O que você precisa fazer para enriquecer

Acabo de ler um post curtinho, mas muito interessante do Diego Nolde, no site Jovens Investidores. Lá, ele fala da velha regra dos 10%. A parte mais relevante é a seguinte:

Acredito que o principal erro da maioria das pessoas seja o de não entender qual o objetivo desses 10%. Devem ser investidos para NUNCA gastar. É isso mesmo, NUNCA. A maior parte das pessoas começa a juntar dinheiro e, assim que acumula um valor considerável, compra um carro ou um apartamento para morar, faz uma viagem ou qualquer outra coisa do tipo. Porém a idéia desse dinheiro é investir bem e por tempo o bastante para que ele comece a gerar uma receita! Essa receita sim você pode gastar o quanto quiser! Essa receita é a que te dará a tal “independência financeira”.

E é isso que quero ressaltar aqui. Para ser considerado rico, o que você precisa ter é PATRIMÔNIO! E formar patrimônio significa acumular, seja capital, sejam bens que valorizem com o tempo, sejam artigos colecionáveis, sejam moedinhas de ouro para tomar banho como o Tio Patinhas.

Valorização e rendimentos constantes.

No início da formação do seu patrimônio, outra coisa muito importante, é escolher veículos de investimento que tragam retorno regular, mas mais importante do que a escolha destes “retornos regulares”, é que tais rendimentos sejam MANTIDOS junto do bolo principal, REINVESTIDOS para manter o patrimônio crescendo em velocidade acelerada. Ou como diz O Homem Mais Rico da Babilônia: “não mate os filhos de seus escravos dourados”. Aproveitando o ensejo, se ainda não leu, compre AGORA, O Homem Mais Rico da Babilônia.

Desta maneira, se você decide investir em imóveis, use os aluguéis recebidos na compra de novas propriedades, ou para pagar os consórcios que você usará para aquisição de mais imóveis. Use e abuse da alavancagem proporcionada pelos veículos de investimento, mas faça isso de forma consciente, para o tiro não sair pela culatra. Ainda no exemplo dos consórcios, se você depende de receber aluguéis para pagar as prestações de um consórcio, antes de fazer uma nova carta, forme uma pequena reserva que garanta alguns meses de pagamento para o caso de ficar com o imóvel sem alugar durante algum tempo.

Apenas UM investimento.

Deixa eu explicitar mais uma coisa. Escolha UM investimento e se abrace a ele por tempo suficiente para que se torne relevante. Um dos maiores erros que vejo sendo cometidos diariamente por investidores iniciantes é estar sempre atrás “do melhor investimento”, perdendo seus rendimentos anteriores em busca de um percentual momentâneo a mais. Escolha o tipo de investimento que mais ressoe com seu perfil pessoal e pare de procurar sarna para se coçar. A hora de diversificar não é quando você tem pouco, é quando já tem o suficiente para dividir em várias cestas. Use a analogia do supermercado, você não carrega uma maçã e uma laranja em sacolas distintas, se só tem isso para carregar. Você só pega duas sacolas se tiver dúzias de maçãs e laranjas para carregar.

Minha escolha pessoal.

Quem já me conhece a mais tempo e sabe da minha história pessoal de investimentos sabe como eu invisto e provavelmente já é meu parceiro de investimentos de uma forma ou de outra, mas se você está lendo um texto meu pela primeira vez e tem interesse em saber como eu atingi a minha independência financeira em tempo recorde, leia minhas orientações nos sites http://www.investimentoemimovel.com.br e http://www.investimentoemconsorcio.com.br. Tendo curiosidade em me conhecer melhor e ler textos mais focados em crescimento pessoal ou o que penso das coisas que me interessam, costumo escrever com regularidade no meu site pessoal, Peruzzo.Org.

Qual é o melhor investimento para seu dinheiro?

Estou morando na Califórnia com minha esposa há pouco menos de três semanas. Passamos os primeiros dias em um hotel e agora estamos em uma espécie de flat, chamam aqui de Long Stay Hotels, que basicamente é um quarto de hotel com cozinha completa. Ficaremos até o final de agosto, com alguns passeios mais longos programados, alguns dias em Las Vegas e uma Road Trip descendo do Silicon Valley, onde estamos agora, até San Diego, pelas praias do sul da Califórnia.

Toda esta introdução é para descrever um pouco da vida cigana que estamos tendo no momento, pois foram justamente estes dias diferentes dos dias comuns que tinhamos em Porto Alegre, que tornaram possíveis algumas reflexões sobre qual é o melhor investimento.

Começando a responder esta pergunta, inicio dizendo que não acredito haver uma resposta universal para esta questão. O melhor investimento sempre vai depender dos objetivos de cada um, do nível de risco que se está disposto a correr e do tipo de vida que se deseja levar antes, durante e depois do período de formação de patrimônio. A parte universal é que, se desejamos investir, isso envolve diretamente a questão central de formar patrimônio.

Onde investir

1. Empresas

Minha experiência mostra que não há nada mais lucrativo do que os negócios, do que montar e fazer crescer empresas. Isto pode nos leva a pensar em investir em tais empresas e por consequencia, em investir em ações de empresas que já existam. Há dois problemas nesta abordagem:

a) Tratando do investimento em ações de empresas que já existem, perdemos uma parte do que temos com a criação de novas empresas, que é a possibilidade de lucrar com o crescimento acelerado delas. Investir em uma empresa já forte e estável pode nos trazer bons rendimentos, mas é muito pouco provável que nos dê retornos realmente significativos.

b) A estratégia usual das pessoas que investem em ações não é a de investir “nas empresas”. Digo isso no sentido de que as pessoas não pensam realmente em se tornar sócias destas empresas. Pensam em comprar e vender ações. Agora imagine se o Jorge Gerdau ficasse pensando em vender suas ações da empresa que construiu… Ou se o Bill Gates desejasse vender suas ações da Microsoft. Não, eles são donos de considerável parte das suas empresas, ganham dinheiro com o que a empresa rende, não com o valor dela na bolsa de valores.

Então, quando escrevi “empresas” logo acima no título, não me referi a investimento em ações. Me referi realmente a investir na criação e crescimento de uma empresa nova ou ainda incipiente. Quando digo que é um bom negócio investir em empresas, me refiro a criar novas empresas, o que por si só é um imenso desafio e aprendizado para uma vida inteira de trabalho. Os resultados podem ser estupendos, mas este não é o caminho mais fácil que existe. Exige experiência, conhecimento e recursos, tudo equilibrado de maneira a obtermos os resultados estupendos que vemos de vez em quando na mídia.

Então, desculpe pelo balde de água fria, mas criar e investir em novas empresas não é investimento para qualquer um. Exige conhecimento e dedicação por um longo período. Dá muito mais trabalho e preocupações do que a maioria da população está disposta a passar para conseguir sucesso nesta empreitada. É justamente por isso que temos tão poucos empreendedores em relação ao número de trabalhadores convencionais.

Se você não está disposto a virar noites trabalhando quando necessário, se não consegue suportar a insegurança de saber se terá ou não dinheiro para pagar as contas da semana que vem, se não se imagina tendo não um, mas inúmeros chefes (todos os clientes da sua própria empresa), construir um negócio próprio não é para você.

Por outro lado, não se sinta mal por isso. Como escrevi nos parágrafos de abertura, cada pessoa possui características diferentes de personalidade, e estas características não as tornam melhores ou piores umas que as outras, são apenas mais aptas a determinadas tarefas ou mais inadequadas às mesmas. O importante é descobrir o que funciona para você.

2. Imóveis

Investir em imóveis possui diferentes facetas, estratégias e maneiras de ganhar dinheiro. Algumas são mais passivas, enquanto outras são mais negócios imobiliários do que propriamente investimentos simples.

Tome o exemplo de construir imóveis para vender. Mesmo que você não seja dono de uma construtora e contrate uma, ou contrate um mestre de obras e pedreiros para realizar sua obra, na prática, você tem um negócio imobiliário. Tem que se preocupar com todas as etapas e detalhes do mesmo, sob o risco de perder dinheiro em vez de ganhar, se se descuidar de qualquer etapa.

O investimento descrito acima é bem mais complexo que a fórmula de nossos avós, de comprar imóveis para alugar e usufruir desta renda na aposentadoria. Só para deixar claro, quando escrevo “fórmula dos nossos avós”, me refero a uma prática comum duas gerações atrás que era comprar imóveis para acumular patrimônio. Infelizmente meus avós não foram seguidores desta “receita” 🙂

Há também a opção de comprar imóveis na planta para vendê-los quando prontos. Você se torna sócio da construtora na construção, recebendo parte dos lucros. Há alguns riscos, no entanto. Você é o responsável por vender seu imóvel depois de pronto. E isto se torna mais difícil a partir do momento em que a construtora não possui mais o plantão de vendas no local, afinal, a parte dela já foi vendida. Claro que você pode, no final, ficar com o imóvel para alugar. Como comprou com desconto ainda na planta, terá um imóvel que vale mais do que foi pago, provendo um fluxo de caixa positivo mensalmente. Aqui entra o maior segredo do investidor de sucesso: REINVESTIR OS LUCROS. Use tais aluguéis para bancar a compra de um novo imóvel e mantenha esta estratégia por tempo suficiente para que consiga formar o patrimônio que deseja para seu futuro.

Comprar para reformar e vender, participar de leilões, comprar para alugar… Há múltiplas maneiras de lucrar com investimento em imóveis, mas assim como no investimento em empresas, normalmente não é o tipo de investimento passivo em que investimos e no final recebemos o lucro. Temos que trabalhar para lucrar. É, no final das contas, um pequeno negócio.

Os valores nos investimentos imobiliários costumam ser maiores do que os necessários para outros investimentos mais simples, então normalmente temos nos investidores imobiliários o tipo de pessoas que já alcançou certo sucesso no acúmulo de dinheiro. Isso já é um indicativo de qual investimento costuma dar melhores resultados 🙂

3. Ações

Já expliquei acima os problemas de investir em ações com foco em especulação, ou seja, comprar, esperando que os valores subam, para vender com lucro e então repetir esta fórmula novamente e novamente e novamente. Não temos bola de cristal, isto é especulação, jogo, loteria. Não há conhecimento que bata o mercado, basta analisar que ao longo da existência das bolsas de valores, nenhum investidor particular se destacou por anos e anos de resultados superiores a média do mercado total das ações negociadas. Ou melhor, há UM investidor que se destaca: Warren Buffett. O que ele faz? Investe nas empresas, para ser sócio das mesmas, sem se preocupar tanto com o sobe e desce do valor delas. E o que faz com os lucros gerados por estas empresas em que investe? Usa para investir em mais empresas ou comprar mais participação nas empresas que já possui em sua carteira de investimentos.

Quer repetir esta estratégia vencedora? Invista nas empresas que você conhece, que possuam espaço para crescer, que estejam sendo negociadas pelo preço que valem segundo algum critério técnico conhecido. Depois disso, não venda, não se preocupe com a cotação da mesma, reaplique os dividendos anuais seguindo a mesma regra e continue fazendo isso com regularidade ao longo de vários anos, até formar um patrimônio decente. Talvez algum dia você possa dizer o mesmo que o Warren disse na última assembléia dos acionistas de sua empresa:

Não quero ser conhecido como o maior investidor do mundo. Quero ser conhecido como o mais velho investidor do mundo.

Vida longa e próspera ao Warren Buffett e a seus bons exemplos de vida.

4. Fundos de renda fixa

Os fundos de renda fixa, a poupança e o juntar dinheiro debaixo do colchão, são no final das contas quase a mesma coisa. O problema não está no investimento e em seus baixos rendimentos, mas sim nas pessoas, na vida diária, nos hábitos de consumo e na satisfação antecipada de todos os nossos desejos.

Se você investir R$ 100 por mês, durante 20 ou 30 anos, recebendo 0,5% a.m. de juros, você irá se aposentar com vários milhares ou milhões de reais… Aquela histórinha da mágica dos juros compostos… Tudo isso é real, funciona, mas costuma funcionar só no papel, porque, com toda sinceridade, me apresente UMA SÓ PESSOA que tenha investido regularmente, por mais de 20 anos, todos os meses, atualizando os valores anualmente, sem tirar parte do dinheiro do fundo de investimento ao longo de todo esse período. As pessoas não são assim. Vão trocar de carro, vão desejar comprar um imóvel, fazer uma reforma no apartamento que possuem, viajar para conhecer novos países… Para tudo isso, não irão formar uma nova reserva destinada a estes objetivos, irão usar o dinheiro que está lá aplicado, afinal, “trabalharam tanto para isso, merecem este presentinho”. No final, a quantidade de vezes que esses “presentinhos” ou pequenos mimos são auto-proporcionados ao longo dos tais 20 ou 30 anos, acaba com a possibilidade da tal mágica dos juros compostos de atuar verdadeiramente. O problema não é matemático, é pessoal. Não somos máquinas, agimos por impulsos e por desejos.

É muito fácil usar dinheiro líquido. E depois que o usamos, não há mais chance de arrependimento, não adianta chorar sobre o leite derramado, o dinheiro se foi. Precisamos dificultar o uso das nossas reservas em coisas que não sejam relacionadas ao crescimento do patrimônio, justamente para nos dar tempo de pensar na “besteira que iremos fazer”. Não quer dizer que não devemos viajar, reformar o apartamento ou trocar de carro, muito pelo contrário, a vida é uma viagem em que o que importa é o caminho, não o ponto de chegada. Só que precisamos nos proteger para não consumir antecipadamente os valores necessários para viver com conforto os últimos quilômetros desta nossa caminhada.

5. Outros investimentos

Há diversas outras maneiras de investir, mas se não estão listadas com um tópico nominal, se não são normalmente incluídas nas listas de investimentos “normais”, é porque estes investimentos não são para as pessoas comuns. São para os entendidos do assunto. Inclua aqui o investimento em petróleo, minas de carvão, minérios, pedras preciosas, artigos colecionáveis, obras de arte. Inclua também Forex, negócios de marketing multi-nível. Esta categoria é a das excessões, não é para as massas. Cada um destes “investimentos”, colocado entre aspas por não serem realmente investimentos, mas sim negócios, possui um mundo de conhecimentos necessários para se obter sucesso com os mesmos. Se você está se aperfeiçoando em alguma destas alternativas, desejo todo o sucesso, mas não perca seu tempo tentando dizer que “qualquer um” pode investir desta maneira.

A dica mais importante que já ouvi sobre investimentos.

Um amigo que trabalha muito, excelente profissional que ganha muito dinheiro fazendo o que ama, certa vez me disse:

Fabrício, eu sei como ganhar dinheiro na minha profissão. Tu podes ver que na verdade ganho muito dinheiro fazendo o que gosto. Sei que é importante investir com sabedoria para que meu dinheiro ganho com suor se multiplique, mas cada minuto que eu perco buscando pessoalmente mais rendimentos para o que já ganhei, é um minuto em que deixo de ganhar dinheiro novo. E de nada adianta eu conseguir descobrir uma maneira de ganhar 0,2%, 0,8%, ou mesmo 2% a mais que seja, se eu não tiver o dinheiro para que estes percentuais possam render sobre.

Eu sei o que gosto de fazer e sei como ganhar dinheiro com a profissão que escolhi. Deixo para quem é apaixonado por otimização de investimentos a tarefa de cuidar do que já consegui juntar. Pago bem os profissionais que me auxiliam nesta tarefa, vendedores, corretores, consultores, pois sei que obtenho resultados muito melhores do que obteria sozinho.

A dica acima não foi apenas a melhor dica que já ouvi sobre investimentos, foi também o melhor elogio que já recebi pelo meu trabalho.

O que funciona para mim, para meu perfil e minhas habilidades?

Estou completamente fora do perfil das pessoas normais. Já atingi minha independência financeira, ou seja, não precisaria trabalhar para manter meu padrão de vida atual. Por outro lado, sou muito inquieto, preciso estar sempre evoluindo e criando novos negócios. Sou empreendedor, gosto de novos desafios. Então preciso de investimentos que sejam o mais automatizados possível, que não necessitem de minha atenção diariamente, para que possa continuar fazendo o que gosto, criando novos negócios.

Além do já exposto, gosto muito de viajar, então também é importante que possa manter meus investimentos e negócios crescendo mesmo com periodos longos de ausência física. Tenho que poder manter os investimentos andando através das maravilhas da tecnologia, ou seja, correio, telefone e internet.

No meu caso específico, resolvi todos os problemas com uma ação aparentemente simples: a participação em um conjunto de empresas que mantém meus investimentos em constante crescimento. Montei para mim mesmo uma estrutura empresarial de investimento. Desta forma, as empresas, sócios e funcionários cuidam do dia a dia da operação e eu cuido de definir os rumos e estratégias desta estrutura.

Hoje em dia possuo uma fórmula muito simples, mas extremamente efetiva, que me permite investir de maneira automática, reinvestindo os lucros, enquanto vivo em qualquer lugar do planeta, sabendo que há uma estrutura empresarial cuidando dos detalhes de manutenção destes investimentos. Isto me permite obter os resultados dos investimentos em negócios e em imóveis, com a facilidade dos investimentos mais simples de renda fixa.

Claro que o que eu preciso fazer, saber e estar a par para tocar toda esta estrutura é muito mais do que simplesmente investir em um fundo de renda fixa, mas por poder manter esta máquina de investimentos funcionando mesmo que fique distante alguns meses, é uma estrutura que funciona perfeitamente para o meu caso.

Montar este conjunto de empresas de investimento foi o meu aprendizado dos últimos 22 anos. Otimizar e automatizar ao máximo esta estrutura foi a tarefa dos últimos 10 anos. O melhor de tudo é que isto é só o começo…

Como posso ajudá-lo a melhorar seus investimentos e mantê-los da maneira mais automatica possível?

O melhor de tudo na estrutura de investimentos que montei para mim mesmo é que fiz isso de tal forma que fica fácil agregar novos participantes no mesmo modelo de negócio. Desta forma, montei algo para meu próprio uso que acabou se tornando um novo negócio. Hoje, você pode investir não apenas da mesma forma que eu próprio invisto, mas pode fazer mais, pode ser meu sócio exatamente nos mesmos empreendimentos imobiliários em que estou investindo. Tudo isso com a facilidade de um investimento comum.

Como todos os meus investimentos tem o objetivo de formação de patrimônio da maneira mais efetiva possível, não é um investimento para quem tem pressa ou deseja aplicar o dinheiro por um curto periodo de tempo. Os investimentos são em imóveis, os prazos devem ser levados em conta. Um prédio pequeno leva um ano e meio para ser construído, isto sem contar os prazos de projeto e aprovações nos diversos orgãos municipais. Quando compramos um terreno, podemos levar alguns meses estudando qual a melhor forma de lucrar no local, por exemplo decidindo entre construir um imóvel residencial, comercial ou misto.

Uma das melhores características desta estrutura de investimentos que montei é que ela permite a entrada de investidores de todos os portes. Hoje tenho amigos investindo R$ 430 mensais, junto de outros que investem três milhões de reais de uma só vez. O funcionamento é relativamente simples, invisto em cartas de consórcio de imóveis que ao serem contempladas são investidas na construção de imóveis para venda. O conjunto das empresas de que sou sócio cuida de todos os detalhes. Não vou explicar tudo neste artigo, o funcionamento disto está bem descrito no site Investimento em imóvel.

Eu já descobri qual é o melhor investimento para meu dinheiro. Se você acha que posso te ajudar com isso, será um prazer lhe receber como sócio. Para o primeiro passo, basta seguir as orientações descritas em http://www.megacombo.com.br/como-investir.

Circuito Money Sul de Educação Financeira 2010

Estive em Lajeado no dia 29 de abril para a realização da primeira edição do ano do Circuito Money Sul de Educação Financeira. Este ano, evoluindo em relação ao formato do ano anterior, quando ainda se chamava Circuito Universitário Money Sul, o formato foi o de Talk Show, com um mediador apresentando os participantes, suas qualificações e fazendo uma bateria inicial de perguntas.

Depois desta abertura, o espaço foi aberto para o público fazer suas perguntas para cada especialista. Abaixo, uma amostra do salão cheio e uma foto deste que vos escreve 🙂

A próxima edição será no dia 20 de maio, no Instituto Eckart.

Alta dos juros, duas visões

Apenas um recorte do jornal Correio do Povo de hoje, com duas visões sobre a decisão do Copom de aumentar a taxa Selic.

Aproveito para lembrar quem deseja investir em imóveis usando os consórcios que há diversos textos explicativos sobre o assunto nos sites:

http://www.investimentoemconsorcio.com.br

http://www.investimentoemimovel.com.br

http://www.megacombo.com.br

Rodobens lança consórcio para reforma de imóvel

Nesta quarta-feira a Rodobens lançou, em transmissão nacional para seus representantes, mais um produto inovador no mercado: o consórcio para reforma de imóvel, com valores entre R$ 19.000 a R$ 38.000 e prestações a partir de R$ 499,38

O plano base é de 48 meses com 192 participantes, com opção de pagamento também em 12, 24, ou 36 meses, além dos 48 meses originais.

O novo produto conta com vários diferenciais já conhecidos pelos clientes da Rodobens, como o lance fixo, prêmio pontualidade seguro que sorteia todas as semanas R$ 31.384,00 pela loteria federal, além de quatro contemplações previstas mensalmente, uma por sorteio, duas por lance livre e uma por lance fixo de 10 parcelas (do plano base de 48 meses). Há ainda um seguro desemprego que cobre 3 meses de prestações de acordo com as especificações constantes no contrato.

A próxima assembléia acontece no dia 16/04/2010 e os interessados de todo o Brasil podem entrar em contato com a Megacombo, representante Rodobens categoria Diamante, para adquirir seus planos a partir de hoje.

Uma última característica deste plano, que não aparece nos prospectos, mas que é o maior diferencial entre usar este plano específico em relação a usar um consórcio de imóveis para efetuar uma reforma, é a possibilidade de efetuar a reforma mesmo em imóveis financiados ou alienados em garantia a outras instituições de crédito. Dependendo do saldo devedor do consórcio é feita uma análise de crédito e podem ser dados outros bens, como carro, em garantia, podendo, em muitos casos haver até mesmo a liberação de garantias físicas.

Abaixo, em primeira mão, a tabela de valores de crédito e prestação para cada um dos planos.

Lembrando novamente que a próxima assembléia acontece no dia 16/04/2010 e os interessados de todo o Brasil podem entrar em contato com a Megacombo, representante Rodobens categoria Diamante, para adquirir seus planos a partir de hoje.

FGTS pode ser usado para amortizar prestações do consórcio imobiliário

Excelente notícia para quem desejava quitar seu imóvel adquirido através dos consórcios, a partir de amanhã o FGTS poderá ser utilizado para quitar ou amortizar o saldo devedor dos consorciados.

Leia a notícia completa e as regras para obter este benefício no site da Megacombo.

Lucro na venda ou patrimônio e renda?

Hoje recebi um email que mereceu uma resposta pública, pois notei que podia ajudar mais pessoas a tomar a decisão mais lucrativa a longo prazo. Aproveitei então para escrever o primeiro tópico de discussão no meu mais novo projeto, a Sociedade do Imóvel. Este é um pré-lançamento, já temos um logotipo, mas não temos ainda o cabeçalho do site. Os textos iniciais estão saindo do forno, esta semana publicarei um artigo detalhando um dos meus mais novos investimentos em imóveis na planta.

Sem mais delongas, leia minha resposta para a questão: é melhor vender a carta de consórcio com lucro ou investir o crédito contemplado em imóveis?

Porque eu defendo o investimento em consórcios

Ontem recebi email de um leitor dos meus sites e artigos. Estava interessado no investimento em consórcios, mas com algumas dúvidas, suscitadas por informações aparentemente contraditórias que leu em uma revista. Reproduzo abaixo o email, sem identificar o autor, e minha resposta para o mesmo. Acredito que esta tenha sido a melhor resposta que poderia dar a todos que tentam buscar algum objetivo obscuro ao fato de eu explicar esse investimento com tanto desprendimento, “oferecendo o ouro ao bandido”.

Sent: Monday, June 29, 2009 9:50 PM
Subject: Investimento em Consórcios

Boa noite,

Estava navegando pela internet, e me deparei com alguns artigos seus. Como tenho bastante interesse em investimentos, entrei no site http://www.investimentoemconsorcio.com.br, onde fiquei muito interessado.

Tenho muitas dúvidas, como muitas pessoas em qual é o investimento mais adequado, etc, etc, e estou lendo e pesquisando bastante, antes de começar um. Como recentemente mudei de emprego, cidade e tive que me sustentar sozinho, não consegui reservar dinheiro para investimentos, mas hoje vejo que é ponto chave para começar um, pois tenho 26 anos, e agora consegui um emprego onde consigo me sustentar e ter uma reserva todo mês.

Li em seus artigos, onde defende que o investimentos em consórcios é bom negócio, que traz bons retornos e tal, gostaria de saber se este consórcio é como outro consórcio imobiliário qualquer, pois andei lendo sobre o consórcio em imóveis, e alegavam que este não era um bom negócio, pela demora em tirar o bem, se não sorteado, etc. Na edição na Você SA deste mês também fala sobre isto.

Gostaria de saber porque defende tanto este investimento em consórcio?

Agradeço.

Oi Diego,

Eu não defendo o investimento em consórcio. Eu invisto pessoalmente em consórcios, da maneira que explico no site http://www.investimentoemconsorcio.com.br

Invisto pessoalmente em consórcios desde abril de 2002. Na época em que a Bovespa teve suas maiores altas, eu investia em consórcios. No final do período de altas da Bovespa, fiz uma planilha comparando os meus pagamentos mensais do consórcio e simulei um investimento em ações (índice Bovespa) com os mesmos valores mensais durante todo o período. Mesmo tendo sido a maior época de alta da Bovespa nas últimas décadas, meus investimentos em consórcio renderam 30% a mais. Isto sem acrescentar nestes cálculos os juros da renda fixa intermediária onde deixava os lucros obtidos com as contemplações das cartas de crédito.

Publiquei aqui no Moeda Corrente, em 2003, um artigo explicando o que fazia, como investia. Este artigo serviu de base para o site explicativo que citei acima. Nos meses seguintes, muita gente se interessou pelo artigo, pelo investimento, e resolveu fazer o mesmo que eu vinha fazendo. Me pediam orientação e eu orientava. Não ganhava nada por isso, mas também não me custava nada. Além do mais, estava fazendo novos amigos com interesses em comum, amigos interessados em investir e fazer crescer seu patrimônio. Amigos que no futuro poderiam ser parceiros em investimentos maiores.

Em 2005, depois de ter indicado dezenas de clientes para a Rodobens, a administradora que cuida dos meus consórcios pessoais, fui convidado por eles a ser representante de seus consórcios. Desta maneira, receberia uma pequena comissão por cada indicação que fizesse. Como ganhar dinheiro sempre é bom, abri uma empresa, a Megacombo, e continuei orientando as pessoas neste investimento da mesma forma que fazia antes. Passei a receber por algo que eu já fazia de graça, o que sempre é legal.

Ao longo destes anos, tenho meus resultados pessoais e também o resultado de muitos desses amigos para ajudar nos exemplos de lucro possíveis que descrevo nos artigos. Não tento convencer ninguém a investir em consórcios, isso é uma decisão pessoal de cada um. O que faço, isso sim, é ser transparente no que faço, é contar meus segredos de investimento sem medo de ser imitado. Vivo em um mundo onde há dinheiro para todos, logo, ajudar outras pessoas a ganhar mais não fará com que eu ganhe menos. Pelo contrário, ajudar outras pessoas a ganhar mais me aproximará de pessoas com os mesmos objetivos que eu, construção de patrimônio para uma vida melhor e um futuro mais seguro. E como já escrevi antes, junto dessas pessoas de pensamento semelhante, surgem oportunidades de investimentos maiores, investimentos que provavelmente não conseguiríamos fazer sozinhos.

Tudo isso deu tão certo para mim, que no início de 2008 vendi minha empresa de internet e passei a dedicar todo meu tempo livre a escrever artigos sobre finanças pessoais, investimentos criativos como são os investimentos em consórcios, artigos sobre atitude empreendedora e pensamento positivo, sempre lembrando que apenas o pensamento positivo não leva a nada se não for seguido de uma ação positiva para chegarmos a um resultado efetivo.

O que outros artigos ou revistas falam sobre os consórcios provavelmente tenha seu lado da verdade, mas falam apenas de algumas situações específicas, bem diferentes das situações que eu descrevo. Se tu me perguntares se o consórcio é uma boa forma de adquirir um imóvel imediatamente, sem ter nenhum valor para dar de entrada, minha resposta será que não, porque realmente não é. Em outras situações, poderia ser. Agora, dizer que consórcio não é investimento, baseado em achismos, simplesmente não me atinge, pois sei, na prática, que funciona e funciona absolutamente bem.

Hoje em dia, acompanho amigos investindo na construção de imóveis, investindo em salas comerciais onde o aluguel paga o restante das prestações de suas cotas de consórcio, amigos que adquiriram a casa própria de maneira muito mais barata do que se tivessem optado por um financiamento, amigos que mudam para um apartamento maior com muita facilidade por usar o consórcio para alavancar a compra do novo usando o valor da venda do antigo como entrada em uma carta já contemplada. Acompanho amigos que se juntam para construir pequenos prédios, que não poderiam atingir se não tivessem sido apresentados por meio desta rede de investidores que se forma ao meu redor.

O investimento em consórcios é apenas a porta de entrada para um mundo muito maior de investimentos, mas como todo caminho, tem um princípio, um aprendizado inicial, uma etapa de preparação para investimentos maiores. Não podemos construir um prédio sem a experiência de construir uma casinha. Há degraus para subirmos na escada dos investimentos com segurança. Ao mesmo tempo, não devemos nos preocupar com esses degraus que devemos subir. Construir e vender uma casa gera um lucro percentualmente semelhante a construir e vender um prédio inteiro. A diferença está na escala de valores, o investidor que constrói um prédio teria que construir centenas de casinhas para dar vazão ao seu capital. Então esta escada que subimos é o processo natural do nosso crescimento como investidores.

Como escrevi no início, não defendo o investimento em consórcios. Eu apenas explico a forma como invisto pessoalmente e os resultados que tenho obtido. Se esta explicação faz sentido para ti, se consegue entendê-la, e se tiver interesse em investir desta maneira, coloco minha experiência à disposição para te ajudar a investir da mesma maneira.

Para iniciar o investimento em consórcios basta seguir as orientações em http://www.megacombo.com.br/como-investir

Abraço,
Fabricio.

Mais picaretagem envolvendo o lance embutido nos consórcios

Por WANDERLEY ARAÚJO.

Nova malandragem no concorrido mercado da picaretagem. Vendedores autônomos estão empurrando contratos de consórcio em consumidores incautos que assinam os documentos acreditando que vão receber empréstimo de dinheiro em supostas operações de crédito rápido e fácil, sem avalista, sem SPC, sem Serasa, com limite de até R$ 100 mil.

Eles agem graças às falhas no setor de consórcio que não dispõe de nenhum controle sobre as pessoas que vendem este tipo de produto. Segundo Osvaldo Moraes, diretor do Procon, não há entidade ou lei que regule a profissão dos vendedores autônomos de consórcio.

Qualquer picareta que quiser se aventurar a vender planos basta colocar uma pastinha debaixo do braço e sair por aí a oferecer o produto.

O Procon tem dezenas de casos de pessoas lesadas por estes maus vendedores. A vítima muitas vezes é atraída por anúncios nos classificados de jornais com a promessa de liberação de empréstimo “sem avalista e sem burocracia”. Quando vai atrás do dinheiro encontra, na verdade, o vendedor mal intencionado de consórcio.

Com poder de persuasão, ele explica que na verdade trata-se de um consórcio mas que o dinheiro sairá em poucas semanas pois a vítima será contemplada se oferecer um determinado lance na carta de adesão. O dinheiro para o lance é tirado do próprio consórcio, por intermédio de hipoteca ou alienação que servem de lastro no contrato, numa operação legal conhecida no mercado como “lance embutido”.

Se o cidadão precisa, por exemplo, de R$ 30 mil, ele assina um contrato no valor de R$ 40 mil para que R$ 10 mil seja ofertado como lance; quando for contemplado com os R$ 40 mil o cliente restitui os R$ 10 mil ao consórcio.

O Banco Central não tem como punir – A encrenca acaba desaguando no Procon quando o tempo passa e o tão sonhado empréstimo nunca aparece.

Como a vítima assina normalmente um contrato de consórcio e fica apenas com a promessa verbal do vendedor de que receberá o empréstimo mediante a suposta contemplação, o consumidor lesado não tem sequer meios legais de acionar o caso na Justiça ou no Procon. “O que vale é o que está no papel. A vítima, na verdade, assina um contrato de consórcio e fica amarrada a este tipo de plano. O consumidor deve ficar muito atento, pois não existe contemplação de consórcio pré-fixada”, alerta Osvaldo Moraes.

O interesse do vendedor em toda a maracutaia é receber uma comissão a título de taxa de adesão, que varia de 1,5% a 2%, sobre o contrato.

Uma administradora, entre várias que tiveram problemas em função da ação de vendedores inescrupulosos, para se preservar, acabou com o lance embutido em suas operações. É através desta modalidade de lance que o vendedor usa o argumento de que a vítima será contemplada de forma rápida.

O Banco Central diz que não tem como punir este tipo de golpe pois a vítima acaba assinando um contrato formal de consórcio.

Fonte: http://www.condominios.com.br/sitecond/noticias/dicas/jc111101.htm

—–

Por tudo isto é que sempre oriento os amigos a conhecer bem com quem estão investindo seu dinheiro, saber do histórico e das realizações da empresa que irá administrar o grupo de que fazem parte. Para saber em quem eu confio e como invisto meu dinheiro, conheça os sites http://www.investimentoemconsorcio.com.br e http://www.investimentoemimovel.com.br.

Adquira seus consórcios com quem sabe o que faz, procure a Megacombo e fale diretamente comigo.

Abraços,
Fabricio S. Peruzzo.

Como ganhar mais dinheiro e conhecimento com o Efeito Medici.

Hoje, respondendo a um email, meu cérebro fez um click diferente e comecei a escrever um monte de coisas aparentemente desconexas mas que no final, fizeram todo o sentido. Pelo menos para mim.

Resolvi relatar isso aqui, em parte porque se deixasse perdido na minha caixa de “Itens Enviados”, ficaria lá, no limbo. E em parte porque alguém mais pode se beneficiar das descobertas que fiz. Resumidamente se trata de aprendermos com as experiências dos outros e de ajudarmos os outros sem esperar retorno, pois com certeza ele virá de formas que nunca poderíamos imaginar.

A história da criação da Megacombo, minha empresa para a venda de consórcios é meio reflexo disso. O que fiz foi simplesmente expandir meu investimento pessoal em consórcios divulgando o que fazia e ajudando outras pessoas a ganhar dinheiro da mesma forma que eu estava ganhando. E ao fazer meus movimentos no tabuleiro, mover junto todas as peças dos amigos que resolveram investir da mesma forma que eu.

Agradeci ao Gabriel por ter enviado o email que originou este assunto. Ele simplesmente pedia informações sobre o investimento em consórcios, mas fez isso de forma impessoal, mandando um email para megacombo (a) megacombo.com.br e não para meu email pessoal fabricio (a) megacombo.com.br, e escrevendo que descobriu o site lendo um artigo “do Fabrício”, sem saber que a Megacombo é uma empresa de um homem só 🙂

Por conta disto, achei que seria legal da minha parte me apresentar direito, apresentar a Megacombo, explicar que nas outras empresas que tenho participação, tenho sócios, funcionários, parceiros diversos, mas na Megacombo sou apenas eu. Na verdade, não sou apenas eu. Foi o que iria tentar explicar. Sou eu, mais o conhecimento coletivo de todos que entram para este meu mundo particular.

Por exemplo, um amigo de Minas Gerais contemplou uma carta e com ela, adquiriu uma unidade em um flat da região. Me mandou um email falando disso, dando detalhes do que havia feito e de como estava ganhando com isso. Aqui em Porto Alegre, conversei com outro amigo sobre esse assunto. Ele gostou e arquivou a informação dentro da cabeça dele. Uns meses depois, surgiu uma proposta de aquisição de um flat para esse meu amigo. Coincidência? Pode ser. Prefiro chamar de sincronia. De toda forma, boa parte do conhecimento de como funcionaria este investimento já tinha sido mastigado no cérebro deste meu amigo. Isso permitiu um grande atalho entre o tempo de receber a proposta, analisar e finalmente partir para a ação e adquirir este flat. Então hoje, tenho dois amigos ganhando dinheiro com a integração de consórcios e flats. E se mais algum cliente meu pensar nisso, tenho as informações e posso fazer as conexões necessárias entre as pessoas.

Li ontem sobre o Efeito Medici no Copyblogger, deixo o link original para quem se interessar e já proveito para sugerir a leitura dos posts que ele indica no primeiro parágrafo:

http://www.copyblogger.com/medici-effect/

Para quem não sabe inglês ou não quer ir lá ler o original agora, um pequeno resumo é que entre os séculos 13 e 17 a familia Medici patrocinou uma série de pessoas de diferentes locais, habilidades e culturas a se juntar em Florença e entrar em contato umas com as outras, trocar idéias e colaborar entre sí. A interseção de todos esses conceitos e histórias pessoais diversas foi o que permitiu o surgimento do Renascimento, uma das eras mais inovadoras da humanidade.

Então pensando em tudo isso, me dei conta do que faço em relação ao investimento em consórcio. E como aprendo com isso de formas impossíveis de aprender se não fizesse da forma como faço. Vamos ver se consigo explicar de forma mais clara…

É como se eu fosse um enxadrista, jogando diversas partidas simultâneas com diversos adversários simultâneos. A cada movimento de cada adversário, tenho que analisar as possíveis consequências futuras dos meus movimentos em cada tabuleiro. Com o avançar das partidas, o fato de estar jogando as diversas partidas faz com que pequenos desvios ocorridos no início de uma partida qualquer não ocorram em momentos mais avançados de outras partidas. O aprendizado antecipado das consequências em um momento menos crítico em outra partida, evita o erro em um momento mais avançado de outra. Consegui ser claro?

Cuidando dos meus investimentos pessoais, aprendo apenas com meus movimentos e minhas informações. Cuidando dos investimentos de dezenas ou centenas de outras pessoas e analisando os números, situações de vida, momentos pessoais, mercado da cidade de cada um, opções de compra e venda diversas, consigo misturar tudo isso e ajudar uns e outros com o resultado conjunto de todas as variáveis disponíveis, sem depender apenas das variáveis de conhecimento específicas de cada caso. Consigo antecipar possíveis problemas antes que eles efetivamente se tornem problemas, porque tenho o histórico de outros que me permite relacionar ações anteriores com resultados posteriores.

Então me desculpei com o Gabriel, porque tudo isso não tinha nada a ver com o motivo pelo qual ele me escreveu, que era simplesmente começar a investir em consórcios ou investir em imóveis através dos consórcios. E pedi que ele tratasse de tudo isso como se estivessemos conversando numa cafeteria e de repente eu pedisse licença por um minuto e começasse a escrever alucinadamente em uma pilha de guardanapos (não seriam guardanapos, quase sempre tenho um bloco de notas comigo).

E então, me acompanha neste café?