EXCLUSIVO: Curso de arbitragem internacional de Bitcoins em Nova York!

Gravei este video em Nova York, onde estava finalizando os últimos detalhes do curso de arbitragem internacional de Bitcoins que vou ministrar no final de julho em Nova York mesmo.

Além do curso, farei o acompanhamento pessoal para a abertura de conta bancária nos USA, de maneira a poder executar as operações de arbitragem em série, quando a janela de arbitragem Brasil-USA abrir.

Este vai ser um curso diferente, com a aplicação prática e imediata de tudo que vamos ver ao longo de uma semana na cidade. Tu vais ter meu acompanhamento pessoal em cada detalhe. Vai ser uma imersão no assunto, mas também uma imersão na cultura de negócios dos Estados Unidos. A gente não vai só falar sobre os tópicos referentes à arbitragem com os Bitcoins, mas também aplicar tudo isso na prática.

Se tivermos sorte, e a janela de oportunidade se abrir enquanto estivermos aqui, iremos inclusive operar um giro da arbitragem, provavelmente ficando com todos os custos do curso e da viagem pagos antes mesmo de voltarmos ao Brasil.

Deixa eu falar rapidamente sobre o assunto arbitragem e sobre o que o curso vai cobrir.

A arbitragem com Bitcoins consiste basicamente de nos aproveitarmos das distorções de preço que ocorrem de tempos em tempos entre as cotações nas corretoras brasileiras e estrangeiras. Quando esta janela de oportunidade se abre, os preços no Brasil costumam ficar até 20% mais caros do que no exterior, criando a situação perfeita para gente lucrar comprando no exterior e vendendo mais caro no Brasil.

Uma das grandes vantagens da arbitragem internacional com Bitcoins, é que operando desta maneira a gente fica bem menos expostos à altíssima volatilidade dos preços do Bitcoin. Não nos interessa se ele está caro ou barato, só nos interessa a relação entre os valores no Brasil e no exterior, e quando estes valores permitem a operação, a gente simplesmente lucra de forma rápida e saímos o quanto antes do risco da moeda digital. Nós só mantemos os Bitcoins durante o tempo necessário para concluir um giro da operação, e isto significa apenas umas poucas horas.

Temos diversas formas de implementar essa operação, sendo duas as mais tradicionais.

1. A gente pode executar a arbitragem sem possuir conta bancária no exterior;

Ou

2. A gente pode executar a arbitragem utilizando uma conta bancária no exterior, seja nos Estados Unidos, seja em algum país europeu.

No curso, eu poderia ensinar como fazer a operação sem possuir conta no exterior, mas este curso, na verdade, não é para quem quer fazer isso, porque essa operação mais trivial eu já ensino agora mesmo, ela é bem simples: quando a diferença de preço do Bitcoin entre as corretoras no Brasil e no exterior estão parelhos, ou seja, sem nenhum ágio, ou com bem pouco ágio, a gente simplesmente adquire Bitcoins no Brasil, envia para uma corretora no exterior, e vende eles imediatamente, ficando com dólares na conta da corretora estrangeira.

Fazendo assim, a gente não corre mais o risco de ver os Bitcoins despencando de valor e nosso dinheiro ir para o ralo. Claro que com isso a gente também não participa de eventuais subidas rápidas do Bitcoin, mas quem quer fazer arbitragem está buscando uma forma mais segura de lucrar, sem correr os riscos dos altos e baixos violentos pelos quais o Bitcoin passa de uma hora para outra. A arbitragem não é para quem deseja investir em Bitcoins, mas sim para quem deseja executar operações pontuais com menor risco e alta lucratividade.

Depois de ter enviado o dinheiro para corretora fora do Brasil, quando a janela de oportunidade da arbitragem se abre, ou seja, quando o preço do Bitcoin nas corretoras brasileiras se torna bem mais alto do que nas corretoras do exterior, a gente simplesmente faz a operação inversa, compra Bitcoins no exterior com o dinheiro que a gente tinha previamente enviado para a corretora lá fora, envia esses Bitcoins para a corretora no Brasil, vende os Bitcoins pelo valor mais alto e deixa ali em reais, paradinhos na conta, esperando novamente surgir a oportunidade de enviar o dinheiro para o exterior quando essa diferença de preço cair.

Dado o histórico do valor do Bitcoin em relação à estas oportunidades de arbitragem, elas costumam acontecer em períodos entre duas semanas a dois meses. Como em cada operação é possível lucrar até 20% sobre os valores investidos, a gente pode dizer que é relativamente fácil conseguir 100% de retorno em apenas um ano. A gente só precisa deixar o dinheiro lá quietinho, aguardando a oportunidade surgir e executando as operações de tempos em tempos. Se tivermos apenas uma operação a cada dois meses, já está aí nosso dinheiro dobrado depois de um ano.

Claro que não a gente não deve investir todo nosso dinheiro nisso. Tem uma serie de riscos envolvidos, que também vão ser tratados no curso, mas só para adiantar, um deles é o risco de contraparte, que basicamente significa o risco da corretora em que a gente tem nossa conta passar por problemas. Mesmo com nosso dinheiro estando em moeda fiat, reais ou dólares, quem garante nosso investimento é uma empresa que pode passar por dificuldades em qualquer momento.

Outros riscos envolvem questões de tecnologia, acesso aos dados, velocidade e congestionamento da rede de transações de forma a executar as operações de compra e venda em um prazo factível. Enfim, é uma excelente forma de lucrar, mas não dá para ir com muita sede ao pote sem conhecer os riscos que se corre.

Mas voltando ao que interessa, os lucros, vamos passar à segunda maneira de operar as arbitragens, uma forma bem mais lucrativa e rápida, além de muito mais segura, que é a operação através de conta bancária no exterior.

Usando uma conta bancária no exterior a gente pode lucrar muito mais pelo simples motivo de que em cada janela de arbitragem que se abre, a gente pode executar não só uma, mas várias operações de arbitragem em sequência.

Quando a diferença de preço entre as corretoras nacionais e estrangeiras fica alta, a gente envia dinheiro da nossa conta corrente no Brasil para conta corrente no exterior.

De lá, a gente envia o dinheiro para a corretora estrangeira, compramos os Bitcoins, enviamos esses Bitcoins para a corretora no Brasil, vendemos os Bitcoins com lucro, mandamos o dinheiro para nossa conta corrente brasileira e neste momento, se a janela de arbitragem continua aberta, a gente pode repetir a operação quantas vezes for possível.

Nosso lucro, que na operação sem conta corrente no exterior terminaria no primeiro giro, agora pode rodar duas, três, cinco vezes na mesma janela de oportunidade, sendo possível então até dobrar nosso capital em apenas duas semanas.

O melhor de tudo isso, é que nos momentos em que a janela de arbitragem está fechada, ou seja, nos momentos em que não podemos executar as operações, nosso dinheiro não está parado na conta de uma corretora qualquer de Bitcoins, mas sim, está seguro em uma conta bancária que possui todas as garantias e seguranças que o sistema financeiro nos proporciona.

Vamos falar então sobre o curso…

O curso de arbitragem internacional de Bitcoins vai ser um curso de uma semana em Nova York passeando comigo pela cidade. O grupo, que vai ser necessariamente limitado para eu poder dar atenção individual a cada um, vai sair por Nova York conhecendo as cafeterias e locais agradáveis que eu costumo frequentar quando venho à cidade, a gente vai conversar sobre os tópicos necessários à compreensão das operações, dos riscos e das possibilidades de lucro.

Uma parte importante desses passeios é a visita aos bancos que eu indico para abertura de conta corrente, explicando os motivos da escolha de cada banco, indicando o melhor banco de acordo com o perfil de cada um, e principalmente, acompanhando um a um na abertura da sua própria conta bancária durante esta semana do curso.

Como falei antes, o curso é prático, o objetivo é concluir não só aquilo que é necessário para começar a lucrar, mas também, se houver a possibilidade de uma janela de arbitragem estar aberta, já fazermos as operações juntos, e ter o curso e a viagem pagos antes mesmo de voltarmos ao Brasil.

Então eu te pergunto: está pronto para lucrar comigo? Vamos passear em Nova York e ganhar dinheiro juntos?

Me manda um email caso esteja interessado, porque a partir de agora pretendo ministrar este curso com alguma regularidade. Então independente de quando tu estiver assistindo este video, é provável que em até três meses a gente possa ter uma nova turma viajando para lucrar. E se tu tens um grupo de amigos interessados em investir juntos, fala comigo que a gente pode bolar algo ainda mais personalizado, feito sob medida para vocês.

Vai ser um prazer ajudar a fazer o teu dinheiro crescer. Essa é minha missão, vem comigo.

Um grande abraço, direto aqui do frio congelante do inverno de Nova York.

Lucrando diariamente com a arbitragem internacional de Bitcoins, através de conta corrente nos USA

Esta semana me dei conta de uma coisa importantíssima.

Com a conta bancária nos USA, nosso custo de envio de capital para as corretoras no exterior cai drasticamente. Basicamente pagamos apenas os 1,10% de IOF no câmbio de reais para dolares.

Juntando isso ao fato de podermos operar a arbitragem em diferentes corretoras e fazer as vendas de maneira a sermos “executados”, e não executores das ordens (importante nas corretoras que diferenciam as taxas disso), é possível lucrar praticamente TODOS OS DIAS!

No momento em que escrevo a coisa está apertada, com o ágio Brasil-exterior em apenas 2,41%. Não sugiro operar em uma situação como esta, apesar de que é uma excelente oportunidade de envio de dinheiro via Bitcoins para o exterior, para quem não tem ainda a conta corrente lá e deseja operar a arbitragem quando o ágio eventualmente aumentar.

Por outro lado, mesmo nestes percentuais, veja como ficaria o cálculo da operação:

Envio de dólares para os USA: IOF de 1,1%

Compra de Bitcoins (Bitstamp): corretagem de 0,25%

Venda de Bitcoins no Brasil: corretagem máxima de 0,3% ao sermos executados, não executores (Mercado Bitcoin, onde o preço está mais alto). Corretagem de 0,25% em algumas corretoras nacionais (como a BitcoinTrade, por exemplo, mas que no momento não compensa, pois o valor do Bitcoin está mais baixo lá).

Custo total: 1,1 + 0,25 + 0,3 = 1,65%

Lucro: 2,41% – 1,65% = 0,76%

Obtemos hoje 0,76% em uma operação que leva no máximo três dias. Em um mês conseguimos fazer pelo menos 10 dessas operações. E mesmo que não conseguíssemos, é mais do que a renda fixa nos paga por mês, em apenas uma operação de dois ou três dias, contando todo o tempo de envio do dinheiro para o exterior e os prazos de compensação bancária.

E estamos com a margem das mais apertadas possíveis. Esta margem costuma ficar sempre mais próximo dos 6%, nos dando então um percentual de 4% de lucro médio por operação, ou mais de 40% ao mês, se levarmos em conta que a cada operação estaremos negociando um valor 4% maior do que na operação anterior. A mágica dos juros compostos.

E temos este resultado mesmo sem que se abra aquela janela enorme de oportunidade que estamos esperando para operar quando usamos o formato de operação sem conta corrente no exterior.

Passei esta semana testando na prática a validade a validade da operação. No início da semana a margem estava em mais de 6,8% de diferença, mas foi caindo até chegar aos 2,41% que está neste momento. Realizei três operações simples de envio para conta corrente no exterior, compra lá fora, envio e venda aqui e novamente repetindo o giro. O resultado foi bastante positivo, as operações funcionaram como um relógio. O único cuidado extra que tive no processo foi o de buscar os pontos de entrada em momentos em que o gráfico de uma hora mostrasse sinais de subida das cotações, pois mesmo as variações diárias poderiam gerar problemas se houvesse uma queda pontual muito rápida.

No curso de arbitragem com Bitcoins que irei ministrar trimestralmente em NY, mostrarei com detalhes o funcionamento desta operação, assim como darei todo o suporte e acompanhamento pessoal para a abertura da conta corrente nos USA, sem a necessidade de endereço de residência lá, nem qualquer outro documento extra além do passaporte, visto de visitante e comprovante de endereço no Brasil.

Arbitragem inversa com Bitcoins

Já escrevi outros artigos aqui explicando sobre a arbitragem com Bitcoins. Sugiro a leitura deles antes desse aqui, caso você não saiba do que se trata. Basta procurar na lista de tópicos ao lado sobre o assunto e ver os artigos relacionados.

Esta semana, porém, me dei conta de algo que não havia pensado antes. Não é que tenha me dado conta, na verdade, é que simplesmente a situação se apresentou, e tendo notado o que estava acontecendo, o cérebro deu um estalo.

A arbitragem com Bitcoins é feita tradicionalmente quando o preço dos Bitcoins no Brasil, devido à alta procura, se torna consideravelmente mais alto do que o preço dos Bitcoins nas corretoras estrangeiras. Então compramos Bitcoins baratos lá fora, e vendemos com lucro no Brasil.

Semana retrasada tivemos uma disparidade inversa. A procura no Brasil se tornou menor do que lá fora em relação à oferta, tornando o preço do Bitcoin aqui mais barato do que lá. E isto permitiu a realização da operação oposta, comprar Bitcoins aqui e vender lá fora com lucro.

Antes de ter tido esta iluminação, havia visto estas oportunidades apenas como janelas em que poderíamos enviar dinheiro para o exterior de forma mais barata do que remessas internacionais tradicionais. Ou como a única maneira de enviar dinheiro para as corretoras no exterior de maneira a poder operar a arbitragem tradicional para quem não tivesse conta corrente no exterior.

Então naquela semana, o que já estava se sofisticando com a viagem que fiz a NY para abertura de conta corrente de maneira a operar com mais eficiência a arbitragem com Bitcoins, se tornou ainda melhor.

Aguarde mais uns dias, que em breve vou publicar um video em que explico todos os detalhes do curso de arbitragem internacional de Bitcoins que devo começar a ministrar com regularidade em NY, incluindo aí todo o suporte e acompanhamento para a abertura de conta corrente no exterior, sem a necessidade de endereço fixo nos USA ou qualquer outra complexidade deste tipo.

Enquanto isso, fique com um pequeno video “teaser” que fiz de brincadeira durante minha viagem, animado que estava com o sucesso da minha missão em NY.

Surfando a onda do Bitcoin com segurança

Hoje pela manhã o Bitcoin bateu nos R$ 66.599, e continua desafiando todos que duvidam de sua capacidade de mudar a forma como lidamos com dinheiro no futuro, mas o objetivo deste texto não é falar dos méritos do Bitcoin, mas sim, explicar como é possível lucrar utilizando os Bitcoins e as características observadas neste mercado, ao mesmo tempo em que nos protegemos das possíveis quedas.

Se o pessoal que acredita que o Bitcoin vai continuar aumentando de valor por muito tempo estiver certo, a estratégia que explico a seguir gerará menos lucros do que simplesmente comprar Bitcoins e aguardar os aumentos de preço. Por outro lado, esta estratégia mantém nosso capital na forma de dinheiro fiat (reais, dólares ou euros) na maior parte do tempo, usando o Bitcoin apenas como transporte momentâneo dos recursos entre as diferentes bolsas de negociação, tanto no Brasil quanto no exterior.

Devido à forma como as pessoas adquirem seus Bitcoins e suas preferências sobre que corretora utilizar e o país em que operam, há distorções de preço entre os mercados. As vezes, convertendo as cotações de dólar e real, a diferença de preço entre comprar o Bitcoin aqui ou no exterior pode passar de 20%. Outras vezes, essa diferença é inexistente, com os valores andando lado a lado.

O título deste artigo me veio à cabeça como uma lembrança dos tempos em que eu surfava. Naquela época, lembro de ficarmos bastante tempo simplesmente sentados na prancha, aguardando a sequencia de ondas que poderia vir em seguida. Da mesma forma é esta operação. Aguardamos pacientemente as condições ideais do mercado para realizar uma operação, surfamos a onda, e então remamos de volta para aguardar a próxima sequencia.

A estratégia é bastante simples. Quando as cotações aqui e no exterior estão parelhas, compramos Bitcoins aqui, mandamos para o exterior, e vendemos lá, mantendo um saldo em dólares, ou seja, livres de qualquer risco de queda da cotação (mas também sem surfar eventuais ondas de valorização do Bitcoin). É a escolha entre o risco e a possibilidade de alta (ou queda).

Quando a diferença entre as cotações no Brasil e no exterior se tornam muito díspares, normalmente com a cotação no Brasil bem maior do que a de fora, compramos Bitcoins lá, utilizando para isso os dólares mantidos em conta na operação anterior, enviamos os Bitcoins para cá e então vendemos nas corretoras locais, mantendo nosso saldo em reais, novamente livre das oscilações de preço dos Bitcoins.

Quando o spread normalizar (a diferença entre lá e aqui), usamos novamente nossos reais para comprar Bitcoins, enviar para as corretoras estrangeiras e mais uma vez converter nosso saldo em dólares.

Os riscos dessa operação são conhecidos, a saber:

1. Risco da contraparte: temos que ter confiança na corretora de Bitcoins que estamos utilizando, visto que nosso dinheiro, apesar de não estar “em Bitcoins”, está na conta de uma empresa nacional ou estrangeira que pode vir a ter problemas. Evitamos os problemas de roubo de chaves de segurança e de quedas de cotação, mas ainda assim, estamos confiando nosso dinheiro a uma empresa na qual não temos total controle. Por outro lado, não é muito diferente de ter nosso dinheiro em um banco. E do ponto de vista técnico, com a quantidade de dinheiro que circula nessas empresas, tenho a impressão de que possuem cabeças pensantes bastante capazes para manter os sistemas em segurança.

2. Risco de cotação: o dólar pode disparar ou despencar em relação ao real. Se disparar quando nosso dinheiro estiver lá fora, ótimo, ganhamos duplamente, mas se despencar, nosso saldo em reais cai proporcionalmente. A questão é que o dólar não costuma disparar “sem avisos”, então é questão de estar atento ao mercado e liquidar as posições antes de maiores fatalidades.

Como sempre, ficam os avisos de praxe: execute estas operações por sua conta e risco, e procure um bom contador para lhe orientar sobre as implicações fiscais para declarar corretamente seu imposto de renda.

Como fazer arbitragem com Bitcoins sem conta bancária no exterior

AVISO: Antes de fazer qualquer das operações descritas neste texto, procure um contador de sua confiança. Há detalhes operacionais importantes a serem tratados para fazer tudo dentro da lei.

Uma das maiores dúvidas de quem deseja fazer arbitragem com Bitcoins, ou seja, de ganhar dinheiro aproveitando as distorções que ocorrem de tempos em tempos entre as cotações dos Bitcoins no Brasil e nas bolsas do exterior, é como operacionalizar estas operações.

Com base na realidade dos últimos meses, você pode esperar lucros de até 18% em cada operação, podendo fazer ao menos meia dúzia de operações ao ano, ou seja, efetivamente dobrando seu capital em apenas um ano.

A forma mais trivial de fazer estas operações é a seguinte:

1. Transfira dólares para sua conta no exterior, fazendo contrato de câmbio com seu banco brasileiro para essa transferência;
2. Transfira o dinheiro de sua conta no exterior, para a conta da exchange estrangeira;
3. Compre Bitcoins na exchange estrangeira;
4. Envie os Bitcoins adquiridos para uma exchange nacional;
5. Venda seus Bitcoins em reais;
6. Apure os lucros transferindo o saldo da exchange brasileira para sua conta corrente. Pague o IR no mês seguinte, caso suas vendas ultrapassem R$ 35.000 no mês.

O problema que acontece com esta operação é que você precisa ter uma conta no exterior, e a maioria das pessoas não deseja ter o trabalho necessário para gerenciar isso (nem os custos envolvidos).

Há uma forma de fazer estas operações de maneira mais simples, sem exigir conta corrente no exterior. Apresenta um pequeno risco operacional extra, mas você estando confortável com este risco, é uma opção bastante válida. O risco que trato aqui é o risco de contraparte, ou seja, o risco de deixar seu dinheiro (em dólares) na conta da exchange estrangeira até que a janela de negociação abra novamente.

O bom desta operação é que ela funciona independente da cotação atual do Bitcoin, ou seja, você não corre o risco de quedas abruptas da cripto-moeda, pois seu dinheiro, enquanto a janela de negociação está fechada, está disponível em dólares.

Como funciona essa operação sem conta bancária no exterior?

Neste momento, a cotação do Bitcoin no Brasil está parecida com a cotação no exterior. Assim, é possível comprar Bitcoins no Brasil e enviar diretamente da exchange brasileira para a exchange no exterior, fazendo a venda dos mesmos lá fora e mantendo o saldo na exchange estrangeira em dólares. Pronto, neste momento você possui não apenas seu capital atual em moeda forte, como não está mais sujeito às quedas eventuais (nem as subidas, infelizmente) do Bitcoin.

Quando o mercado mudar, ou seja, quando eventualmente a procura por Bitcoins no Brasil se tornar novamente maior do que a oferta em relação à procura mundial, e com isso o ágio para compra de Bitcoins no Brasil aumentar muito (para os 20% que historicamente atingem com regularidade), então executamos o segundo passo da operação, comprando Bitcoins com nossos dólares no exterior, transferindo para cá esses Bitcoins e vendendo aqui em reais, concluindo a operação.

Depois disso basta deixar os reais em uma simples aplicação em renda fixa aguardando a próxima janela de ágio baixo ou nulo para nova compra aqui e posterior conversão para dólares, e então começar mais uma vez o ciclo.

Esta é uma operação para aqueles que não acreditam que o Bitcoin possa valorizar significativamente no futuro, ou para os que acreditam que possam haver quedas enormes na cotação, ou ainda para os que simplesmente não sabem o que vai acontecer e não desejam correr os riscos inerentes ao investimento nas cripto-moedas, desejando apenas se posicionar positivamente em operações simples de arbitragem de mercados.

Você pode lucrar com Bitcoins, mesmo sem investir em Bitcoins.

Abraço e bons lucros.

Uma estratégia segura para investir em Bitcoins

Esta semana a cotação do Bitcoin ultrapassou a barreira de R$ 58.000. Há menos de três meses estava em aproximadamente de R$ 13.000. Essa valorização fora de série, e a consequente publicidade que a mídia faz do assunto, fazem com que muitas pessoas se sintam atraídas a investir na criptomoeda sem realmente saber o que estão fazendo, correndo riscos altos em muitos dos casos, ao investir valores maiores do que suportam correr o risco de perder, ao achar que as cotações só andam para cima.

Então este texto mostrará uma estratégia que é bastante simples, mas ao mesmo tempo possui uma sofisticação que a torna segura para o longo prazo. Com as cotações do Bitcoin subindo e descendo como uma montanha russa, investir valores pequenos, cuja perda não impacte significativamente nossas finanças, é essencial.

Pense em um valor confortável para investir toda semana. Pense nisso como uma aposta na megasena, ou uma rifa. Quer uma sugestão de valor confortável, que não vai impactar muito suas finanças se o Bitcoin deixar de existir da noite para o dia? Use o valor de um bom almoço ou jantar fora. Nada estravagante, pode ser desde o valor daquele restaurante japonês que você frequenta com regularidade como o valor do rodízio de pizzas que você aprecia. Não estou aqui para julgar suas preferências gastronômicas 🙂

Vá somando estes valores semanais em uma planilha ou pedaço de papel. Compre sempre o mesmo valor e não se preocupe com a cotação do Bitcoin. Não se preocupe, mas verifique a cotação toda semana. O objetivo de saber o valor é simples, e aqui vem o segredo desta estratégia:

Sempre que a soma de todos os valores que você investiu estiver valendo o dobro do investimento original, venda metade dos Bitcoins que você adquiriu. Desta forma, os Bitcoins que permanecem com você ficaram com custo zero! Você realizou o lucro! Coloque estes Bitcoins restantes em uma carteira de longo prazo que você não usará mais no momento. Estes serão os Bitcoins que formarão sua reserva de longo prazo. Se tudo der muito certo e os Bitcoins passarem a valor milhões, você terá seus milhões a custo zero. Se eles deixarem de existir de uma hora para outra, você não perdeu absolutamente nada (fora o tempo usado para executar esta estratégia).

É muito cedo para tentar prever o futuro. Podemos apenas especular os rumos que isto irá seguir. Uma estratégia que aproveite as subidas, mas proteja as quedas é a forma de surfar esta onda sem colocar seu futuro em risco.

Bons lucros para todos nós.

Você parte para ação quando vê uma boa idéia e deseja executá-la?

Em setembro, ou seja, há dois meses, escrevi sobre arbitragem com Bitcoins, para nos aproveitarmos da diferença de preços entre as exchanges brasileiras e estrangeiras que acontecem de tempos em tempos. Na época esta diferença estava acima de 20%, e quem podia comprar bitcoins em dólar ou euro e vender aqui em reais, garantia um lucro próximo de 12% em cada operação. Estas operações podiam ser fechadas em apenas poucas horas, então os lucros eram realmente fora de série.

Uma semana depois de ter escrito aquele texto, a janela de oportunidade se fechou, com as cotações lá fora se aproximando das brasileiras. Pergunto: isto fez com que você assumisse uma postura passiva e assim, deixou de correr atrás dos passos necessários para poder executar tais operações no futuro? Ou você foi lá e abriu sua conta em uma corretora e banco estrangeiros para estar bem estruturado quando a oportunidade surgisse novamente?

Uma coisa é investir, outra é especular, mas uma terceira completamente diferente é realizar uma operação pontual destas. Comprar algo por X e vender por X+Y é a melhor forma de lucrar Y. E fazer essas operações quando você tem a certeza de ter o comprador que lhe pagará mais do que lhe custou poucos minutos antes, é simplesmente mágico. Oportunidades assim não podem ser desperdiçadas por quem planeja enriquecer.

Pois é, o mundo é de quem faz. Hoje a janela de oportunidade se abriu. Quem estava pronto, conseguiu lucrar até 15% com total segurança em operações que podem ser executadas em poucas horas. Se a janela se mantiver aberta por uma semana, pode ser feito um giro por dia, mais do que dobrando o capital disponível no final deste período.

Boa tarde, e bons negócios. Corra atrás do que você deseja, as coisas não vão cair do céu.

Lucro bom, é lucro no bolso

No início de agosto escrevi aqui sobre Bitcoins. Na época estava cotado próximo de US$ 4000. No final de agosto, reforcei o assunto, com a moeda digital cotada logo acima de US$ 4700. Hoje a cotação passou de US$ 11.000 no exterior, chegando ao equivalente a US$ 13.500 nas exchanges brasileiras.

Não tenho bola de cristal, a minha quebrou lá em 2001 quando caiu no chão junto com as torres gêmeas e todos meus investimentos em bolsa na época. Não sei para onde vai o Bitcoin, mas uma coisa é certa, quem comprou lá atrás, e manteve a carteira até hoje, ao vender parte do que adquiriu a um preço bem menor, pode retirar do risco 100% do que havia investido, e ainda assim capturar toda uma valorização futura que ainda pode vir a ocorrer.

Isso é investir em algo altamente arriscado, mas sem correr nenhum risco a não ser o de não ganhar. Arriscar, sem chance de perda? Não conheço coisa melhor. Aproveite a sorte, se a teve, e durma tranquilo daqui em diante.

Um abraço e bons investimentos (ou no caso, boa especulação).

Arbitragem com Bitcoins

Esta semana comecei uma nova operação de arbitragem com Bitcoins.

O preço dos Bitcoins no Brasil e no mundo possuem uma diferença de valor. Normalmente este valor é mais alto no Brasil do que no resto do mundo, mas esta diferença é tal, que acaba sendo equivalente aos custos de cambio e envio dos valores para uma corretora no exterior, sendo mais simples comprar os Bitcoins aqui mesmo, em uma das corretoras que atuam no país. Mesmo entre estas corretoras brasileiras, há uma pequena diferença de valor, mas não relevante, e não factível de operar para lucrar, dados os custos de entrada e saída dos valores que estas corretoras cobram nos depósitos e retiradas.

Acontece que existe uma oportunidade. Em determinados momentos, a procura por Bitcoins no Brasil se torna bem maior que a oferta. E nestes momentos há uma clara distorção entre os preços aqui e no exterior. A única maneira de aproveitar estas distorções é estar atento, mas mais que isso, é ter o dinheiro que será usado na compra já disponível na corretora no exterior. Se você deixar para enviar o dinheiro quando detectar a distorção, será tarde, porque normalmente uma transferência internacional ou compra de Bitcoins com cartão de crédito no exterior pode levar até cinco dias para ter o crédito aparecendo na sua conta, quando então já poderá ter passado a oportunidade.

A parte interessante é que devido às características das cripto-moedas e a velocidade de transferência delas, no momento em que compramos Bitcoins no exterior podemos imediatamente transferi-los para nossa conta no Brazil e proceder a venda, ganhando o ágio da diferença entre a compra lá fora e a venda aqui na mesma hora.

Um dos cuidados que precisamos ter nisso é observar também as cotações do dólar, pois altas ou quedas da moeda podem inviabilizar o lucro de uma operação que em princípio seria lucrativa quando olhamos apenas os valores dos Bitcoins.

Identifiquei que podemos lucrar entre 8% a 12% em cada operação, já líquidos das taxas e impostos envolvidos. Como o prazo para cada operação pode ser de até 10 dias entre o envio do dinheiro para compra dos Bitcoins no exterior e a disponibilização dele novamente na conta corrente após a venda dos Bitcoins no Brasil, é possível fazer um giro regular de aproximadamente 30% de lucro a cada mês, quando há condições de mercado adequadas para isso.

Não preciso dizer que há diversos riscos nesta operação, mas deixa eu avisar assim mesmo:

HÁ DIVERSOS RISCOS NESTA OPERAÇÃO. NÃO FAÇA ISSO SE NÃO SOUBER AVALIAR OS RISCOS ENVOLVIDOS. NÃO INVISTA DINHEIRO QUE NÃO POSSA PERDER SEM AFETAR SIGNIFICATIVAMENTE SUAS FINANÇAS.

Não sendo exaustivo, alguns dos riscos são:

  • risco de erros na operação de cambio e envio do dinheiro para o exterior;
  • risco cambial entre o início e fim da operação;
  • risco de extravio/perda dos Bitcoins durante a operação;
  • risco da contraparte em relação às corretoras envolvidas;
  • risco de quedas bruscas na cotação do Bitcoin no meio da operação;
  • riscos de rede que inviabilizem a conclusão da operação em prazo adequado;

EXECUTE ESTAS OPERAÇÕES POR SUA CONTA E RISCO.

Enquanto escrevo estas linhas, a distorção de valor está abaixo de 12%, não dando margem de lucro para concluir uma operação. Há dois dias tal distorção estava em pouco mais de 21%, dando ampla margem de lucro mesmo com todos os custos envolvidos. Como escrevi antes, o importante é estar não apenas atento, mas com o dinheiro preparado lá fora para quando a situação se mostrar vantajosa.

PS: resolvi incluir uma questão extra neste assunto, pois alguns amigos me perguntaram este final de semana se deveriam vender os Bitcoins que já possuem para então enviar o dinheiro para o exterior e recomprar lá, iniciando estas operações. Acho que não é interessante vender seus Bitcoins já em carteira.

O motivo para isso é simples. Se você tivesse vendido seus Bitcoins ontem ou anteontem, com o aumento brutal acontecido nestes dois dias, você teria perdido um lucro muito maior do que o que obteria com a operação de arbitragem. Os dois investimentos são coisas diferentes.

O investimento em Bitcoins visa acumular a moeda de forma a lucrar com a valorização dela no longo prazo, devido a acreditarmos que há uma utilidade real na mesma e que a simples demanda irá fazer o valor apreciar fortemente ao longo dos próximos anos.

Já a operação de arbitragem, é uma operação financeira que visa fazer crescer seus reais em giros mais rápidos. Esta operação independe da cotação do Bitcoin, depende apenas da diferença de cotação no exterior e aqui no Brasil.

Então, como escrevi nos artigos anteriores, sugiro manter 1% a 5% dos seus investimentos em moedas digitais, dependendo do seu conhecimento e crença na utilidade das mesmas para justificar o crescimento fora de série, e investir um valor distinto para o giro com a arbitragem, como em um negócio, ou um investimento mais ativo. A operação de arbitragem não é “investimento em Bitcoins”, mas sim, “uma operação de arbitragem que usa Bitcoins como veículo para tal arbitragem.”

PS2: JÁ ESCREVI QUE HÁ RISCOS? SAIBA O QUE ESTÁ FAZENDO ANTES DE TENTAR ESTAS OPERAÇÕES.

Se você tem interesse em aprender mais sobre este assunto, entre em contato.

Já pensou em um cartão de débito para seus Bitcoins e outras criptomoedas?

O pessoal do Change Bank já pensou, e estão fazendo um pré-ICO amanhã, 11h da manhã no horário de Brasília, para levantar o capital necessário para implantar sua tecnologia.

A empresa é estabelecida na Estônia, país líder em integração social através da tecnologia com seu programa de e-residency, o que torna tudo ainda mais interessante.

Resumidamente o que vão fazer é oferecer um cartão de débito Mastercard que usa suas criptomoedas como lastro para gastos diários. Debita direto de suas carteiras digitais, fazendo a conversão das criptomoedas para dinheiro vivo em tempo real, nas cotações do momento. É mais uma inovação que visa tornar o uso das criptomoedas mais simples e integrado com o que as pessoas já estão acostumadas no seu dia a dia.

O pessoal do CoinTelegraph fez uma matéria falando um pouco de como essas fintechs estão revolucionando a indústria bancária, não tentando destruí-la, mas sim, integrando ambas.

Como eu costumo dizer, Bitcoins são apenas uma vitrine, são a parte aparente do iceberg, aquilo que as pessoas veem em primeiro lugar quando são apresentadas à tecnologia do blockchain, mas há muito mais por trás dessa tecnologia, e empresas inovadoras e disruptivas estão nascendo hoje, para se tornar as gigantes de amanhã.