeto e aprovações nos diversos orgãos municipais. Quando compramos um terreno, podemos levar alguns meses estudando qual a melhor forma de lucrar no local, por exemplo decidindo entre construir um imóvel residencial, comercial ou misto.

Uma das melhores características desta estrutura de investimentos que montei é que ela permite a entrada de investidores de todos os portes. Hoje tenho amigos investindo R$ 430 mensais, junto de outros que investem três milhões de reais de uma só vez. O funcionamento é relativamente simples, invisto em cartas de consórcio de imóveis que ao serem contempladas são investidas na construção de imóveis para venda. O conjunto das empresas de que sou sócio cuida de todos os detalhes. Não vou explicar tudo neste artigo, o funcionamento disto está bem descrito no site Investimento em imóvel.

Eu já descobri qual é o melhor investimento para meu dinheiro. Se você acha que posso te ajudar com isso, será um prazer lhe receber como sócio. Para o primeiro passo, basta seguir as orientações descritas em http://www.megacombo.com.br/como-investir.

Quanto você paga de imposto de renda?

lion

Esta semana, jantando com uma amiga, escuto uma declaração fora do comum:

Acho que sou a única pessoa que faz questão de pagar mais imposto de renda do que deveria.

Curioso com o que acabara de escutar, pergunto o porquê dela pagar mais imposto do que deveria, principalmente por ela ter deixado bem claro que isso não se deveu a algum erro, mas sim, por vontade própria.

Há pouco mais de um ano, queria comprar um apartamento para investir. Daria uma entrada, financiaria o restante e com o aluguel pagaria boa parte do financiamento. Vendo a situação hoje, vejo que errei na pressa em optar por um financiamento e que no final das contas, com 30 anos para pagar, provavelmente não seja tão bom negócio assim, mas quando pensei nisso ainda era novata nos investimentos, e melhor errar fazendo, do que ficar parada.

Logo no primeiro passo tinha uma pedra no meu caminho. Verifiquei o financiamento que precisaria com o banco e só conseguiria me qualificar se ganhasse quase o dobro do que realmente ganhava. Sou arquiteta, profissional liberal, as vezes ganho mais, as vezes menos, mas sempre fiz minha declaração de IR direitinho, pagando tudo o que devia para não ter problemas no futuro. Pensei um pouco e resolvi a questão rapidinho. Ao fazer minha declaração daquele ano, simplesmente declarei que ganhei mais do que realmente consegui. Paguei o imposto mais alto do que deveria, mas consegui o financiamento que buscava.

Não vou entrar no mérito de se isto é certo ou errado, pois não vem ao caso para o ponto que desejo defender. A questão toda que quero focar é na ação e solução de problemas. O que quero dizer é que se você precisa construir uma casa e só tem uns gravetos a disposição, levante-se, abra os olhos e procure algumas folhas de banananeira para fazer as paredes. Se mova, pense, busque soluções. Pode ser que você não ache a melhor solução logo de cara. Pode ser que, como essa amiga, você ache uma solução que no final das contas saia mais cara do que poderia custar uma solução melhor. O importante é estar em movimento, agindo, aprendendo coisas novas, refinando.

Da próxima vez que tiver um problema “insolúvel” para resolver, pense um pouco antes de desistir. Este é o ponto principal que desejo deixar com este texto. Para tudo há diversas soluções possíveis, busque-as.

PS: para quem ficou curioso com o problema imobiliário desta amiga e com a solução final para o mesmo, foi relativamente simples. Ela fará um consórcio de aproximadamente 80% do valor do crédito devedor do financiamento. Ao ser contemplada, se livra das prestações deste. Como o consórcio tem um prazo máximo de 10 anos para contemplar e o financiamento prazo de 30 anos, mesmo que demore para contemplar ela ainda economizará milhares de reais. Mais que isso, se demorar, o valor do consórcio pode chegar a ficar maior que o saldo devedor, sobrando então um bom crédito extra para investir em outro imóvel menor.

Conselhos a um jovem empreendedor

Transcrevo a seguir partes de um email que acabei de mandar para um jovem ainda na faculdade que se descobriu interessado em empreender. É um dos caminhos possíveis, mas um caminho cheio de armadilhas. O maior problema a ser vencido é conseguir desfazer a fantasia que empreender parece ser para quem ainda não teve experiências suficientes. Seguem algumas observações sobre o assunto…

Se formar não vai te dar nada mais que um canudo. É imprescindível não parar de aprender nunca, correr em busca de mais conhecimentos. Procurar não apenas cursos, mas livros, palestras, revistas.

Os problemas em empreender são muitos. A grande maioria das pessoas não está apta a empreender, não por falta de capacidade, mas por falta de vontade. Montar teu próprio negócio costuma envolver trabalhar muito mais do que como empregado, ganhando muito menos, durante muito tempo. Não vê isso como um balde de água fria, mas como um banho de realidade. É muito difícil, dói, demora, as quedas são grandes. Lê dois livros sobre o assunto antes de tomar alguma decisão: Empreendedor Rico, do Robert Kiyosaki e O Livro Negro do Empreendedor, do Fernando Trias de Bes. Se passar incólume por tudo que eles descrevem, empreender é teu caminho.

Lembra que no começo tu não tens dinheiro, não tens experiência, não tens nada! A parte boa disso tudo é que não tendo nada, há que ter pelo menos criatividade para resolver os problemas que vão aparecendo. Isso gera um aprendizado prático enorme, porque o que aprendemos fazendo, não esquecemos jamais. O que sentimos na pele nos marca de forma definitiva.

A regra número um é a seguinte: tudo que acontecer é culpa tua. Ser enganado por alguém? É culpa tua, que se deixou enganar. Um concorrente te roubar o cliente? Problema é teu, que não soube mantê-lo. Quanto antes tu assumir a culpa de tudo que der errado e buscar os motivos para ter dado errado, descobrindo o que poderi ter feito para que desse certo, mais rápido o sucesso virá.

E lembra sempre que trabalhar para os outros é uma excelente maneira de aprender e ao mesmo tempo ganhar um dinheiro no fim do mês. Escolhe teus trabalhos pelo potencial de crescimento que te trazem, não pelo quanto pagam. A pressa em ganhar muito desde cedo é o maior limitante da maioria das pessoas, principalmente as que conseguem ganhar relativamente bem no início da carreira e com isso se acomodam e não crescem, permanecendo naquele patamar que não é tão alto assim, apenas parecia alto quando o estágio anterior era o de não ganhar nada.

Uma história sobre metas

Tenho um amigo que está iniciando um novo negócio. Ele sempre foi funcionário de outras empresas e ganha um valor razoável para viver, apesar de que o fato de trabalhar em outra cidade exige que ele acorde todos os dias as 5h da manhã e vá dormir depois das 23h.

Esse amigo é casado, chega em casa exausto depois de quase duas horas da viagem de volta. É jantar e dormir, pois geralmente as horas extras exigidas pelo empregador faz com que ele saia do serviço depois das 19h. No fim de semana, geralmente dorme o tempo inteiro para conseguir recuperar um pouco as energias para aguentar mais uma semana que vem pela frente.

Eu pergunto: isso é viver?

No meio deste ano ele resolveu vencer essa rotina. Decidiu abrir o próprio negócio usando as horas livres (quais?) para iniciar uma empresa de hospedagem de sites na internet. Começou bem, ao invés de tentar aprender tudo sozinho e economizar uns trocados neste início, decidiu começar sua empresa seguindo um plano que já havia sido implementado por diversas outras pessoas com absoluto sucesso. Como sei disso? Simples, ele entrou em contato comigo e ajudei a desenhar o funcionamento da empresa dele. Ao invés de começar do zero, ele começou contando com meus quase 20 anos de experiência de trabalho na internet.

Eu sei que o tempo de aprendizado que isso economizaria seria o suficiente para que ele atingisse o sucesso no final do primeiro ano. Ainda faltam seis meses para terminar este prazo, então as chances disto acontecer ainda são bastante grandes. Mas essas coisas não acontecem de uma forma linear, então, no início, as coisas podem parecer andar bem devagar em alguns momentos.

Alguns problemas aconteceram logo no início, como a escolha de um contador que levou mais de três meses para reativar uma empresa que ele já tinha aberta. Ou a demora em abrir uma conta no banco, necessária para poder enviar os boletos de cobrança. Mas o maior desafio não era técnico ou administrativo. O maior desafio é vencer a mente do assalariado. É conseguir mostrar que a luz no fim do túnel existe e que para alcança-la basta continuar caminhando em direção a saída.

Junto com o provedor de hospedagem de sites, ele decidiu também montar uma empresa de desenvolvimento de sites. Isso tornaria mais fácil a venda de hospedagem para clientes finais, que normalmente também precisam do desenvolvimento do site e ainda traria o benefício de trazer dinheiro rapidamente para dentro da empresa. Mas para isso, haveriam outros desafios, o maior deles, o tempo necessário para fazer as vendas, atender os clientes, desenvolver os sites e fechar as parcerias com outros desenvolvedores que pudessem auxiliar em todas as etapas que ele não conseguiria fazer sozinho por permanecer no emprego que já tinha.

Então hoje, recebo um email dele dizendo que estabeleceu uma meta! Poxa, já tinhamos concordado com algumas metas mensais que iriam aumentando gradativamente ao longo dos meses de forma a chegar no final do primeiro ano com a quantidade de clientes suficientes para pagar as contas e manter ele e a esposa. Claro que para que essas metas pudessem ser cumpridas, teriam que ser mensalmente observadas e caso não atingidas, analisados os motivos para não terem sido alcançadas.

Mas voltando ao ponto que quero analisar, ele fala que estabeleceu uma meta, o que não é verdade. O que ele estabeleceu foi um ponto de abandono do projeto. Ele, ao invés de estabelecer uma meta, estabeleceu uma quantidade de clientes que se não atingida o permitiria abandonar o provedor, o sonho de independência e a volta a sua rotina diária de trabalho, trabalho e trabalho. Parece que a rotina diária o fez esquecer de que a vida é feita de trabalho e lazer, equilibrio.

Uma meta é um ponto que determinamos atingir em um tempo determinado. É um balizador, não uma condicional. Se não a atingirmos, o que precisamos fazer é estudar os motivos do nosso fracasso. Pode ser que tenhamos nos atribuído uma meta muito maior do que a possível, pode ser que não tenhamos nos dedicado a ela com todo o empenho, pode acontecer alguma mudança externa que não tenhamos gerência e que nos impossibilite de realizar o planejado, pode não ter havido planejamento…

E então ele termina o email tentando um pensamento positivo: “mas não creio que isso irá acontecer”, fazendo referência a abandonar seu novo negócio.

Pensamento positivo não serve para nada se as ações são negativas. Não adianta escondermos a cabeça em um buraco e tentar não ver a realidade. A responsabilidade pelos nossos resultados é totalmente nossa. Nossas ações sempre definirão os resultados que iremos alcançar.

Então, se você está passando por algo parecido, tome o rumo da situação. Pule no trem que está passando e faça o que for preciso para atingir os resultados que você procura.

Eu estou neste mesmo trem em relação a minha empresa de consórcios, a Megacombo. Nos últimos três meses, falei com mais de 250 pessoas explicando como funciona o investimento em consórcios. Claro que estou tendo resultados ótimos, estou trabalhando para isso todos os dias. Não fico esperando as horas passarem, corro atrás do tempo.

Se você fizer a sua parte, não tem como não alcançar o sucesso. Se você prefere ficar reclamando da crise, da falta de oportunidade, da falta de tempo, do cansaço, do excesso de tarefas, problema é seu. Mas sei que esse não é seu caso, se fosse, não teria lido esse texto até o final.

Abraço, boa sorte e sucesso!

Exemplo de empreendedorismo

Saiu na coluna do Danilo Ucha, no Jornal do Comércio de ontem. Publico aqui para divulgar aos amigos. Aproveito para explicar que apesar do sobrenome igual, são ramos distintos da família. Não tenho contato pessoal com os “primos” de Bagé. Mas sempre é legal quando vemos que o sangue empreendedor está presente em toda a grande família Peruzzo!

—–

O Grupo Peruzzo, que já possui 10 supermercados, sete postos de combustíveis, uma distribuidora de bebidas Coca-Cola e Kaiser e uma padaria nas regiões da Campanha e zona Sul, deu mais um exemplo de empreendedorismo em Bagé, onde tem sua sede: inaugurou, sábado, a Peruzzo Vinhas e Vinhos, a primeira vinícola do município com vinhedo e cantina, destinada a produzir, numa primeira etapa, 100 mil garrafas de vinho e espumantes. Iniciativa do ex-bancário do Sul-Brasileiro Lindonor Peruzzo que, em 1993, adquiriu a Padaria Moderna, em Bagé, e não parou mais de crescer, a vinícola, assessorada pelo enólogo argentino Adolfo Lona, que durante 35 anos foi diretor da Martini & Rossi e, depois, da Bacardi-Martini, tem como diretor-técnico Eder Peruzzo, filho de Lindonor, que estudou agronomia especialmente pensando no projeto e, posteriormente, fez especialização em vinhos na França.

O Grupo Peruzzo investiu R$ 2 milhões em 16 hectares de vinhedos e na cantina, dentro de uma área de 186 hectares, na qual já plantava legumes e hortaliças para abastecimento dos supermercados da rede. A inauguração, na qual foram lançados vinhos chardonnay e cabernet sauvignon e três espumantes extra brut, brut e demi-sec, foi abençoada pelo bispo de Bagé, Dom Gilio Felício, e contou com a presença do presidente do Ibravin, Denis Debiasi, e do deputado federal Afonso Hamm. A proposta de Lona, Lindonor e Eder é produzir vinhos de alta qualidade, colhendo apenas 2 quilos de uvas por pé dos vinhedos irrigados, o que garante vinhos premiuns. Por enquanto, o plantio é de chardonnay, cabernet sauvignon, cabernet franc e merlot, com mudas trazidas da França e de Portugal.

O empreendimento é considerado um exemplo em Bagé porque foi feito numa região tipicamente de pecuária onde faltam iniciativas empresariais e onde grandes fazendas com mais de 1.200 hectares empregam apenas três ou quatro pessoas. O projeto Peruzzo com hortaliças, uvas e vinhos, em 186 hectares, emprega 45 pessoas. A região, no paralelo 31, é propícia ao cultivo de uvas – a Salton planta lá e a Miolo possui grandes vinhedos no vizinho município de Candiota – e acredita-se que vá se transformar numa nova e grande província vinícola gaúcha produtora de vinhos finos.

O segredo está nos detalhes.

Quase todo mundo costuma dizer que se preocupa com os detalhes, principalmente em entrevistas de emprego. Todos estão preocupados em não deixar passar nenhum detalhe importante. Mas eu acredito que os detalhes não recebem a atenção que eles merecem.

Pensando na Teoria das Janelas Quebradas, que diz que se não consertarmos as janelas quebradas em um prédio as outras logo quebrarão e em pouco tempo toda a vizinhança irá deteriorar, o autor Michael Levine diz que para atingir o sucesso, os empresários precisam monitorar os pequenos detalhes ou correm o risco de falhar.

Então o que isto significa? Todos acreditam ser orientados aos detalhes e aqui aparece um pensador dizendo que a falta de orientação aos detalhes está matando as empresas. O que isso significa é que as pessoas pensam que são orientadas aos detalhes quando na verdade são orientadas ao controle.

Encare a verdade. Nos sentimos mais confortáveis quando estamos no controle das coisas. Então dizemos que somos orientados aos detalhes querendo dizer que há certas pequenas coisas que gostamos de controlar. Mal sinal. A parte mais difícil de gerenciar os detalhes é justamente focar nos detalhes certos. Já trabalhei com pessoas que estão mais preocupadas com o formato e qualidade de impressão de um documento do que com o conteúdo do mesmo. Detalhes errados.

Os detalhes que Michel Levine sugere focarmos são aqueles que nossos clientes irão notar. Pequenos detalhes que oferecem os maiores impactos na satisfação do cliente. O quadro geral é importante? Claro que sim, mas não para os clientes. Foque nos detalhes, mas faça isso da forma correta.

Por exemplo, pense quando você vai ao banheiro de um restaurante e ele está sujo. Essa é uma boa indicação de que a cozinha não é tão limpa quanto você gostaria. A atenção aos detalhes e as grandes preocupações estão intimamente relacionadas.

Pense na última vez que você foi ao McDonald’s. A empresa foi fundada nos anos 50 e seu fundador, Ray Kroc era obcecado por limpeza e serviços rápidos e eficientes. Da última vez que entrei em um McDonald’s, não me senti como as pessoas do comercial, fiquei vários minutos esperando pelo meu sanduiche. As batatas fritas estavam frias. Não tinham ketchup para me oferecer.

Fui para casa e olhei a campanha deles do McDia Feliz, onde dão dinheiro da venda de sanduiches para ajudar a combater o câncer infantil. Mas se não posso comer minhas batatas fritas ainda quentinhas, não me interessa saber se eles pensam em boas causas. Eles não estão cuidando dos detalhes. Ray Kroc, se estivesse vivo, morreria de vergonha.

É triste de dizer isso, mas as pessoas costumam respeitar a sabedoria, mas apenas obedecem a dor. Os empresários acham tudo isso fascinante e provocativo em teoria – até que estejam na corda bamba. Então isso se torna vital.

Frases do Comandante Rolim

A TAM, empresa de transporte aéreo brasileira que começou pequena e se tornou uma grande potência, deve muito ao seu principal líder, o Comandante Rolim. Abaixo, algumas das frases que ele costumava dizer. Revelam um pouco do carisma e liderança deste excepcional empreendedor brasileiro.

  • A grande invenção polivalente de Deus foi o pato. Ele anda, nada e voa. E faz tudo isso mal.
  • O lucro é consequência do serviço prestado, não do negócio realizado.
  • A melhor maneira de ganhar dinheiro é deixar de perdê-lo.
  • Rico não é quem tem mais, é quem menos precisa.
  • O sucesso só se mantêm quando vem aos poucos.
  • Peque por ação, não por omissão.
  • Quem não tem inteligência para criar tem que ter coragem para copiar.
  • O caminho para o sucesso não é fazer uma coisa 100% melhor, mas fazer 100 coisas 1% melhores.
  • Quando o patrão senta o empregado deita.